Portugal disponibiliza 50 mil euros para reabilitação do CENORF

O Ministério do Trabalho Solidariedade e Segurança Social disponibilizou esta quinta-feira mais de cinco mil contos para financiar as obras de reabilitação do Centro Nacional de Ortopédico e de Reabilitação Física de Cabo Verde (CENORF). As obras arrancam na segunda-feira.

O Ministério do Trabalho Solidariedade e Segurança Social disponibilizou esta quinta-feira mais de cinco mil contos para financiar as obras de reabilitação do Centro Nacional de Ortopédico e de Reabilitação Física de Cabo Verde (CENORF).

O protocolo de cooperação, orçado em 50 mil euros (cerca de 5.451 contos) foi rubricado esta manhã por responsáveis dos ministérios da Família e Inclusão Social, de Cabo Verde, e do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (Portugal) e vai permitir a instalação de acessibilidades para as pessoas com deficiência e/ou mobilidade reduzida na sede do CENORF.

Para o representante do CENORF, Alberto Afonso, este ato significa mais um passo dos projetos que a instituição tem implementado, sobretudo na adaptação do espaço, que segundo o mesmo, vai colmatar uma das dificuldades existentes a nível de acessibilidade.

Na ocasião, agradeceu as partes envolvidas neste acordo, considerando que neste momento quem sai a ganhar é o povo de Cabo Verde, particularmente as pessoas com deficiência.

Alberto Afonso avançou que o centro passou por algumas dificuldades, mas sublinhou que neste momento estão a ter “o tão almejado espaço”, com acesso e com condições para os utentes, mas também para os colaboradores que terão melhores condições de trabalho.

“Esta assinatura é um presente para Cabo Verde, mas sobretudo para as pessoas com deficiência sendo que no dia 25 deste mês, completamos 15 anos de existência em prol daqueles que estão neste País e que muita das vezes são esquecidos em situações e circunstâncias que levam dada as suas deficiências”, referiu.

Por seu turno, o embaixador de Portugal em Cabo Verde, António Albuquerque Moniz, que destacou “a excelente relação de cooperação” entre os dois países, considerou que se trata de um projeto de “grande relevância” para o País, sobretudo para as pessoas que frequentam o CENORF e que tem tido um papel “muito importante” ao longo desses anos.

“Congratulo-me com a celebração deste protocolo, com certeza que no próximo ano teremos a oportunidade de celebrar também com o apoio de Portugal e Cabo Verde um novo acordo para os anos seguintes”, mencionou, realçando que este apoio terá um impacto direto junto das pessoas que mais necessitam, particularmente as pessoas com deficiência.

Por outro lado, o diretor geral do Planeamento Ordenamento e Gestão, do Ministério da Família, Mário Marques, considerou que este acordo vai permitir e criar condições a nível de acessibilidade para as pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.

O CENORF destina-se a prestação de serviços especializados em matéria de ortopedia e reabilitação, direcionados a pessoas com deficiência de predomínio físico, motor ou multi-deficiência congénita e adquirida de qual quer idade, provenientes de todas as ilhas do arquipélago.

As obras de reabilitação arrancam na próxima segunda-feira, dia 9 de novembro, e terão a duração de dois meses.

Ler mais
Recomendadas

Banco de Cabo Verde confirma liquidação de um dos quatro ‘offshore’

O regulador bancário cabo-verdiano informou que procedeu ao registo da deliberação dos acionistas do Banco Privado Internacional, SA – BPI, Instituição de Crédito de Autorização Restrita, que “decidiu pela sua dissolução voluntária e liquidação”.

CPLP vai apoiar candidatura do Brasil ao Tribunal Penal Internacional 

“Houve uma proposta do Brasil para apoio à candidatura da juíza Federal Mónica Jaqueline Cinfuentes ao Tribunal Penal Internacional”, afirmou Eurico Monteiro, embaixador de Cabo Verde.

Moody’s mantém rating do banco da CEDEAO em ‘lixo’

O BID tem como acionistas os países da CEDEAO, entre os quais estão os lusófonos Cabo Verde e Guiné-Bissau, para além de outros países da África Ocidental, como a Costa do Marfim, Nigéria ou o Senegal.
Comentários