Pela primeira vez em democracia, Portugal teve excedente orçamental de 0,2% em 2019

Centeno fecha 2019 com um excedente orçamental e supera as projeções inscritas pelo Governo no Orçamento do Estado para 2020, que apontava para um défice de 0,1% do PIB.

O saldo positivo em contabilidade nacional chegou mais cedo que o esperado pelo Governo. Portugal registou pela primeira vez em democracia, um excedente orçamental de 0,2% do PIB em 2019, revelou esta quarta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

“A estimativa preliminar para o ano de 2019 revela que o setor das AP [Administrações Públicas] apresentou um saldo positivo (capacidade líquida de financiamento) de 404 milhões de euros, correspondente a 0,2% do PIB”, refere o relatório do organismo de estatística.

O resultado não é apenas melhor do que o défice de 0,1% projectado pelo Governo, no Orçamento do Estado para 2020, como do registado em 2018, ano em que Portugal tinha tido uma necessidade líquida de financiamento de 910,9 milhões de euros, o que corresponde a um défice de 0,4% do PIB, naquele que tinha sido até à data o mais baixo registado desde 1974. Este valor tinha sido atualizado em setembro, depois do organismo de estatística ter estimado em março um défice de 0,5%.

Assim, o saldo em contabilidade nacional registou um aumento de 0,3 pontos percentuais no ano terminado no quarto trimestre de 2019, relativamente ao trimestre anterior, situando-se em cerca de 403,9 milhões de euros, destaca o INE, explicando que “este aumento foi determinado por um aumento da receita superior ao da despesa, com variações de 0,8% e 0,2%”.

No debate no Parlamento, esta terça-feira, o primeiro-ministro, António Costa, já tinha avançado que seria “com grande probabilidade” que o Portugal terá registado “um saldo orçamental positivo”. “Portugal tem sido justamente citado como um grande exemplo de um país que fez uma notável consolidação orçamental e dentro de dias saberemos o saldo orçamental de 2019”, disse.

Algumas instituições nacionais já antecipavam que o saldo orçamental das Administrações Públicas na óptica que conta para Bruxelas fosse superior ao esperado pelas Finanças em 2019. A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) estimava que o saldo orçamental tenha sido de -0,0% do PIB e o Conselho de Finanças Públicas também antecipava que o cenário do Governo fosse cumprido ou superado.

Apesar do INE, manter na primeira notificação relativa ao Procedimento dos Défices Excessivos que envia ao Eurostat, a projeção de excedente orçamental de 0,2% para 2020, inscrita no Orçamento do Estado, quer António Costa, quer o ministro das Finanças, Mário Centeno, já admitiram que o cenário será revisto em baixa, devido à crise provocada pela Covid-19.

Também o organismo de estatística nacional realça que a informação divulgada esta quarta-feira “não reflete ainda a situação atual determinada pela pandemia Covid-19”. “É de esperar que as tendências aqui analisadas se alterem substancialmente”, assinalam.

Contribuições sociais impulsionam receita 

O aumento da receita total de 0,8% é explicado por uma subida de 0,8% da receita corrente e de 2,3% da receita de capital. A receita corrente foi sobretudo impulsionada pelo aumento de 1,7% das contribuições sociais, “traduzindo a evolução no mercado de trabalho”, seguida pelos impostos sobre a produção e importação (1%), pelos impostos sobre o rendimento e património (0,4%) e pelas vendas (0,1%), “que mais que compensaram a diminuição da outra receita corrrente (2,5%)”.

Já o comportamento da despesa “resultou do efeito combinado da diminuição da despesa de capital em 3,7% e do aumento da despesa corrente em 0,5%”.

“O comportamento da despesa corrente refletiu os aumento das prestações sociais (1,2%), despesas com pessoal (1,3%) e subsídios (5,6%) e as diminuições dos encargos com juros (3,0%) e da outra despesa corrente (3,0%). O consumo intermédio permaneceu inalterado neste período”, explica o INE.

(Atualizado às 11h39)

Ler mais

Relacionadas

Dívida pública caiu para 117,7% do PIB no ano passado, de 122% em 2018

O INE adiantou que prevê que o rácio deverá descer para 114,9% do PIB este ano, o que compara com os 116,2% inscritos no Orçamento do Estado para 2020. A informação foi divulgada na primeira notificação do Procedimento dos Défices Excessivos.

Taxa de poupança das famílias recua e atinge os 6,7%

Os dados relativos a 2019 foram hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística. A taxa recuou porque houve um “aumento do rendimento disponível inferior ao da despesa de consumo final”.
Recomendadas

Diretores de jornais e revistas lançam apelo: diga não à pirataria

Numa iniciativa inédita, os diretores dos principais jornais e revistas de Portugal juntaram-se num apelo conjunto aos leitores para que digam não à pirataria. O jornalismo de qualidade só será viável se tiver o apoio dos seus leitores.

Mais de 80% dos pacientes infetados com Covid-19 estão a recuperar em casa

Segundo os dados hoje divulgados, existem 1.124 profissionais de saúde infetados pelo novo coronavírus (Covid-19) em Portugal.

Recorde. 10 milhões de norte-americanos perderam o seu emprego em duas semanas

Número semanal de pedidos de desemprego bate um recorde pela segunda semana consecutiva, atingindo os 6,6 milhões de trabalhadores. Em duas semanas, 10 milhões de norte-americanos perderam o seu emprego devido à pandemia da Covid-19.
Comentários