Presidência UE: Estados-membros avançam com plataforma para combate ao fenómeno dos sem-abrigo

O responsável admitiu que esta plataforma “vai ser antes de mais um compromisso político”, mas destacou que o objetivo é partilhar boas práticas, rentabilizar recursos ou até procurar novas formas de financiamento para que cada um dos 27 Estados-membros possa ter uma estratégia nacional, à semelhança do que já acontece em Portugal.

Todos os Estados-membros da União Europeia vão passar a usar uma mesma ferramenta no combate ao fenómeno das pessoas em situação de sem-abrigo, uma plataforma apresentada hoje e que representa um compromisso político na partilha de boas práticas.

A plataforma europeia é apresentada hoje, em Lisboa, no decorrer da conferência “Combater a situação de sem-abrigo – Uma prioridade da Europa Social”, organizada pela presidência portuguesa do Conselho da União Europeia, em conjunto com a Comissão Europeia.

Em declarações à agência Lusa, o coordenador da Estratégia Nacional para a Integração das Pessoas em Situação de Sem-abrigo (ENIPSSA) apontou que a conferência materializa os objetivos da Cimeira Social do Porto, salientando que a presidência portuguesa conseguiu pôr na agenda o tema das pessoas sem-abrigo, refletido no 19.º princípio do Pilar Social Europeu, que fala na necessidade de garantir habitação.

“Uma maneira de o operacionalizar, em negociação com a Comissão Europeia, é lançar esta plataforma europeia que os Estados-membros vão assinar e na qual se vão comprometer para efetivamente trabalharem todos de forma mais coordenada a combater este problema social complexo”, explicou Henrique Joaquim.

O responsável admitiu que esta plataforma “vai ser antes de mais um compromisso político”, mas destacou que o objetivo é partilhar boas práticas, rentabilizar recursos ou até procurar novas formas de financiamento para que cada um dos 27 Estados-membros possa ter uma estratégia nacional, à semelhança do que já acontece em Portugal.

“Queremos que seja um instrumento de trabalho no qual nos congreguemos de uma forma europeia”, destacou, sublinhando que o objetivo passa por que todos os países se coordenem e haja uma “visão integrada de combate a este problema social”.

De acordo com Henrique Joaquim, apesar da partilha de soluções ter uma dimensão europeia, essas soluções terão sempre de ser adaptadas aos contextos nacionais e locais e, no limite, a cada pessoa em situação de sem-abrigo.

E é para esse trabalho de proximidade que contribuem pessoas como Joaquim Borges ou Elda Coimbra, ambos viveram nas ruas de Lisboa durante vários anos, ambos têm um passado ligado ao consumo de várias drogas, mas conseguiram mudar de vida e hoje trabalham no apoio a outras pessoas em situação de sem-abrigo, Joaquim em Loulé, Elda em Lisboa.

À Lusa, Joaquim contou como começou a consumir drogas a partir dos 13 anos, deixou de estudar aos 14 e aos 18 anos já consumia drogas duras. Viveu cerca de seis anos na rua e é no dia em que completa 29 anos, a 05 de outubro de 1996, na sequência de três overdoses, que percebeu que “ia morrer a usar drogas” e decide pedir ajuda.

Hoje vive em Loulé, onde é funcionário da autarquia local, casou, tem casa própria e a 11 de junho comemorou 24 anos de abstinência. Trabalha diretamente com pessoas em situação de sem-abrigo e lembra que pode acontecer a qualquer um ficar numa situação de tal vulnerabilidade que acabe a viver na rua.

Defende que os programas de apoio a estas pessoas não podem funcionar a seis meses ou um ano e que, no mínimo, deveriam durar 10 anos de forma a garantir um acompanhamento que trabalhe pela inclusão destas pessoas na sociedade.

O coordenador da ENIPSSA garantiu que um dos princípios que a presidência portuguesa quer que fique inscrito na declaração é que as respostas encontradas “têm que ser o mais possível personalizadas” e que a plataforma terá uma linha temporal de 10 anos “para combater significativamente o problema”.

De acordo com Henrique Joaquim, esta ferramenta irá também servir para uniformizar indicadores e conceitos, ou seja, que seja comum a definição do que é uma pessoa sem-abrigo, para depois ser também possível “monitorizar de forma mais consistente a evolução do fenómeno”.

Adiantou igualmente que o projeto de levantamento do número de pessoas sem-abrigo em Portugal está em curso e em fase avançada e que a primeira fase de recolha já foi feita, estando agora a ser feita a validação dos dados estatísticos.

“Para já, empiricamente podemos dizer que não aparenta ter havido um aumento muito significativo, o que não significa que não tenha havido situações novas”, revelou, garantindo que estes dados serão publicados o mais rapidamente possível.

Elda Coimbra, que viveu na rua durante cerca de 10 anos depois de ter ficado desempregada, garante que há muitas mulheres sem-abrigo em Portugal, vítimas de maus-tratos, agressões ou violações.

Vive há quatros anos num apartamento ‘Housing-first’, trabalha no apoio a pessoas sem-abrigo através da associação CRESCER e acalenta o sonho de construir uma associação de apoio a mulheres sem-abrigo.

Recomendadas

“Marcelo ter-se encontrado com Lula no Brasil é um sinal interessante”, destaca Francisco Seixas da Costa

Este foi um dos temas em destaque na edição desta semana do programa “A Arte da Guerra”, da plataforma multimédia JE TV, em que o embaixador Francisco Seixas da Costa considerou como “um sinal interessante” o facto de Marcelo Rebelo de Sousa ter-se encontrado com o antigo presidente do Brasil.

Bolsonaro antecipa fraude eleitoral e Tunísia a caminho da ditadura. Veja “A Arte da Guerra” com Francisco Seixas da Costa

Acompanhe o programa “A Arte da Guerra” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Turquia critica Estados Unidos por causa do plano para refugiados afegãos

Governo de Ancara antecipa um novo êxodo em direção às suas fronteiras, nas quais o país já está a implementar novos métodos de controlo de acesso.
Comentários