Prisa regista prejuízo de 209 milhões até setembro

Empresa espanhola que detém 64% da dona da TVI diz que este resultado negativo é consequência das “deteriorações de 77 milhões procedentes do acordo de venda da Media Capital”.

A Prisa registou nos primeiros nove meses do ano prejuízos de 209 milhões de euros, mais 89% face a período homólogo.

A empresa espanhola que detém 64% da dona da TVI diz que este resultado negativo é “consequência do impacto da covid-19, das deteriorações de 77 milhões procedentes do acordo de venda da Media Capital, da deterioração da totalidade dos créditos fiscais pendentes em Espanha, avaliados em 64,55 milhões, e das deteriorações de 21,9 milhões dos ativos da rádio no México e no Chile”.

A companha registou perdas suas receitas de 166 milhões de euros, número que a empresa, em comunicado emitido esta quarta-feira, 28 de outubro, diz estar “em conformidade com o esperado, pela crise da Covid-19”.

Por sua vez, o EBITDA da empresa atingiu os 82 milhões de euros no fim de setembro, o que significou uma descida de 50% em relação ao mesmo período do ano anterior, que foi de 165 milhões de euros.

No mesmo documento, o grupo realça o facto de ter feito um grande esforço na contenção de custos, atingindo, no mês em análise 80% do cumprimento total do plano de contingência implementado em todas as unidades de negócio para atenuar os efeitos negativos da Covid-19. Uma estratégia que a empresa espera que no final do ano leve a uma poupança que supere os 40 milhões de euros comprometidos.

O tipo de câmbio também teve um efeito negativo de 44 milhões nas receitas e de 5,4 milhões no EBITDA, devido às desvalorizações no México, Argentina e Brasil. Já a dívida líquida bancária situou-se nos 1.107 milhões, o que representou um rácio de dívida líquida/EBITDA de 7,8 vezes.

Por  seu turno, o resultado líquido registou perdas de 209 milhões de euros também devido à Covid-19, das deteriorações de 77 milhões procedentes do acordo de venda da Media Capital, da deterioração da totalidade dos créditos fiscais pendentes em Espanha, avaliados em 64,55 milhões, e das deteriorações de 21,9 milhões dos ativos da rádio no México e no Chile.

Ler mais
Relacionadas

CMVM dá mais oito dias úteis para Pluris e Vertix se pronunciarem sobre concertação na Media Capital

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) prolongou por mais oito dias úteis o prazo para que a Pluris e a Vertix se pronunciem sobre o projeto de decisão do regulador sobre concertação na Media Capital.

Pedro Abrunhosa passa os 2% da Media Capital para a sociedade Trovas e Acordes Unipessoal

Pedro Abrunhosa passou a participação qualificada de 2% na dona da TVI da Boom Studios para a Trovas e Acordes Unipessoal, do mesmo beneficiário efetivo.

ERC abre processo de contraordenação contra a Prisa e o empresário Mário Ferreira

A Autoridade Reguladora da Comunicação Social considera que existem fortes indícios de alteração não-autorizada de domínio sobre operadores de rádio e televisão. É que a Lei exige, para que essa alteração ocorra, uma autorização prévia da ERC – que não existiu.
Recomendadas

EDP conclui venda à Total de duas centrais a gás e carteira comercial em Espanha

A EDP concluiu esta terça-feira a venda de um portefólio de ativos térmicos e clientes de comercialização de energia em Espanha à Total por um enterprise value de 480 milhões de euros.
Debenhams

Mais de dois séculos depois, retalhista britânica Debenhams fecha atividade

A cadeia retalhista britânica Debenhams vai encerrar todas as lojas no Reino Unido depois de 242 anos de atividade porque não se encontrou um comprador, pondo em risco 12 mil postos de trabalho.

Visitas ao site do JE disparam em novembro, com subida de 33% para 5,8 milhões

O número de utilizadores do site do Jornal Económico aumentou 30% em novembro, face a outubro, para um total de 2,7 milhões. Acessos móveis representaram 79% do total. Plataforma multimédia JE TV tem cada vez mais telespectadores. Obrigado pela sua preferência!
Comentários