“Proteção do modo de vida europeu”. Há uma pasta a ensombrar presidência de Ursula von der Leyen

A designação desta pasta tem sido alvo de polémica em Bruxelas, com vários eurodeputados a considerarem que a denominação “Proteção do modo de vida europeu”, numa pasta que integra o pelouro das migrações, alimenta o discurso da extrema-direita e tem uma conotação racista/xenófoba.

O presidente do Parlamento Europeu convidou Ursula von der Leyen a reunir-se com a Conferência de Presidentes da assembleia europeia para clarificar denominações dadas a pastas da Comissão Europeia, nomeadamente a polémica “Proteção do modo de vida europeu”.

“Os grupos políticos [do Parlamento Europeu] fizeram alguns comentários sobre nomes dados a alguns portefólios da futura Comissão, então tomei a liberdade de pedir à senhora Von der Leyen [presidente eleita da Comissão Europeia] para participar na Conferência de Presidentes, o que acontecerá na próxima semana, em Estrasburgo”, anunciou David Sassoli.

O presidente da assembleia europeia concedeu que não é “nenhum segredo que há objeções a alguns dos nomes dos portefólios apresentados pela senhora Von der Leyen”, ao ser reiteradamente questionado sobre a polémica vice-presidência para a “Proteção do modo de vida europeu”, atribuída ao grego Margaritis Schinas, o anterior porta-voz principal da Comissão de Jean-Claude Juncker.

“Algumas denominações de pastas deram azo a confusão. Não vi palavras chave como migrações, cultura, ou investigação. Para mim, são palavras muito importantes. Alguns dos comentários que foram feitos – e alguns foram-no publicamente – devem ser tidos em conta. Houve alguma ligeireza na escolha dos títulos das pastas e acabámos com estes nomes, o que não significa que algumas das palavras que faltam não possam ser incorporadas”, defendeu.

Sassoli espera agora que, na próxima quinta-feira, a presidente eleita da Comissão Europeia consiga “clarificar porque há pastas que receberam o nome que receberam”.

A designação da pasta atribuída a Schinas tem sido alvo de polémica em Bruxelas, com vários eurodeputados a considerarem que a denominação “Proteção do modo de vida europeu”, numa pasta que integra o pelouro das migrações, alimenta o discurso da extrema-direita e tem uma conotação racista/xenófoba.

O tema esteve também em destaque na conferência de imprensa diária da cessante Comissão Europeia, com a porta-voz do executivo comunitário a negar as informações veiculadas, entre outros, pelo diário espanhol El País, de que Ursula von der Leyen iria alterar a denominação da pasta do grego.

“Não tenho qualquer alteração de nome ou qualquer alteração para anunciar em relação ao que vos foi apresentado pela presidente Von der Leyen na terça-feira”, declarou Mina Andreeva.

Falando em nome da equipa de transição da presidente eleita, a porta-voz indicou que a política alemã está a acompanhar o “debate vivo em torno de diferentes assuntos e, obviamente, todos os argumentos apresentados num debate que vai além do nome das pastas”.

“Estes serão analisados, mas neste momento não há nenhuma decisão rápida”, completou, remetendo eventuais desenvolvimentos para as audições dos comissários indigitados no Parlamento Europeu, que vão decorrer entre 30 de setembro e 08 de outubro.

Andreeva negou ainda que o presidente em funções, Jean-Claude Juncker, tenha criticado a designação eleita por Von der Leyen para a vice-presidência do seu anterior porta-voz, precisando que as declarações do político luxemburguês à Euronews foram retiradas do contexto.

“Aquilo que o presidente disse foi que discorda vivamente com a interpretação dada ao nome dessa pasta”, acrescentou.

À Euronews, Juncker disse não gostar “da ideia de que o modo de vida europeu se opõem à imigração”. “Aceitar aqueles que vêm de longe faz parte do modo de vida europeu”, argumentou o ainda presidente da Comissão.

Ler mais
Relacionadas

Ursula von der Leyen deu três desafios a Elisa Ferreira para cumprir

No programa de candidatura ao cargo de presidente da Comissão Europeia, a alemã definiu as prioridades que vão enquadrar-se na pasta da responsabilidade da comissária portuguesa.

Das reformas estruturais à transição energética. O que significa a pasta de Elisa Ferreira?

Elisa Ferreira terá como missão ajudar os Governos na implementação de reformas estruturais mas deverá ainda gerir um fundo que visa a transição energética.
Recomendadas

Nova Iorque suspende venda de cigarros eletrónicos com sabor

A venda destes produtos está proibida por 90 dias e serve como uma lei de emergência até os EUA chegarem a um consenso político sobre o passo a seguir.

Brexit: Barnier pede que não se subestime consequências de saída sem acordo

“Porque é que o ‘backstop’ é fundamental para todos nós? Porque é na Irlanda que o ‘Brexit’ causa mais problemas e riscos. É o único local onde o Reino Unido tem uma fronteira terrestre com a UE. O motivo da nossa insistência não é ideológico, é pragmático”, argumentou Barnier.

Economistas afastam cenário de recessão no curto prazo

A nova descida da taxa dos depósitos destina-se a incentivar os bancos a injetarem mais dinheiro na economia, através de empréstimos às empresas e famílias, em vez de acumularem reservas.
Comentários