Pedro Nuno Santos: compra de novos comboios para a CP “não é de resolução rápida”

O ministro das Infraestruturas admite que a necessidade de novo material circulante para a ferrovia nacional irá implicar o lançamento de concursos demorados, que só deverão estar resolvidos, na melhor das hipóteses, dentro de quatro anos.

“A aquisição de material circulante para a CP não é um problema de resolução rápida. O país precisa de mais comboios e vou-me bater por nisso. Mas estamos muito limitados no aluguer de material circulante porque só o podemos fazer em Espanha, que tema mesma bitola. Neste momento, temos mais de 20 comboios alugados à Renfe e estamos sempre à procura de mais, mas é muito difícil”, admitiu hoje Pedro Nuno Santos na audição parlamentar na Comissão de Economia e Obras Públicas, no âmbito da discussão do Orçamento de Estado 2020.

O ministro das Infraestruturas assumiu que “a alternativa é a compra de novos comboios, o que implica o lançamento de concursos demorados”.

Pedro Nuno Santos explicou que o processo de recuperação de material circulante abandonado irá colocar ao serviço oito comboios, uma melhoria que não solucionar todos os problemas.

“Vamos deixar de ter supressões nas linhas urbanas, mas não vai dar para o aumento da oferta que precisaríamos para responder ao aumento da procura. Isso só lá irá com a compra de material circulante, o que demorará, pelo menos, quatro anos. É um novo problema real, de difícil superação, mas quanto mais tarde fizermos a encomenda, mais tarde resolveremos este problema”, adiantou o ministro das Infraestruturas.

Pedro Nuno Santos revelou ainda que a administração da CP está neste momento a fazer a identificação das necessidades de novo material circulante, não só para as necessidades presentes, mas também para diversos cenários de crescimento da transportadora ferroviária nacional.

“Depois, dependerá das disponibilidades financeiras. Nos suburbanos é onde a pressão é mais grave. Temos muita pressão nos suburbanos de Lisboa. Os suburbanos do Porto funcionavam melhor, mas também já estão no limite”, precisou Pedro Nuno Santos.

Sobre a linha de Cascais, o ministro disse que “é só um dos exemplos” em que a necessidade material circulante novo é crítica, recordando que “já temos a dotação necessária para a modernização da infraestrutura” e reconhecendo que “temos de fazer a encomenda de material circulante para a linha de Cascais”, que neste momento tem comboios a circular com 50 ou 60 anos, “que já não se fazem” e cujas peças “também já não se fabricam”, devendo-se o seu funcionamento “a um milagre da EMEF”..

Pedro Nuno Santos revelou ainda que na linha de Cascais “podemos manter a tensão [elétrica] atual até chegarem os novos comboios”.

Até na linha da Azambuja, “que é uma linha superavitária da CP”, “temos problemas” de falta de material circulante, mais sentidos ainda na linha de Sintra.

“Quando dizemos que queremos investir em transportes e em habitação, o que estamos a dizer é que queremos investir em liberdade. Porque houve uma falha grave da organização que se chama Portugal, que não conseguiu dar resposta aos problemas nos transportes e na habitação”, defendeu Pedro Nuno Santos na referida audição parlamentar.

De acordo com este governante, “o que o PSD e o CDS fizeram na ferrovia é muito pouco ou nada”, sublinhando Pedro Nuno Santos que “a necessidade de investimento em infraestruturas ferroviárias é brutal” e acrescentando que “em material circulante também é brutal”.

“Tínhamos uma CP maltratada por sucessivos governos, alvo de desinvestimento durante décadas”, acusou o ministro.

Pedro Nuno Santos considera que, neste momento, está a inverter-se este caminho, dando como exemplo a concretização do processo de fusão entre a CP e a EMEF, os acordos de empresa já assinados com os sindicatos do setor, o processo iniciado de recuperação do material circulante abandonado e o contrato de serviço público, inédito, assinado recentemente entre a transportadora ferroviária nacional e o Estado português.

 

 

Ler mais
Relacionadas

Novo aeroporto “é determinante e crítico” para o país, salienta Pedro Nuno Santos

“Para um país periférico como Portugal o investimento aeroportuário, o novo aeroporto na região de Lisboa, é determinante, é crítico para que o nosso povo possa viver melhor”, afirmou o ministro numa audição conjunta nas comissões parlamentares de Orçamento e Finanças e de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

Pedro Nuno Santos manda a IP assegurar os direitos dos vigilantes das estações ferroviárias

Em 2019, a PSG ganhou o concurso para garantir a vigilância das estações da rede ferroviária nacional, anteriormente assegurada pela Strong Charon. A PSG tentou obrigar cerca de 500 vigilantes da antiga empresa a perder os direitos de antiguidade para continuarem a trabalhar. Pedro Nuno Santos exige que a administração da IP coloque travão a esta situação, sugerindo mesmo o fim do contrato.

Pedro Nuno Santos diz que OE2020 acelera “novo ciclo de investimentos estruturantes”

No encerramento do primeiro dia de debate parlamentar sobre a proposta orçamental, o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, garantiu que a proposta orçamental reforça o investimento na habitação e ferrovia, depois do “duplo esquecimento” imposto pelas “opções erradas do passado”.
Recomendadas

Carlyle avalia venda de posição na portuguesa Logoplaste

De acordo com a agência, o grupo já contactou o Barclays Plc e o Goldman Sachs para se aconselhar sobre o negócio.

Novo Banco: GamaLife, antiga GNB Vida, recusa “qualquer relação” com Lindberg

Previamente conhecida como GNB Vida, a GamaLife garante não ter qualquer relação com Lindberg e adianta ainda que “o envolvimento da Apax Partners na aquisição da GamaLife só começou após os problemas amplamente divulgados do Sr. Lindberg, quando já era bastante evidente que ele não seria capaz de completar esta transação“.

Toshiba retira-se oficialmente do negócio dos portáteis

A Toshiba já tinha vendido 80,1% do seu negócio de PCs à Sharp, ficando com uma participação na nova marca criada, a Dynabook, mas agora entregou o resto das ações da empresa.
Comentários