PCP pode acompanhar pedido de exoneração do governador do Banco de Portugal

O BE apresentou hoje um projeto de resolução no qual pede a avaliação da idoneidade do governador do Banco de Portugal, considerando que Carlos Costa “não pode estar acima de escrutínio”, e defendeu a sua exoneração do cargo. PCP pode acompanhar bloquistas.

Cristina Bernardo

O secretário-geral comunista recordou hoje críticas anteriores do PCP ao atual governador do Banco de Portugal (BdP), mostrando disponibilidade para acolher a resolução anunciada pelo BE pela exoneração de Carlos Costa.

“Não conheço os fundamentos do projeto de resolução do BE. O que podemos dizer é que foram diversos os momentos em que criticámos o papel do supervisor, não só em relação ao processo da Caixa [Geral de Depósitos], mas outras instituições financeiras. A nossa crítica demonstrou que nem sempre o atual governador cumpriu da melhor forma e acompanhou esses processos”, afirmou Jerónimo de Sousa, à margem de um encontro com representantes sindicais de professores, na sede nacional do PCP, em Lisboa.

O BE apresentou hoje um projeto de resolução no qual pede a avaliação da idoneidade do governador do Banco de Portugal, considerando que Carlos Costa “não pode estar acima de escrutínio”, e defendeu a sua exoneração do cargo.

“É o Governo quem toma a iniciativa, ouvida a Assembleia da República. Caso os fundamentos dessa proposta mereçam o nosso acolhimento e atenção, fá-lo-emos, no quadro de outras críticas anteriores que fizemos”, disse o líder comunista.

“O governador do Banco de Portugal não pode estar acima de escrutínio. A suspeita quanto à sua idoneidade é, em si, incompatível com as funções que desempenha”, lê-se no projeto de resolução (recomendação ao Governo) que deu hoje entrada na Assembleia da República.

Em causa está a intervenção de Carlos Costa em créditos concedidos pela Caixa Geral de Depósitos quando era administrador do banco público.

Ler mais
Recomendadas

Conclusões de Tancos vão ditar futuro da PJ Militar

Alegado envolvimento e comprometimento da investigação a Tancos pela PJ Militar desagrada a todos os partidos. Deputados aguardam encerramento da comissão de inquérito para proporem mudanças. Existência dessa entidade pode ser reconsiderada.

Presidente de Angola atribui 58 milhões de euros para criar 500 mil empregos até 2021

Segundo os mais recentes dados do INE, referentes a 2018, a que a Lusa teve acesso sábado, a taxa de desemprego em Angola situa-se nos 28,8%.

Sérgio Moro em Portugal para debater Justiça e Segurança no Fórum Jurídico de Lisboa

“O tema da Justiça e Segurança é extraordinariamente importante para a parte brasileira”, referiu à Lusa o professor catedrático, presidente do ICJD e coordenador científico do CIDP, Carlos Blanco de Morais, um dos três elementos da coordenação científica do VII Fórum Jurídico-Científico.
Comentários