Portugal em risco de ter eleições afetadas por ‘fake news’

O diretor da agência AP Exata e investigador da Universidade do Minho Sérgio Denicoli considera que existem condições em Portugal para repetir o caso brasileiro, em que várias notícias falsificadas (‘fake news’) influenciaram os resultados eleitorais.

Kacper Pempel/Reuters

“O fenómeno já está em Portugal. Vejo todos os dias formação de novos grupos no Facebook e outras plataformas com opiniões muito extremas, grupos com opiniões que tentam desconstruir” temas consolidados como a “questão da escravidão por exemplo”, afirmou à Lusa o investigador brasileiro, que lidera uma agência de análise de dados e de tendências a partir das redes sociais.

No país, existem “grupos muito focados em questões religiosas, em agressões às minorias. Isso já está colocado nas redes em Portugal e eu acredito que, quando as eleições começarem, isso vai subir de uma forma muito forte, porque a rede já está armadilhada”, avisou o analista, que faz a comparação com o caso brasileiro, em que a rede WhatsApp contribuiu para a vitória de Jair Bolsonaro na corrida presidencial.

Tratam-se de “bolhas que nós não vemos”, disse Denicoli, dando o caso recente da manifestação dos “coletes amarelos” em Portugal como um exemplo de que o “movimento ‘offline’ é muito diferente do movimento ‘online'”.

“Houve um fracasso ‘offline'” – a promessa de uma grande manifestação falhou – mas no “‘online’ aqueles assuntos foram colocados e as pessoas estão a discutir aqueles assuntos”, explicou.

Fenómeno semelhante aconteceu há alguns anos no Brasil, quando “não havia muita gente” nas manifestações convocadas via redes sociais contra o ‘establishment’.

Mas “as pessoas já estavam seduzidas por aquelas ideias” e isso teve reflexo nas eleições presidenciais brasileiras de outubro.

Em Portugal, “é um fenómeno que começa a corroer os subterrâneos das redes e não vai demorar muito para subir à tona”.

A AP Exata procura “identificar como é que as pessoas agem nas redes sociais” e “o sentimento” dos cidadãos em relação a determinados temas.

Nas recentes eleições brasileiras, “observámos como eram os sentimentos dos eleitores perante as declarações dos candidatos e toda a conversação nas redes sociais” e “conseguimos identificar a intenção de voto a partir do sentimento desses eleitores”, recordou, admitindo que a desinformação contribuiu para alterar o sentido de voto.

“Desde que há eleições, há notícias falsas que circulam, mas não com esta escala. Como o que aconteceu no Brasil, a ponto de influenciar realmente o resultado das eleições”, explicou Denicoli.

“A transparência da informação ficou no século passado. Hoje, [nas redes sociais] qualquer tipo de informação pode concorrer com informação verificada, como a da Lusa”, disse, recordando que os gestores das grandes plataformas, como o Facebook, “não têm interesse em fazer uma regulação mais assertiva e mais ponderada”, preferindo uma “autorregulação que não responde ao que pede a sociedade”.

Hoje em dia, “nós vemos que a democracia começa a sofrer perdas a partir da falta de literacia digital” que afeta o discernimento dos eleitores.

Criam-se “bolhas informativas que agrupam pessoas que têm os mesmos interesses e valores” e as pessoas “têm pouca paciência para serem confrontadas”.

Em Portugal, como no Brasil, os órgãos de fiscalização são “estruturas muito analógicas para lidar com este fenómeno, que é extremamente digital”.

Além disso, as “legislações domésticas não são eficazes”, é “preciso uma abordagem global” entre vários estados, mas isso constitui “um processo que exige muito tempo e a rede é muito rápida” a ultrapassar as novas regulações, salientou Denicoli.

No caso português, em comparação com o Brasil, há uma “população envelhecida” menos expostas às novas tecnologias da informação e o “agendamento da sociedade passa mais pelos jornais e televisões”, os ‘media’ tradicionais.

No entanto, ao contrário do Brasil, o índice de abstenção é muito grande e os jovens são os que menos votam.

Este tipo de estímulos das redes sociais destina-se mais aos mais novos, alertou Sérgio Denicoli, admitindo que pode ser mais fácil em Portugal um voto de protesto dos eleitores jovens, o que pode alterar a distribuição tradicional dos votos.

Os promotores de desinformação “sabem que os jovens são alvos preferenciais e estão trabalhando isso”, avisou.

 

Ler mais
Recomendadas

Criador de consensos juntou têxteis antes de presidir à AEP

Paulo Nunes de Almeida morreu ontem, aos 60 anos, deixando para trás um percurso ligado ao empreendedorismo e à internacionalização.

PremiumAssembleia da República: maioria absoluta masculina, acima dos 50 e recém-chegada

A XIII Legislatura que chegou na sexta-feira à sua última reunião plenária não fica só marcada pela “geringonça”. Ao longo dos últimos quatro anos os portugueses foram representados por um Parlamento tão envelhecido quanto inexperiente no desempenho de funções. Aqui está a radiografia dos nossos deputados.

Deputado crítico da “especulação” despeja inquilino em edifício histórico

Arrendatários de espaço cultural dizem que empresa do socialista Hugo Pires quer alojamento local num prédio no centro de Braga, classificado como imóvel de interesse público e património da cidade.
Comentários