Presidente diz que “esforço de concertação” não significa cedência nos princípios

O Presidente da República apelou hoje a um “esforço de concertação” entre os decisores políticos, considerando que “não se trata de ceder nos princípios”, mas em aproveitar a oportunidade que o país tem para a reconstrução.

“Queremos uma democracia que, em cada momento, saiba aproveitar oportunidades, sobretudo quando elas são únicas, e esta é uma oportunidade única”, referiu Marcelo Rebelo de Sousa, aludindo ao Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e ao Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), que o chefe de Estado já tinha referido ser importante na “reconstrução” de Portugal depois da pandemia.

Enquanto discursava na inauguração da ampliação do Centro de Distribuição da SONAE, em Vila Nova da Rainha, concelho da Azambuja (distrito de Lisboa), o Presidente da República sustentou que é necessário um “esforço de concertação, de entendimento, de conjugação de iniciativas”, que está a ocorrer “um pouco por todo o país”.

“Que o mesmo esforço haja naqueles que têm responsabilidades políticas”, completou, acrescentando que “não se trata de ceder nos princípios ou de recuar naquilo que é a visão de cada qual para o futuro do país”.

No entendimento de Marcelo Rebelo de Sousa “trata-se de perceber que este é um momento em que cada dia, cada mês, cada seis meses, fazem a diferença”.

“Não há empates neste domínio. Empatar tempo é perder o jogo”, completou.

Recomendadas

UGT desiludida com chumbo que compromete medidas positivas para trabalhadores

O sindicalista considerou que a proposta de OE2022 “não era o OE desejável, era pouco ambicioso, mas continha alguns avanços importantes”, como o crescimento do salário mínimo até 2025 , o aumento das pensões, a melhoria da fiscalidade e algumas alterações à legislação laboral, nomeadamente a reposição do valor das horas extraordinárias e o aumento do valor das indemnizações por despedimento.

CGTP diz que chumbo do OE2022 deve-se a falta de vontade política do Governo

Para a CGTP a proposta do Governo não promovia o necessário crescimento dos salários e pensões, nem maior justiça fiscal, não acabava com a precariedade laboral, nem travava a destruição de postos de trabalho por grandes grupos empresariais, nem sequer promovia contratação coletiva.

Duodécimos limitam execução mensal até à entrada em vigor de novo orçamento

“Durante o período transitório em que se mantiver a prorrogação de vigência da lei do Orçamento do Estado respeitante ao ano anterior, a execução mensal dos programas em curso não pode exceder o duodécimo da despesa total da missão de base orgânica”, pode ler-se na lei de Enquadramento Orçamental atualmente em vigor.
Comentários