Portugal é o terceiro país europeu que mais recorre ao trabalho temporário

Um em cada cinco trabalhadores tem um contrato a prazo, mais seis pontos percentuais que o verificado na União Europeia (15%), segundo a Pordata.

Reuters

Portugal é o terceiro país europeu que mais recorre ao trabalho temporário, a seguir à Espanha e à Polónia, com um em cada cinco trabalhadores com contrato a prazo, divulgou este sábado a Pordata.

“Portugal é o terceiro país europeu com mais contratos a prazo, a seguir à Espanha e Polónia. Um em cada cinco trabalhadores tem um contrato a prazo, mais seis pontos percentuais que o verificado na UE27 (15%)”, revela um retrato do tecido empresarial português com dados de 2018, hoje divulgado pela base de dados estatísticos da Fundação Francisco Manuel dos Santos, a propósito do Dia das Micro, Pequenas e Médias Empresas (PME).

Já nos países bálticos e na Roménia, esta situação atinge menos de 4% dos trabalhadores.

Quanto aos salários, 22% dos trabalhadores por conta de outrem recebia em 2018 o salário mínimo nacional (580 euros, à data), o triplo do valor registado em 2008 (7,4%).

A Pordata sublinha, contudo, que o salário mínimo nacional aumentou 23% naquele período, o equivalente a mais de 100 euros (a preços constantes), crescimento bem superior ao das remunerações médias mensais no mesmo período (4%, ou mais 35 euros).

No setor do alojamento e restauração, um terço dos trabalhadores recebia o salário mínimo em 2018, e nas indústrias transformadoras e nas atividades de saúde e apoio social, um quarto dos trabalhadores auferiam aquele ordenado.

A preços constantes, o aumento dos salários nas últimas décadas tem vindo a ser menor, conclui o relatório.

“Se na década de 90 (entre 1988 e 1998), os salários aumentaram 32%, já na década de 2000 (entre 1998 e 2008) aumentaram 12% e na última (entre 2008 e 2018) 5%”, esclarece.

Quanto ao perfil do empregador e do trabalhador, o estudo verificou que metade dos empregadores tem, no máximo, o 9.º ano de escolaridade.

Já nos trabalhadores por conta de outrem, essa relação é de dois para cada cinco.

Em duas décadas, a proporção de trabalhadores por conta de outrem com, pelo menos, o ensino secundário, aumentou em 35 pontos percentuais, enquanto do lado dos empregadores esse crescimento foi de 32 pontos percentuais.

Ler mais
Recomendadas

Portugueses aderem a compras online mas têm menos dinheiro para gastar

A Intrum aconselha os consumidores a estabelecerem prioridades na Black Friday. “As promoções online são uma mais valia nesta fase em que temos de estar o mais resguardados possível”, refere o diretor geral da empresa em Portugal.

Recebeu um SMS com reembolso de imposto de 105 euros para si? Fisco alerta para fraude e pede para ignorar

Autoridade Tributária (AT) alerta para mensagens falsas enviadas para o telemóvel a pedir para carregar em links que são fornecidos para receber alegados reembolsos de impostos de 150 euros a contribuintes. Objetivo: Objetivo é “convencer” o destinatário a aceder a páginas maliciosas. Fisco avisa que mensagens “devem ser ignoradas”.

Produtos de poupança dos seguros terão de ser redesenhados

Enquanto se espera pelo Produto de Poupança Europeu, o PEPP, os seguradores nacionais estão adaptar-se com novas ofertas num contexto difícil. Novos incentivos fiscais vinham a calhar para fazer crescer a motivação para a poupança.
Comentários