OCDE: Portugal é o 33º país menos competitivo em políticas fiscais

A liderar a tabela dos países com melhor classificação no que toca às políticas fiscais estão a Estónia, Nova Zelância, Letónia, Suiça, Suécia, Países Baixos e Luxemburgo. Pior do que Portugal só Itália e França.

Entre 35 países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), Portugal ficou em 33º lugar na competitividade fiscal. Pior do que Portugal, só Itália e França. As conclusões são do relatório “Índice de Regulación Fiscal 2016-2017”, elaborado pela Tax Foundation, que visa medir a competitividade das políticas fiscais.

Segundo os parâmetros analisados, Portugal regista maior competitividade nos impostos sobre a propriedade (20º lugar) e no tratamento de tributação de benefícios internacionais (29º lugar). No que concerne ao IRC, ocupa o 30º lugar e o IRS o 31º lugar.

Antes de Portugal e nos últimos cinco lugares surgem, ainda, Estados Unidos e Grécia. A liderar a tabela dos países com melhor classificação no que toca às políticas fiscais estão a Estónia, Nova Zelância, Letónia, Suiça, Suécia, Países Baixos e Luxemburgo.

Recomendadas

“Os problemas do ambiente marinho vão além da sobrepesca ou poluição”, diz ministro do Mar

Celebra-se este sábado o Dia Nacional do Mar. Ricardo Serrão Santos esteve com representantes nacionais das instituições ligadas à pesca, em Sesimbra, onde alertou que “os oceanos de hoje foram levados ao limite pela praga do nosso tempo, o aquecimento global”.

Bloco de Esquerda defende englobamento no IRS para criar mais justiça fiscal

A coordenadora do BE, Catarina Martins, defendeu este sábado o englobamento de rendimentos no IRS como forma de aliviar a carga fiscal para quem trabalha e criar mais justiça fiscal, cobrando a quem ganha rendimentos de capital.

Saudi Aramco começa este domingo o período de subscrição de ações

A maior oferta pública de venda (OPV) de ações da história começa amanhã e estará aberta até ao dia 28 de novembro para investidores privados que somente serão sauditas por decisão da empresa e até 4 de dezembro para investidores institucionais.
Comentários