Programa de Arrendamento Acessível registou mais de duas mil candidaturas para 89 casas

No seu primeiro mês a plataforma recebeu mais de 37 mil visitas, desde proprietários, senhorios e famílias portuguesa.

O primeiro mês do Programa de Arrendamento Acessível verificou 2.264 candidaturas para 89 alojamentos, segundo os dados da plataforma, divulgados em comunicado pelo Ministério das Infraestruturas e Habitação esta quinta-feira.

Neste mês inicial a plataforma recebeu mais de 37 mil visitas, desde proprietários, senhorios e famílias portuguesas, tendo sido registados na plataforma do Arrendamento Acessível 5.904 utilizadores. Durante este primeiro mês foram também submetidos dez contratos de arrendamento acessível, o que representa dez famílias a usufruir de uma renda abaixo do valor de mercado.

A Secretária de Estado da Habitação Ana Pinho vê estes dados com “elevado otimismo” e como um “excelente sinal do sucesso deste programa”. Ana Pinho lembra que este é um programa que não tem “efeitos imediatos”, sendo a expetativa do Governo a de que “à medida que o conhecimento sobre o programa chegue a mais potenciais senhorios, e que as casas ou os quartos fiquem disponíveis, o número de alojamentos registados na Plataforma do Arrendamento Acessível aumente gradualmente e seja cada vez maior o número de senhorios e famílias a beneficiar das vantagens do Programa de Arrendamento Acessível”.

Em comunicado o Ministério das Infraestruturas e Habitação sublinha que “o Governo vai dar continuidade ao esforço já iniciado de comunicação e formação dos agentes no terreno, para que a mensagem sobre o modo de funcionamento do Programa de Arrendamento Acessível chegue a todos os interessados”.

Relacionadas
Recomendadas

Direito de Resposta: “Inspetor Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor e principal interessado em investigação em curso”

IGF garante que foram o Conselho de Inspeção e o Inspetor-Geral da IGF que participaram os indícios de crimes praticados por trabalhadores e em relação aos quais esses trabalhadores foram constituídos arguidos. “Em retaliação, um desses trabalhadores apresentou queixa contra a sua superior hierárquica e contra o Inspetor-Geral no âmbito da auditoria à Cruz Vermelha Portuguesa, os quais imediatamente se disponibilizaram para a realização de todas as investigações judiciais necessárias à salvaguarda do seu bom nome e das instituições públicas visadas e à efetiva condenação do trabalhador, autor de atos ilícitos”, refere. “Assim, o Inspetor-Geral de Finanças não é arguido, mas antes promotor, agente ativo e principal interessado na referida investigação”, conclui.

Governo já pediu a Bruxelas que IVA da luz possa variar em função do consumo

Executivo já iniciou processo para ter autorização da Comissão Europeia para criar escalões de consumo para o IVA da eletricidade.

Maria e Francisco foram os nomes mais escolhidos para bebés em Portugal este ano

Francisco foi pela primeira vez o nome mais escolhido para rapazes, Maria mantém a primeira posição entre as raparigas.
Comentários