Portugal respondeu a Bruxelas sobre atraso na adoção de diretiva das telecomunicações dez dias depois do prazo

A Comissão Europeia está agora a avaliar os argumentos apresentados por Portugal para explicar o atraso na adoção da diretiva europeia. Dos 24 Estados-membro alvo de um processo de infração apenas a Dinamarca concluiu a transposição. Há 15 países na mesma situação que Portugal.

Portugal falhou o prazo de resposta à Comissão Europeia por não ter transposto o Código Europeu das Comunicações Eletrónicas (CECE) até ao dia 21 de dezembro de 2020. Por não ter adotado a diretiva em tempo útil, Bruxelas abriu um processo contra Portugal, dando ao Governo até 4 de abril para justificar o atraso e incorporar o CECE na legislação portuguesa. O Executivo já avançou com a nova legislação, mas só respondeu à Comissão Europeia no dia 12. A resposta formal só chegou a Bruxelas no dia 14 de abril, apurou o Jornal Económico (JE) junto de fontes próximas do processo. Portugal demorou, assim, mais dez dias além do prazo para responder.

A Comissão Europeia está agora a avaliar os argumentos apresentados pelo Executivo português para explicar o atraso na adoção da diretiva comunitária, sendo possível que o processo chegue ao Tribunal de Justiça da UE. Numa situação limite, Portugal (tal como outros Estados-membro na mesma situação) pode ser multado.

O JE questionou o Governo sobre o tema, mas não obteve qualquer resposta do Ministério das Infraestruturas e Habitação (MIH), que tem a tutela das telecomunicações. Contactada, fonte oficial da Comissão Europeia também não fez comentários.

Os motivos e os argumentos expostos por Portugal à Comissão Europeia para justificar o atraso na adoção do CECE não são conhecidos. Mas a explicação deverá passar por uma reorientação de prioridades políticas face aos efeitos da pandemia da Covid-19. Tal como o Jornal Económico noticiou a 29 de janeiro, fonte oficial do MIH justificou o incumprimento do prazo inicial, da transposição do CECE, com “os diversos estados de calamidade e de emergência decorrentes da pandemia”.

Em causa está um novo código que pretende modernizar o quadro regulamentar europeu para as comunicações eletrónicas, cujo objetivo é reforçar os direitos dos consumidores. No caso de Portugal, o Governo decidiu aproveitar o CECE para definir a nova lei das telecomunicações, criando um novo quadro legal para novos serviços e novas realidades nas telecomunicações.

O Governo anunciou, no dia 1 de abril, ter aprovado em Conselho de Ministros a proposta de lei que incorpora o CECE e cria a nova legislação nas telecomunicações. O diploma entrou na Assembleia da República a 9 de abril. No diploma, destacam-se orientações para os contratos de fidelização com os operadores, a criação de sanções acessórias a gestores em caso de infrações graves e muito graves, bem como um serviço universal, com o Governo a definir a largura de banda mínima de internet.

O CECE foi criado em 2018 e a transposição era um objetivo do Governo, desde o final de 2019, quando decidiu anular a revisão da atual legislação – a Autoridade Nacional das Comunicações (Anacom) já estava a preparar uma proposta para uma nova Lei das Comunicações Eletrónicas (LCE). Assim, o Executivo decidiu usar o CECE para criar uma nova lei das telecomunicações, que substituirá a atual LCE e que hoje se aplica às empresas do sector das telecomunicações. A tutela criou um grupo de trabalho no início de 2020, que incluía a Anacom, a Apritel, a Deco e a Secretaria de Estado de Comércio e Serviços e Defesa do Consumidor. Mas os trabalhos terminaram no final do verão de 2020. O Governo decidiu transpor a diretiva dispensando outros tópicos fora do previsto no CECE. Não obstante, o diploma que o Governo deu a conhecer no início do mês, além das orientações do CECE, baseia-se numa proposta da Anacom que inclui contributos de uma consulta pública realizada entre novembro de 2019 e janeiro de 2020.

 

Só quatro Estados-membro concluíram a transposição do CECE

Quando a Comissão Europeia abriu um processo de infração a Portugal por causa do CECE, a 4 de fevereiro, também outros 23 Estados-membros foram notificados por não terem adotado legislação europeia para as telecomunicações. Nessa altura, apenas a Grécia, a Hungria e a Finlândia tinham feito a transposição completa da diretiva europeia.

Assim, além de Portugal, os Estados-membros Bélgica, Bulgária, República Checa, Dinamarca, Alemanha, Estónia, Irlanda, Espanha, França, Croácia, Itália, Chipre, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Holanda, Áustria, Polônia, Roménia, Eslovénia, Eslováquia e Suécia foram alvo de um processo.

Ora, segundo fontes próximas do processo disseram ao JE, dos 24 países notificados por Bruxelas, só a Dinamarca concluiu a transposição do novo código europeu nas telecomunicações, até 4 de abril.

Já o Chipre, a Alemanha, a Holanda, a França, a Lituânia, a Letónia e o Luxemburgo comunicaram a Bruxelas a transposição parcial da diretiva. A aplicação parcial do CECE por estes sete países já tinha sido comunicada à Comissão Europeia antes do processo de infração ter sido aberto, em 4 de fevereiro.

Desta forma, além de Portugal, há 15 Estados-membros que não realizaram (nem parcialmente) a transposição do Código Europeu das Comunicações Eletrónicas.

Ler mais
Relacionadas

Bruxelas abre processo contra Portugal por ainda não ter adotado legislação europeia para as telecomunicações

Em causa está uma diretiva que pretende modernizar o quadro regulamentar europeu para as comunicações eletrónicas, cujo objetivo é reforçar os direitos dos consumidores. Tutela justifica atraso com a pandemia e diz que o processo avança “brevemente”.

Portugal é um dos 16 países da UE que ainda não adotou nova legislação europeia para as telecomunicações

Governo não adotou diretiva europeia para as telecomunicações em tempo útil. Gabinete de Pedro Nuno Santos, que tem a tutela das comunicações, responsabiliza pandemia e diz que o processo avança “brevemente”. Bruxelas só reconhece avanços legislativos em 11 países. Portugal não é um deles.
Recomendadas

SIC avança com nova emissão de obrigações no valor de 30 milhões com juro mais baixo

A empresa do grupo Impresa diz que se trata de uma oferta pública de troca parcial e voluntária de um milhão de obrigações com um valor unitário de 30 euros. 

Segundo maior acionista da REN quer vender participação de 12%

O Oman Oil Company SAOC quer vender os seus 12%. A empresa omanita avisa que o processo de venda ainda não foi iniciado e que nenhuma decisão formal foi ainda tomada. Participação vale mais de 190 milhões de euros.

Lisbon Bar Show tem regresso marcado para 16 e 17 de maio de 2022

Ao Jornal Económico, o organizador do Lisbon Bar Show calcula que o orçamento para este evento já ultrapasse um milhão de euros, incluindo a forte aposta dos expositores, na sua grande maioria produtores e distribuidores de bebidas alcoólicas e de acompanhamento dos respetivos ‘cocktails’.
Comentários