Produção automóvel caiu 28,1% até setembro

Nos primeiros nove meses do ano foram fabricados 185.700 unidades, verificando-se um decréscimo de 28,1% em comparação com o período homólogo.

Rafael Marchante/Reuters

Portugal produziu 32.686 veículos automóveis ligeiros e pesados durante o mês de setembro, uma redução de 1,8% face ao mesmo período do ano passado, revela a Associação Automóvel de Portugal (ACAP). Nos primeiros nove meses do ano foram fabricados 185.700 unidades, verificando-se um decréscimo de 28,1% em comparação com o período homólogo.

A ACAP sustenta que a informação estatística confirma “a importância que as exportações representam para o setor automóvel, já que 98,1% dos veículos fabricados em Portugal têm como destino o mercado externo, o que contribui de forma significativa para a balança comercial portuguesa”.

De acordo com os dados, a Europa continua a ser o mercado líder nas exportações dos veículos produzidos no território nacional, sendo que 95,3% da produção tem como destino este mercado. A Alemanha representa 22,4% das exportações automóveis portuguesas, França representa 17,2%, Espanha 10,8%, Itália 10,7% e o Reino Unido representa 7,9%.

Ainda em setembro, foram montados 36 veículos pesados, um decréscimo de 62,5% face ao mesmo mês de 2019. No período acumulativo, a montagem dos pesados apresentou uma quebra de 77,2% face a igual período do ano anterior, tendo sido produzidos um total de 538 veículos pesados.

No período acumulado, foram exportados 83,3% dos veículos pesados fabricados em território nacional, representando 448 unidades. Por sua vez, os Estados Unidos da América foram o maior destino destas exportações, tendo recebido 58,7% das exportações destes veículos pesados.

Recomendadas

Preço médio das rendas subiu perto de 2% em setembro

Viana do Castelo, Viseu, Porto e Aveiro foram os distritos que apresentaram a maior variação no preço médio. Em sentido inverso, Bragança registou a maior quebra no preço médio de arrendamento face ao mês de agosto, de acordo com os dados do portal Imovirtual.

Saiba o que é o bloqueio geográfico e como pode afetar os consumidores

Recentemente, a DECO analisou vários sites comerciais e verificou-se que, pelo menos, 28 empresas não faziam entregas na Região Autónoma da Madeira, não possibilitando assim a compra digital dos seus bens. Mesmo até quando o consumidor sugere suportar os custos de entrega associados tal não é exequível.

Investir também é poupar. Saiba como pode investir

A regra básica para um investimento em segurança e inteligente é adequar os objetivos ao orçamento disponível e às necessidades da família.
Comentários