Portugal consegue juros abaixo de 3% para emitir dívida de médio prazo

IGCP realizou esta quarta-feira dois leilões de obrigações com maturidades em 14 de abril de 2027 e 17 de outubro de 2022, tendo colocado o montante máximo indicativo. As taxas de juro alcançadas desceram face a anteriores leilões com igual maturidade e ao mercado secundário.

D.R.

O Tesouro português voltou a pagar taxas mais baixas para emitir dívida pública de médio prazo. A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, o IGCP, emitiu esta quarta-feira 1.250 milhões de euros, o montante máximo indicativo, em dois leilões de Obrigações do Tesouro (OT) a cinco e dez anos.

Na linha com maturidade a 14 de abril de 2027, o IGCP emitiu 750 milhões de euros em OT a 10 anos, tendo pago uma taxa de colocação foi de 2,851%, a mais baixa desde agosto do ano passado. A última emissão de OT a 10 anos aconteceu a 10 de maio, altura em o o IGCP colocou 632 milhões de euros com uma yield de 3,386%.

“São muito boas notícias”, avalia o diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa, Filipe Silva. “Claramente emitimos abaixo do custo médio da dívida portuguesa e por se tratar de dívida de longo prazo esse facto beneficia os encargos do país. No caso da emissão a 10 anos, creio mesmo que se trata da emissão mais baixa que temos no mercado”.

Além da descida acentuada face ao último leilão com igual matura, a taxa ficou também ligeiramente abaixo da yield das obrigações benchmark negociadas no mercado secundário. Esta manhã, o juro da dívida nacional a 10 anos desceu para 2,88%, o valor mais baixo em 10 meses.

O diretor da gestão de ativos atribui a descida dos juros a uma série de fatores, mas sublinha que “boa parte se deve ao reconhecimento, por parte dos investidores, dos bons dados económicos divulgados recentemente sobre Portugal”.

O gestor da corretora XTB, Eduardo Silva lembra também que Portugal está a beneficiar da conjuntura europeia. “Assistimos a uma redução do prémio de risco dos periféricos do euro e em particular de Portugal, face ao custo da dívida alemã que serve de referência”. O analista acrescenta que “bons indicadores, uma política monetária expansionista agressiva do Banco Central Europeu, a redução do risco político e saída de défice excessivo, continuam a ajudar Portugal a financiar-se a custos mais baixos”.

Na linha com maturidade a 17 de outubro de 2022, o Tesouro emitiu 500 milhões de euros em OT a cinco anos e conseguiu uma taxa de colocação de 1,198%. No último leilão de obrigações com o mesmo prazo, também em maio, o IGCP tinha pago uma taxa de colocação 1,828% para emitir 618 milhões.

A procura na maturidade benchmark superou a oferta em três vezes, o que significa uma procura mais robusta do que no leilão de maio. Já nas bonds a cinco anos, a procura foi 1,94 vezes superior à oferta, ligeiramente menor que na última emissão.

Estes leilões acontecem apenas dois dias antes da agência de notação financeira Fitch rever o rating de Portugal. Atualmente em BB+, ou seja no primeiro nível de ‘lixo’, é pouco provável que o rating da República seja alterado na próxima sexta-feira já que tem perspetiva estável. No entanto, a Fitch poderá premiar Portugal com uma revisão em alta do outlook.

“A nível nacional, pagamentos extraordinários ao FMI, crescimento forte, projeções positivas para o resto do ano, no que diz respeito a serviços e exportações, são indicadores positivos e poderão, inclusivamente a certo ponto, obrigar agências como a Fitch, que se irá pronunciar esta semana, a mudar o rating“, refere o gestor da XTB.

Ler mais

Relacionadas

Economista Daniel Bessa não acredita na subida do rating do país

Antigo ministro da Economia de António Guterres afirma que, sem um controlo efetivo da dívida pública, não há razões para o país sair da condição de ‘lixo’.

Compra de Obrigações portuguesas pelo BCE cai para novo mínimo em maio

No mês passado, a instituição liderada por Mario Draghi diminuiu o ritmo da compra total de ativos da zona euro para 60 mil milhões de euros por mês. O valor das bonds portugueses caiu para um novo mínimo de sempre: 504 milhões euros, longe do pico de há um ano.

BdP: Economia tem melhores perspetivas mas persistem riscos para a banca nacional

O elevado endividamento do setor público e dos privados e o baixo crescimento potencial da economia portuguesa continuam a representar riscos para a estabilidade financeira, referiu o Banco de Portugal no seu Relatório de Estabilidade Financeira.
Recomendadas

Comissão Europeia vai emitir 800 mil milhões de euros em dívida. Qual é a estratégia?

A Comissão Europeia quer emitir 150 mil milhões de euros por ano, em média, até 2026 para financiar o NextGeneration EU. Leilões de Obrigações e títulos de curto prazo e vendas sindicadas estão previstas na estratégia, cujas primeira emissão prevista para o verão, aguarda a decisão de recursos próprios dos Estados-membros.

S&P 500 renova máximos e fecha quarta semana seguida de ganhos em mais uma sexta-feira no verde em Wall Street

Também o Dow Jones voltou a fechar acima da barreira histórica dos 34 mil pontos, com a recuperação económica dos EUA a ganhar um claro ímpeto. As tecnológicas fogem à tendência de ganhos, bem como os grandes bancos norte-americanos, apesar dos resultados trimestrais fortes.

‘Novas’ ações da EDP Renováveis foram admitidas à negociação

Num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa informa ainda que a admissão à negociação das ‘novas’ ações surge depois de a EDPR ter feito o registo do aumento de capital de 1.500 milhões de euros.
Comentários