Portugueses poupam pouco? Cinco dados sobre as finanças das famílias

No dia mundial da poupança, a Pordata lançou um conjunto de dados sobre os rendimentos das famílias em Portugal.

  • A poupança dos particulares em percentagem do rendimento disponível é atualmente 2,5 e três vezes menor do que a registada em 1988 e em 1978.
  • Esta poupança correspondeu a 4,5% do PIB em 2018. “É um valor muito inferior ao observado nos anos 70, em que chegou aos 24% em 1972, o valor mais elevado desde 1960. As décadas de 70 e 80 foram aquelas em que a poupança foi mais elevada em percentagem do PIB”, explica a Pordata.
  • Em 2017, cerca de 37% da população em Portugal era incapaz de fazer face a despesas inesperadas, o que compara com a média da União Europeia a 28 Estados-membros de 34%.
  • A poupança das famílias em Portugal de 3,4% em 2017 “é muito inferior à de países como a Alemanha, Suécia, França e Luxemburgo onde esse valor varia entre os 8,6% e os 10,8%”.
  • O consumo privado ascendeu em 2018 aos 129.094,1 milhões de euros, batendo um máximo histórico de 2008, de 128.406,2 milhões de euros.
Recomendadas
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.

Carlos Costa: Instabilidade financeira iria “criar muitos problemas que alimentariam” populismos

Governador do Banco de Portugal voltou a apelar a uma vontade política decisiva para avançar com a conclusão da União Bancária e o desenvolvimento da União dos Mercados de Capitais, a fim de fortalecer a estabilidade da zona euro.
Comentários