Portugal Smart Cities Summit está de volta de 22 a 24 de setembro

A única cimeira exclusiva à promoção do conceito de cidades inteligentes em Portugal regressa numa edição parcialmente digital, de forma a obedecer às restrições impostas em tempos de pandemia. Se não puder estar presente, pode assistir à conferência em directo na JE TV, via site e redes sociais do Jornal Económico.

Portugal Smart Cities 2019

O Portugal Smart Cities regressa com uma cimeira a realizar entre as próximas terça e quinta-feira, de 22 a 24 de setembro, no Centro de Congressos de Lisboa. O evento, que conta com o Jornal Económico como parceiro de media, está aberto à presença de público mediante inscrição prévia online.

Se não puder estar presente, pode assistir à conferência em directo na plataforma JE TV, via site e redes sociais do Jornal Económico.

O evento, o único exclusivamente dedicado à promoção de cidades inteligentes em Portugal, realizar-se-á com um formato híbrido, dado o atual contexto pandémico. A cimeira focar-se-á em temas como a mobilidade, sustentabilidade, uso dos recursos energéticos e hídricos, além de ação social e ambiental.

Com o conceito de cidades inteligentes cada vez mais na ordem do dia, o Portugal Smart Cities Summit projeta-se como um local de convergência para a interação entre empresas, universidades, associações, startups e municípios com vista à promoção de oportunidades de negócio entre estes ecossistemas.

Já confirmaram a sua presença entidades como a NOS, Adene, Bluenergy e as câmaras municipais de Aveiro, Fundão, Torres Vedras e Seixal, entre outras.

A visita ao evento está sujeita às regras da Direção Geral de Saúde e, por isso, o número de participantes está limitado, sendo a participação gratuita e sujeita a inscrição prévia no site da Portugal Smart Cities Summit, o www.portugalsmartcities.fil.pt.

Ler mais
Recomendadas

Airbus regista prejuízo de 2.686 milhões de euros até setembro

A empresa assumiu também um encargo de 1,2 mil milhões de euros para custos de reestruturação, que, tal como anunciado em junho, implicará uma redução da mão-de-obra em 15 mil efetivos, de um total de 130 mil trabalhadores.

Lucros da Telefónica caem 50% para 1.142 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano

Segundo a Telefónica, as receitas operacionais antes da depreciação caíram 2,8%, para 2.672 milhões de euros, devido à deterioração dos seus ativos na Argentina.

Lucros da EDP Renováveis descem 7% até setembro

A queda dos lucros deve-se ao recuo da produção de eletricidade que, por sua vez, se deve à venda de ativos com uma potência superior a 1 gigawatt.
Comentários