Proposta era “pouco ambiciosa”, diz António Costa sobre orçamento comunitário

O Conselho Europeu extraordinário em Bruxelas consagrado ao orçamento plurianual da União para 2021-2027 terminou sem acordo, apenas cerca de 20 minutos após os líderes se terem sentado novamente à mesa para discutir a nova proposta, revelaram fontes europeias.

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou hoje que a rejeição da proposta de orçamento plurianual da União Europeia para 2021-2027 no Conselho Europeu não constitui uma surpresa e disse esperar que sirva de “lição”.

“A rejeição desta proposta pelo Conselho não pode ser surpresa, mas espero que signifique uma lição. Não se constroem consensos a partir de posições minoritárias”, disse, numa conferência de imprensa no final da cimeira extraordinária consagrada ao futuro Quadro Financeiro Plurianual, em Bruxelas.

Comentando que a base negocial com que se partiu para estas negociações era “má”, Costa afirmou que o método para conduzir também não terá sido o melhor, pois tentou-se ir “ao encontro da posição de uma minoria” de quatro Estados-membros (os ‘frugais’, contribuintes líquidos), quando, insistiu, “os consensos constroem-se a partir das posições maioritárias, e não minoritárias”.

 

“Falhanço? É a democracia”

A presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen, justificou hoje o falhanço das negociações sobre o orçamento plurianual para 2021-2017, para o qual é necessário “trabalho árduo”, com “a democracia”, falando em “27 diferentes interesses” dos Estados-membros.

“Perguntam o que aconteceu. Então, isto é democracia. Temos 27 Estados-membros, com 27 diferentes interesses, mas todos estamos a trabalhar num objetivo comum que é a UE e o orçamento europeu para os próximos anos”, afirmou a líder do executivo comunitário, falando em conferência de imprensa, em Bruxelas, após o fim da cimeira.

Segundo Ursula Von der Leyen, “é uma boa tradição em democracia debater as diferentes visões, as diferentes ênfases e necessidades apontadas pelos diferentes Estados-membros, no que toca às políticas de coesão, agricultura ou relativamente às novas prioridades”.

“Temos de trabalhar arduamente para prosseguir”, apelou.

 

“Precisamos de mais tempo”

O presidente do Conselho Europeu lamentou hoje que os 27 Estados-membros da União Europeia (UE) não tenham chegado a acordo, na cimeira extraordinária em Bruxelas, sobre o orçamento plurianual, indicando que os líderes europeus “precisam de mais tempo”.

“Nas últimas semanas e nos últimos dias, tivemos de trabalhar muito para tentar chegar a um acordo, mas infelizmente hoje observámos que não era possível”, declarou Charles Michel, falando em conferência após o fim da cimeira.

“Precisamos de mais tempo”, reconheceu o responsável, falando numa “negociação difícil” e no âmbito da qual é “preciso trabalhar para responder às diferentes preocupações e exigências” dos Estados-membros.

Ler mais

Relacionadas

Orçamento plurianual da UE: Conselho Europeu termina em Bruxelas sem acordo

Reunião do Conselho Europeu durou apenas 20 minutos, o suficiente para que não houvesse acordo.

Orçamento Europeu: “Vinte e Sete” voltam à mesa para discutir nova proposta

Iniciada na quinta-feira às 16:30 horas locais (menos uma em Lisboa), a cimeira foi interrompida cerca das 20:30, após os 27 chefes de Estado e de Governo à volta da mesa se pronunciarem sobre a proposta apresentada pelo presidente do Conselho, Charles Michel, que decidiu iniciar então uma série de reuniões bilaterais, que se prolongaram pela madrugada e também pelo dia de hoje.

Líderes europeus analisam proposta orçamental ainda menos ambiciosa mas com reforço na coesão

De acordo com fontes diplomáticas, os “Amigos da Coesão”, entre os quais Portugal, reúnem-se de novo para analisar em conjunto o novo documento posto a circular, antes de os 27 voltarem finalmente a sentar-se à mesma mesa, o que já não acontece há praticamente 24 horas, dado a cimeira estar a dar lugar a múltiplas reuniões bilaterais nos mais diversos formatos.
Recomendadas

Covid-19. 50 ventiladores e mais material médico encomandados pela EDP devem chegar esta semana

“Conseguir o material mais crítico nesta luta de todos contra a pandemia foi possível pelo nosso compromisso e pelo apoio decisivo da China Three Gorges e da embaixada portuguesa na China”, disse António Mexia, CEO da EDP, em comunicado.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.

Pais apoiam solução da escola por TV Cabo mas querem mais medidas

“Este pode ser um instrumento que ajuda a minimizar as diferenças e desigualdades entre escolas e famílias, mas não vale o problema de interação entre o professor e o aluno, que precisa de ‘feedback’ para assuntos que não percebeu ou para problemas que resolveu”, disse à Lusa Jorge Ascenção, presidente da Federação Nacional das Associações de Pais (Confap).
Comentários