Produção industrial sobe 4,1% na UE e zona euro em julho

A produção industrial vai recuperando no continente europeu, mostrando sinais de alguma retoma económica.

A produção industrial subiu 4,1% em comparação com o mês anterior tanto na zona euro, como na União Europeia, mostram dados hoje revelados pelo Eurostat. Em termos homólogos, a produção industrial de julho caiu 7,7% na zona euro e 7,3% na UE.

Na zona euro, a rubrica que verificou um maior aumento mensal foi a produção de bens de capital, que cresceu 5,3%, e dos bens de consumo duradouros, cuja produção aumentou 4,7%. Na UE como um todo, a produção de bens de capital cresceu 5,6% em relação a junho, enquanto que a de bens de consumo duradouros cresceu 4,8%.

Portugal registou a maior variação mensal na produção industrial por país, com mais 11,9% do que registado em junho, seguindo-se Espanha (9,4%) e Irlanda (8,3%). Do outro lado, Dinamarca (-4,9%), Letónia (-0,8%) e Bélgica (-0,5%) verificam as maiores quedas.

Numa comparação homóloga, verificam-se quedas da produção industrial em todas as rubricas, sendo a mais acentuada a produção de bens de capital, que contraiu 10,4%, e a de bens intermediários, que diminuiu 9,3%, isto para a zona euro. Na UE, estas quedas foram 10,2% e 8,7%, respetivamente.

As maiores quedas em termos anuais neste indicador foram registadas na Dinamarca (-13,6%), Alemanha (-11,6%) e Portugal (-9,6%). Já a Irlanda (15,6%), Polónia (0,9%) e Letónia (0,1%) registaram aumentos na sua produção industrial.

Recomendadas

Turismo mundial regista baixa de 70% entre janeiro e agosto, diz OMT

Os meses de verão, habitualmente a época mais forte no hemisfério norte, foram catastróficos: -81% de turistas em julho e -79% em agosto, precisou esta agência das Nações Unidas com sede em Madrid.

Bruxelas disponibiliza 200 milhões a Portugal para financiar infraestruturas de cuidados a idosos

Os fundos serão canalizados para entidades do setor terciário que já prestam serviços a idosos em Portugal, em especial nos domínios da saúde, alojamento e apoio social.

“É muito importante iniciarmos uma reforma no funcionamento da máquina do Estado”, defende Artur Santos Silva

O presidente honorário do conselho de administração do Banco BPI defende que Portugal tem de aproveitar a ‘bazuca’ dos fundos europeus para fazer reformas na organização e gestão do setor público, quer no estado central quer no local. Artur Santos Silva defende a importância de uma reforma no funcionamento da máquina central do Estado que, diz, deve ser “mais eficiente”. Uma estratégia que exemplifica como umas políticas que não estão refletidas na proposta do OE2021 à semelhança dos estímulos ao investimento privado.
Comentários