Portugal já pode iniciar reembolso antecipado ao FMI

Mário Centeno já tem o OK necessário de todas as instituições europeias para iniciar o reembolso previsto ao FMI. Os primeiros 3,5 mil milhões de euros deverão ser entregues até final de agosto.

Audiovisual da União Europeia

O Governo português já tem a aprovação de todas as instituições europeias para iniciar o processo de reembolso antecipado ao FMI. A autorização que estava em falta era a do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF), que foi concedida esta quarta-feira.

A notícia chega depois de, em maio, o ministério liderado por Mário Centeno ter formalizado no Ecofin o pedido de antecipação do pagamento de cerca de 10 mil milhões ao FMI. O motivo apontado foi o de os juros serem mais elevados que os das instituições europeias, bem como o de os prazos serem mais curtos.
Até ao fim de junho serão pagos mil milhões de euros ao FMI, esperando-se nos dois meses seguintes, julho e agosto, o pagamento de 2,5 mil milhões de euros.

Em nota enviada à Lusa, o diretor do FEEF, Klaus Regling, deu conta da decisão, saudando “a intenção de Portugal de fazer reembolsos antecipados relativos ao empréstimo junto do FMI” e revelando-se “satisfeito com o facto de o Conselho de Administração do FEEF ter hoje decidido autorizar e apoiar este plano”. Regling diz que esta nova devolução antecipada vai “baixar os custos do serviço da dívida de Portugal, melhorar a sustentabilidade da dívida e enviar um sinal positivo aos mercados quanto às condições de financiamento melhoradas” do país.

O diretor do FEEF – cujo financiamento de 26 mil milhões de euros o torna o maior credor internacional do país –, “isto é bom para Portugal e para o FEEF” porque “ajuda a colocar Portugal numa melhor posição económica para honrar as suas obrigações futuras”. No entanto, Klaus Regling apela ao Governo para que “use qualquer espaço orçamental adicional, como o criado por este reembolso antecipado ou o que resultar do bom desempenho económico, para reduzir ainda mais o seu nível de endividamento”.

Relacionadas

Centeno: Programa de reembolsos ao FMI “não é para concluir até ao final da legislatura”

Dívida Pública é uma preocupação do ministro das Finanças. Pressão adicional nos mercados, que o pagamento do programa de reembolsos ao FMI antes dos 30 meses que o Governo solicitou, poderia provocar leva Centeno a falar em “cautela”.

“Consolidação orçamental não é austeridade”

Joaquim Sarmento é o coordenador de um estudo apresentado no passado dia 5 por um ‘think tank’ próximo do PSD. O estudo propõe uma solução “responsável” para a elevada dívida pública nacional.
Recomendadas

CGD aumenta comissões. Estudantes universitários com mais de 26 anos começam a pagar

Um mês e meio depois as comissões da CGD voltam a subir. No entanto, prevê-se isenção para os estudantes universitários com menos de 26 anos, além de clientes com incapacidade para a utilização dos dispositivos automáticos. Estudantes com mais de 26 anos são os principais visados neste aumento.

Rede de apoio ao consumidor endividado: o que é?

O excesso de endividamento pode destruir para sempre os alicerces de uma vida e a procura de apoio nos piores momentos pode ser fundamental. Mais fundamental ainda é que os consumidores aprendam com os erros do passado.

Filhos até aos 25 anos e rendimentos até 8.120 euros entram no IRS dos pais

Os dependentes que no dia 31 de dezembro de 2018 ainda não tivessem completado 26 anos de idade podem entrar na declaração de IRS dos pais, mesmo que tenham registo de rendimentos de trabalho.
Comentários