Primeiro comboio a hidrogénio já completou testes no Reino Unido

Os três envolvidos no projeto, nos quais se inclui o governo britânico, esperam que a tecnologia seja aplicada a vários comboios já em 2023.

O Reino Unido iniciou, com sucesso, os testes do primeiro comboio a hidrogénio, revela a “CNBC” esta quarta-feira, 30 de setembro. O teste terá acontecido entre as localidades de Long Marston e Evesham, que ficam na região de West Midlands.

O HydroFLEX foi desenvolvido por uma equipa da Universidade de Birmingham e Porterbrook, e combina hidrogénio e oxigénio para gerar eletricidade, calor e água, todos os ingredientes necessários para o comboio se manter em andamento.

De acordo com a “CNBC”, todos os vagões do comboio estão equipados com tecnologia que inclui um tanque de hidrogénio, pilhas fuel-cell e baterias de lítio para armazenamento da energia produzida. Os três envolvidos no projeto, nos quais se inclui o governo britânico, esperam que a tecnologia seja aplicada a vários comboios já em 2023, ou seja, daqui a três anos.

Ainda assim, apesar da tecnologia presente no veículo funcionar bem, a Universidade de Birmingham está a desenvolver um “módulo movido a hidrogénio e bateria que pode ser instalado por baixo do comboio”, de forma a que os equipamentos atuais disponham de mais espaço para os passageiros.

Ainda que esta seja uma “unidade de demonstração”, como a Porterbrook a descreve, o objetivo final é colocar o HydroFLEX em produção, de forma a substituir alguns comboios que se encontram em circulação no Reino Unido. De acordo com a empresa, iriam existir duas versões, sendo uma ligada por fios elétricos e outra a hidrogénio para as rotas que não se encontram eletrificadas.

Para que este teste piloto acontecesse, o Departamento de Transportes do Reino Unido doou 750 mil libras (826 mil euros) e a Universidade de Birmingham e a Porterbrook já investiram mais de um milhão de libras (1,1 milhão de euros) no projeto.

Ler mais
Recomendadas

Sindika Dokolo, um homem entre Kinshasa e o Porto

Nasceu no Congo, viveu a juventude na Europa e casou em Angola. Pela mão de Isabel dos Santos, a sua mulher, acabaria por reconhecer em Portugal, mais propriamente no Porto, o lugar certo para fazer descansar de tantas viagens a sua enorme coleção de arte.

Sindika Dokolo: Da pena de prisão à acusação de ‘complot’. Polémicas do empresário e colecionador de arte congolês

Sindika Dokolo, empresário e colecionador de arte congolês, morreu no Dubai, quando praticava mergulho, esta quinta-feira. Para trás ficam alguns episódios polémicos, quase todos relacionados com Isabel dos Santos.

Morreu Sindika Dokolo, marido da empresária Isabel dos Santos

O empresário congolês encontrava-se no Dubai, onde Isabel dos Santos havia postado uma fotografia na sua conta pessoal de Instagram na tarde desta quinta-feira.
Comentários