Portugal é o país da OCDE que mais defende aumentar os impostos aos mais ricos para apoiar os mais pobres

Relatório “Risks that Matter”, publicado pela OCDE, esta terça-feira, revela ainda que 71% dos portugueses identificam a injustiça como a principal causa da pobreza.

Mais de 70% dos portugueses consideram que o Governo poderia aumentar os impostos dos mais ricos para apoiar os mais pobres. A conclusão é do relatório “Risks that Matter”, publicado pela OCDE, esta terça-feira, que coloca Portugal a liderar o ranking dos países com o maior número de inquiridos a responder afirmativamente a esta questão.

“Em cada país inquirido, mais da metade dos entrevistados escolheu “sim” ou “definitivamente sim” quando questionado: Deve o governo  taxar mais os mais ricos do que atualmente faz, para apoiar os mais pobres?”. Na Grécia, Alemanha, Portugal e Eslovénia, a participação aumenta para 75% ou mais”, refere a OCDE.

Fonte: Risks that Matter – Survey report, março de 2019

Segundo o relatório da OCDE, os inquiridos “continuam a expressar compaixão e apoio às políticas redistributivas em prol dos pobres”. Quando questionados sobre a razão pela qual mais pessoas vivem em situação de pobreza, a resposta mais comum em 17 dos 21 países foi “injustiça na sociedade”.

“71% dos portugueses e 68% dos mexicanos apontavam a injustiça como a principal causa da pobreza, assim como mais de dois terços dos entrevistados franceses, alemães e eslovenos”, explica a instituição com sede em Paris.

A um nível global, o estudo conclui que a satisfação e as perceções de justiça diferem de acordo com os grupos económicos e sociais. “Com isto em mente, não é surpreendente que essa insatisfação difira entre os grupos. As pessoas mais velhas, por exemplo, são geralmente muito mais propensas do que as pessoas mais jovens a acreditar que não poderiam ter benefícios e serviços públicos se precisassem”, refere o estudo.

O inquérito da OCDE abrangeu 21 países – Áustria, Bélgica, Canadá, Chile, Dinamarca, Estónia, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Israel, Irlanda, Itália, Lituânia, México, Holanda, Noruega, Polónia, Portugal, Eslovénia e Estados Unidos -, tendo decorrido em duas fases (na primavera e no outono) e sido aplicado a uma amostra de 22 mil pessoas com idades compreendidas entre os 18 e os 70 anos.

Ler mais
Relacionadas

Quase metade dos portugueses pagariam mais impostos para terem melhores cuidados de saúde pública

Relatório da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico coloca Portugal no segundo lugar do pódio dos países com o maior número de inquiridos que diz que estaria disponível para um aumento de 2% de impostos para beneficiar de melhores cuidados de saúde pública.
Recomendadas

Web Summit: Empresas portuguesas que participaram em 2016 arrecadaram financiamentos de 60 milhões de euros

As ‘startup’ portuguesas que participaram na primeira edição da cimeira tecnológica Web Summit em Lisboa, há três anos, já arrecadaram quase 60 milhões de euros em financiamento após 41 rondas de investimento, informou a organização à agência Lusa.

Reaberta circulação ferroviária na Linha de Cascais

A circulação ferroviária na Linha de Cascais, que esteve interrompida por causa de um atropelamento ao início da manhã de hoje, foi retomada cerca das 08:30, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

Países do Mercosul aceleram entrada em vigor do acordo com União Europeia

Os países do Mercosul concordaram em entrar individualmente no acordo com a União Europeia à medida que o parlamento de cada Estado aprovar o texto, sem esperarem pela aprovação de todos as nações para oficializar a integração.
Comentários