Portugal vai entregar 60 mil testes à Covid-19 a Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe

As três nações dos PALOP recebem o material de diagnóstico e rastreio ao coronavírus entre esta sexta-feira e sábado.

Fernando de Pina / Lusa

Portugal vai entregar cerca de 60 mil testes PCR (Polymerase Chain Reaction) à Covid-19 e kits de extração a três países africanos: Cabo Verde, Guiné-Bissau e São Tomé e Príncipe, informou esta sexta-feira o Ministério da Saúde.

Os dois primeiros países receberão ainda hoje o material de diagnóstico e de rastreio ao novo coronavírus ainda hoje, enquanto o voo com o equipamento destinado a São Tomé e Príncipe aterra no arquipélago este sábado.

As três nações dos PALOP (Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa) vão receber (cada uma) lotes de 20 mil testes – doados a partir da reserva estratégica nacional gerida pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge – que serão entregues às autoridades locais pelas representações diplomáticas portuguesas na Cidade da Praia, Bissau e São Tomé.

“Esta ação insere-se no quadro do compromisso assumido por Portugal no combate à pandemia Covid-19 e na mitigação dos seus impactos, e corresponde à segunda fase do “Plano de Ação na resposta sanitária à pandemia Covid-19” entre Portugal e os PALOP e Timor-Leste, promovido pelo Governo português, através do Ministério dos Negócios Estrangeiros e do Ministério da Saúde, e de numerosos parceiros nacionais”, lembra o gabinete de Marta Temido, em comunicado.

Nas últimas 24 horas, África registou mais 329 vítimas mortais desta doença, o que elevou o total de mortes para 105.001 desde o início da pandemia, e 12.273 novos casos de infeção por SARS-CoV-2. Segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), o número total de contágios nos 55 Estados-membros da organização é de 3.937.028 e o de recuperados esta sexta-feira é de 10.701, para um total de 3.512.473 desde que o vírus chegou ao continente.

Recomendadas

Cabo Verde reforça fiscalização ao uso de máscara e descarta estado de emergência

“Nós verificamos que tem havido um certo relaxamento relativamente a esta matéria, nos serviços públicos e privados de atendimento, vamos fazer uma ação proativa, pedagógica, mas também com alguma determinação, para que possamos fazer novamente o uso de máscaras, evitar muitas aglomerações”, disse Ulisses Correia e Silva.

Privatização do BCI vai testar interesse dos investidores por Angola

Em declarações à agência Bloomberg, o ministro angolano da Coordenação Económica, Manuel Nunes Junior, detalha o processo de alienação do 13º maior banco angolano em termos de ativos, numa fase em que Angola já privatizou 39 empresas, no universo das 195 sociedades cuja venda está agendada para ser realizada até ao final de 2022

PremiumCabo Verde escolhe entre continuidade e regresso do PAICV

Legislativas de domingo decorrem sob o impacto da crise pandémica, com o primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva a procurar a reeleição.
Comentários