Proença de Carvalho: “Global Media está numa posição relativamente confortável, praticamente sem dívida bancária”

Em declarações exclusivas ao Jornal Económico, o chairman da Global Media, Proença de Carvalho, disse que a dona de títulos como DN, JN ou TSF tem “grandes desafios” pela frente. Defende uma reestruturação e “eventualmente ter acesso à televisão”. Sobre o negócio Cofina-Media Capital garante que a Global Media não ficará fragilizada.

Presidente do conselho de administração da Global Media Group, Daniel Proença de Carvalho, na SEDES | Cristina Bernardo

O presidente do conselho de administração da Global Media, Daniel Proença de Carvalho, acredita que a operação de concentração de media provocada pela aquisição da Media Capital pela Cofina pode ser um momento de “oportunidade” e, por isso, em declarações exclusivas ao Jornal Económico, defendeu que a dona de títulos como Diário de Notícias, Jornal de Notícias ou TSF não ficará fragilizada.

“A Global Media é neste momento um dos grupos que do ponto de vista financeiro está numa posição relativamente confortável, praticamente sem dívida bancária”, afirmou o ex-jurista, à margem do ciclo de conferências “Fim de Tarde na Sedes”, promovido pela SEDES – Associação para o Desenvolvimento Económico e Social, onde foi orador convidado na segunda-feira, 17 de fevereiro.

Ainda sobre a situação do grupo que detém 23,36% da agência de notícias Lusa, Proença de Carvalho admitiu que “precisa, evidentemente, de fazer uma reestruturação e, eventualmente, ter acesso à televisão”. A Global Media “tem os meios e as capacidades para isso”, sublinhou, reconhecendo, porém, que se tratam de “grandes desafios que se colocam à empresa e aos seus acionistas”.

De acordo com o portal da transparência da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), lançado em 16 de dezembro de 2019, o grupo dono também do “Dinheiro Vivo” registou prejuízos de 4,5 milhões de euros e quanto a resultados antes de depreciações, gastos de financiamento e impostos registou um resultado negativo de 3,1 milhões de euros em 2017.

No mesmo ano, os rendimentos totais ascenderam a 43,6 milhões de euros. Mas o passivo da Global Media era de 66,8 milhões de euros, enquanto o ativo total fixava-se em 98,3 milhões de euros e o capital próprio em 31,4 milhões de euros.

Como o portal da ERC não disponibiliza dados relativos a 2016 e existe um “pedido de confidencialidade em apreciação” sobre os indicadores de 2018, não é possível estabelecer uma evolução da saúde financeira do grupo onde Proença de Carvalho é chairman.

Cofina-Media Capital?”Estes momentos são também de oportunidade
Questionado sobre a aquisição da Media Capital, dona da TVI e Rádio Comercial, pela Cofina, dona do Correio da Manhã e CMTV, Proença de Carvalho não quis elaborar comentários pormenorizados – o escritório Uría Menendéz-Proença de Carvalho, presidido pelo ex-jurista durante dez anos, teve uma intervenção direta no processo de aquisição da Media Capital pelo grupo de Paulo Fernandes.

Ainda assim, garantiu ao JE que a Global Media não sairá fragilizada pela concentração de media que a Cofina-Media Capital estão a protagonizar desde setembro de 2019 no mercado de media português. “A Global Media tem um portfólio muito diversificado. Tem marcas com uma história muito forte, de grande prestígio e encara com naturalidade e com no normalidade [a OPA]”, salientou.

“Estes momentos são também de oportunidade. Havendo mais concentração [do setor], aqueles que estão independentes, maior autonomia, [têm] maior capacidade de poder conquistar mercados diferentes”, concluiu quando questionado sobre um possível impacto da operação na Global Media.

Em novembro de 2019, a Lusa noticiou que a Global Media apresentou-se junto da Autoridade da Concorrência (AdC) – a par da Impresa, Meo, NOS e Vodafone Portugal – como parte interessada no âmbito da operação Cofina-Media Capital. A Global Media expôs à AdC reservas em relação à operação, partilhando preocupações relativamente ao impacto no mercado nacional de publicidade.

“Alega a Global de Notícias [Global Media Group] que a operação de concentração permitira à empresa integrada ser líder na captação de investimento publicitário, em particular no meio digital”, lê-se no projeto de decisão de não oposição da Autoridade da Concorrência.

Para a dona do DN e JN, “existe um risco muito significativo de centralização da compra de espaços publicitários no novo grupo” resultante da concentração, “criando as condições favoráveis para a prática de preços que levem à diminuição da procura dos espaços publicitários dos concorrentes que não têm presença nos vários meios, em particular na televisão”.

A Global Media tem como acionistas a KNJ – Holdings Limited, desde novembro de 2017, com 35,25%. A posição imputável a José Pedro Soeiro é de 35%, sendo 24,50% detidos diretamente e 10,50% através da Grande Notícias Lda, entidade detida pelo próprio.

Na Global Media, o Novo Banco detém 10,50% e a Olivemedia Unipessoal, de Joaquim Oliveira, 19,25%.

Ler mais
Relacionadas

Cofina vai ganhar dois novos acionistas após aumento de capital

O cenário é uma projeção da própria Cofina face ao aumento de capital no montante total de 85 milhões de euros.

Mário Ferreira vai investir 20 milhões de euros para ficar com 15% da Cofina, tornando-se no segundo maior acionista

Através da sociedade Pluris Investments, Mário Ferreira compremeteu-se a entrar no aumento de capital da Cofina. O valor do investimento que vai realizar permite torná-lo no segundo maior acionista do grupo liderado por Paulo Fernandes. Com este aumento de capital, da atual estrutura acionista, só Paulo Fernandes reforça a sua posição.

Aumento de capital da Cofina para comprar dona da TVI decorre até 11 de março

Oferta pública de subscrição vai permitir que o capital social da Cofina, hoje fixado em 25.641.459,00 de euros, cresça para 110.641.459,05 de euros. Assim a Cofina terá de emitir 188.888.889 novas ações. Após subscrição integral do aumento de capital, a Cofina passa a deter 291.454.725 ações ordinárias. As novas ações da Cofina deverão ser admitidas à negociação bolsista no dia 13 de março.
Recomendadas

Sindicato dos Maquinistas critica falta de explicações da IP

Apesar das fortes críticas à IP, o SMAQ garante que se vai abster de fazer mais declarações sobre este assunto, preferindo aguardar, “serenamente, e confiante na competência do GPIAFF, pelo relatório final”.
cais do sodré, pink street

PME dizem que novas medidas do Governo “são de bradar aos céus”

“As últimas medidas anunciadas pelo Governo para as Micro, Pequenas e Médias Empresas são de bradar aos céus”, afirma em comunicado a CPPME, acrescentando que “a permissão para os bares noturnos e as discotecas poderem abrir das 08:00 às 20:00, em serviço de pastelaria, só pode ser uma brincadeira de mau gosto”.

Rede da Câmara de Comércio e Indústria retoma prospeção de mercados em setembro

Estão previstas missões empresariais à Sérvia, Marrocos, Polónia, Azerbaijão e Costa do Marfim,
Comentários