Portugal recebeu 22,8 milhões de turistas em 2018. Subida de 7,5%, abaixo da previsão

No setor do alojamento turístico, o número de hóspedes totalizou 25,2 milhões e as dormidas 67,7 milhões em 2018, traduzindo-se em aumentos de 5,1% e 3,1%, respetivamente. Os valores ficaram abaixo das previsões.

Cristina Bernardo

O número de chegadas de turistas não residente em 2018 foi de 22,8 milhões, um valor que corresponde a um crescimento de 7,5%  face a 2017, contudo, abaixo da previsão que apontava uma evolução de 16,6% no ano passado, de acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgados esta sexta-feira, 2 de agosto. Consequência? O setor do alojamento turístico em 2018 desacelerou.

Segundo o gabinete estatístico nacional, no setor do alojamento turístico, o número de hóspedes totalizou 25,2 milhões e as dormidas 67,7 milhões no ano passado, traduzindo-se em aumentos de 5,1% e 3,1%, respetivamente. Em 2017, os crescimentos foram de 12,9% e 10,8%, pela mesma ordem.

Na hotelaria registaram-se 81% dos hóspedes e 83,6% das dormidas, seguindo-se o alojamento local (15,6% e 13,8%, respetivamente) e o turismo no espaço rural e de habitação (3,4% e 2,6%, respetivamente).

“Espanha manteve-se como o principal mercado emissor de turistas internacionais”, lê-se na nota do INE.

O mercado interno assegurou 19,9 milhões de dormidas (29,4% do total) e evidenciou um aumento de 6,5% em 2018, quando comparado com a evolução de 7,3% em 2017.

O ano passado, os residentes em Portugal efetuaram 22,1 milhões de deslocações turísticas, com um crescimento de 4,2% (evolução inferior às subidas de 5,% em 2017 e 5,4% em 2016). Destas deslocações, as viagens turísticas em território nacional atingiram 19,6 milhões e as deslocações para o estrangeiro foram 2,5 milhões.

Ler mais

Recomendadas

“Mercados em Ação”: Assista ao programa desta semana

Acompanhe o “Mercados em Ação” no site e nas redes sociais do Jornal Económico. E reveja-o através da plataforma multimédia JE TV.

UGT espanhola propõe um ano de teletrabalho para funcionários do Estado

Sindicato pretende regular o regime de trabalho com uma negociação coletiva. Após o confinamento, mais de metade dos funcionários públicos retomaram o trabalho de forma presencial.

Pandemia põe em risco mais de 40% dos empregos no Algarve, estima OCDE

A OCDE calcula que o emprego poderá cair, em média, entre 4,09% e 4,98% em 2020 nos países que fazem parte da organização, devido à pandemia, sendo que o impacto desta crise difere de país para país e até de região para região.
Comentários