Portugal já pode iniciar reembolso antecipado ao FMI

Mário Centeno já tem o OK necessário de todas as instituições europeias para iniciar o reembolso previsto ao FMI. Os primeiros 3,5 mil milhões de euros deverão ser entregues até final de agosto.

Audiovisual da União Europeia

O Governo português já tem a aprovação de todas as instituições europeias para iniciar o processo de reembolso antecipado ao FMI. A autorização que estava em falta era a do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF), que foi concedida esta quarta-feira.

A notícia chega depois de, em maio, o ministério liderado por Mário Centeno ter formalizado no Ecofin o pedido de antecipação do pagamento de cerca de 10 mil milhões ao FMI. O motivo apontado foi o de os juros serem mais elevados que os das instituições europeias, bem como o de os prazos serem mais curtos.
Até ao fim de junho serão pagos mil milhões de euros ao FMI, esperando-se nos dois meses seguintes, julho e agosto, o pagamento de 2,5 mil milhões de euros.

Em nota enviada à Lusa, o diretor do FEEF, Klaus Regling, deu conta da decisão, saudando “a intenção de Portugal de fazer reembolsos antecipados relativos ao empréstimo junto do FMI” e revelando-se “satisfeito com o facto de o Conselho de Administração do FEEF ter hoje decidido autorizar e apoiar este plano”. Regling diz que esta nova devolução antecipada vai “baixar os custos do serviço da dívida de Portugal, melhorar a sustentabilidade da dívida e enviar um sinal positivo aos mercados quanto às condições de financiamento melhoradas” do país.

O diretor do FEEF – cujo financiamento de 26 mil milhões de euros o torna o maior credor internacional do país –, “isto é bom para Portugal e para o FEEF” porque “ajuda a colocar Portugal numa melhor posição económica para honrar as suas obrigações futuras”. No entanto, Klaus Regling apela ao Governo para que “use qualquer espaço orçamental adicional, como o criado por este reembolso antecipado ou o que resultar do bom desempenho económico, para reduzir ainda mais o seu nível de endividamento”.

Relacionadas

Centeno: Programa de reembolsos ao FMI “não é para concluir até ao final da legislatura”

Dívida Pública é uma preocupação do ministro das Finanças. Pressão adicional nos mercados, que o pagamento do programa de reembolsos ao FMI antes dos 30 meses que o Governo solicitou, poderia provocar leva Centeno a falar em “cautela”.

“Consolidação orçamental não é austeridade”

Joaquim Sarmento é o coordenador de um estudo apresentado no passado dia 5 por um ‘think tank’ próximo do PSD. O estudo propõe uma solução “responsável” para a elevada dívida pública nacional.
Recomendadas

Seis dicas para gerir bem as contas do condomínio

O orçamento deve incluir despesas e receitas. Antecipe a necessidade de obras e reserve parte das quotas no Fundo de Reserva Comum. Saiba qual a conta à ordem ou o seguro multirriscos-condomínio mais vantajosos.

EDP junta-se a empresas europeias para impulsionar financiamento sustentável

Dezasseis das maiores empresas europeias pretendem impulsionar o desenvolvimento do financiamento sustentável. ”O fórum é uma oportunidade para colocar as empresas na vanguarda da transição para uma economia de baixo carbono e sustentável”.

Governo aprova garantia de 150 milhões para indemnizar os lesados do BES

O valor destina-se a pagar indemnizações aos cerca de dois mil clientes que compraram, aos balcões do BES, 400 milhões de euros em papel comercial.
Comentários