Procura por emprego na plataforma OLX sobe 50% em 2019

Restauração, hotelaria e turismo foram as áreas onde a procura mais aumentou, seguindo-se doméstico e limpeza e por fim construção civil. Lisboa, Porto e Setúbal são as regiões do país que mais dominam tanto em termos de procura como de oferta nesta categoria ao longo deste ano.

O estudo realizado pela plataforma OLX revela que a procura por emprego em 2019 aumentou 50% face ao ano anterior. Restauração, hotelaria e turismo foram as áreas onde a procura mais aumentou, seguindo-se doméstico e limpeza e por fim construção civil. Lisboa, Porto e Setúbal são as regiões do país que mais dominam tanto em termos de procura como de oferta nesta categoria ao longo deste ano.

“O contexto positivo que Portugal vive atualmente em termos de empregabilidade reflete-se, naturalmente, nos números divulgados neste estudo. A taxa de desemprego é a mais baixa de há muitos anos a esta parte e, pela importância que cada vez mais temos na vida das pessoas, o OLX torna-se num parceiro óbvio para encontrar inúmeras soluções a este nível”, afirma Andreia Pacheco, brand manager do OLX em Portugal.

Do lado da oferta, e em comparação com 2018, a categoria regista uma subida de 19%, passando de 89,730 novos anúncios no ano passado para 106,693 este ano. Em 2019, o top-5 de setores que publicam mais novos anúncios são restauração, hotelaria e turismo (23%); comercial (15,9%); construção civil (9,8%); domésticos e limpezas (8,6%); e saúde e beleza (7,8%).

Só até final de outubro deste ano, 208.999 currículos foram submetidos através da plataforma, face a 2018, em que foram enviados 130.585 currículos em resposta a anúncios do OLX, este ano regista-se já uma subida de 60% neste indicador.

Recomendadas

Conheça a chave vencedora do Euromilhões

Em jogo está um ‘jackpot’ de 37 milhões de euros.

Taxa efetiva média de IRC aumentou para 21,1% em 2018

A taxa média efetiva de IRC paga pelas empresas situou-se nos 21,1% em 2018, sendo que apenas junto das empresas que faturam mais de 75 milhões de euros por ano aquela taxa supera o valor médio.

Quase três mil consumidores fizeram queixas dos condomínios este ano

A Deco explica ainda que no caso de obras abusivas, as câmaras municipais são a primeira linha da solução, enquanto nos casos de ruído (entre as 22 horas e as 7 horas), “a PSP é a entidade a contactar”.
Comentários