PS quer perceber porque é o Banco de Portugal não vendeu Novo Banco em 2015

João Paulo Correia, deputado do PS, explicou que quer uma comissão parlamentar de inquérito sobre o Novo Banco que parta da resolução do BES, em 2014, até aos dias de hoje. Nomeadamente, o PS quer saber porque é o Banco de Portugal interrompeu a venda do Novo Banco quando havia “três propostas muito boas”.

O âmbito da proposta do PS para a criação de uma comissão de inquérito parlamentar (CPI) sobre o Novo Banco abarca os primeiros momentos de vida da instituição financeira, nomeadamente, porque é que o Banco de Portugal (BdP) decidiu não vender o banco em setembro de 2015, altura em que havia “três propostas muito boas”.

O deputado socialista, João Paulo Correia, em intervenção no plenário da Assembleia da República sobre o debate para a criação de uma CPI ao Novo Banco — apresentaram propostas o Chega, BE, IL e PS — afirmou que “é importante escrutinar porque é que em setembro de 2015 foi decidido interromper a venda do Novo Banco quando o BdP anunciou publicamente que existiam três propostas muito boas, mas decidiram não vender o Novo Banco”.

“Em setembro de 2015, o BdP — basta ler os comunicados da época, que estão disponíveis — dizia que o Novo Banco era atrativo. Em três meses e meio, o BdP foi obrigado a retransmitir dois mil milhões de euros de obrigações séniores do Novo Banco para o BES, para salvar o Novo Banco de uma resolução, e essa decisão pesou muito no rating da República e os juros da dívida disparam. Temos de saber porquê” realçou o deputado.

Mas antes deste momento, há outros dois que são “incontornáveis” na criação do Novo Banco e que o PS também pretende averiguar com a CPI. “O Novo Banco existe porque o BES faliu, e o BES faliu por causa de má gestão. E o Novo Banco existe porque foi opção da autoridade de resolução e do Banco de Portugal e do Governo [da altura] e, no dia em que anunciaram a constituição do Novo Banco, prometeram um banco bom e que os ativos problemáticos tinham ficado no BES”, disse João Paulo Correia.

E reforçou: “sabemos que isto hoje não é verdade. Sabemos que mais de 90% dos processos que geraram perdas no Novo Banco e que têm justificadas injeções do Fundo de Resolução têm origem no BES”.

Numa palavra, “o PS pretende uma CPI desde o dia da resolução até aos dias de hoje”, dando à proposta do PS o âmbito alargado, nomeadamente o processo de venda do Novo Banco, finalizado em 2017.

“Tínhamos três opções”, lembrou o deputado socialista. O banco “ou era vendido como foi vendido — só apareceu uma proposta — ou era liquidado ou nacionalizado. Pelos dados que temos hoje, a liquidação e a nacionalização teria um custo muito elevado, como teria em 2015 e por isso é que optaram por não vender”.

A proposta do PS pretende ainda “perceber porque é a auditoria apresenta 140 desconformidades à administração do Novo Banco e temos de saber se estas carteiras de ativos têm sido, ou não, vendidas ao desbarato”, disse João Paulo Correia.

O PS defendeu a criação de uma CPI sobre o Novo Banco depois da audição parlamentar do CEO da instituição de crédito, António Ramalho, no passado dia 15 de setembro.

Ler mais
Relacionadas

Ventura quer “investigação sem fim, sem necessidade de bodes expiatórios, mas sem medo” na CPI ao Novo Banco

O deputado do Chega! voltou a realçar a necessidade de investigar “quem, de que forma e como recebeu dinheiro do antigo Banco Espírito Santo para financiar campanhas eleitorais”, assim como o processo de resolução do BES e o papel do supervisor.

Novo Banco. IL diz que “trabalhadores são as vítimas mais ignoradas deste circo”

João Cotrim Figueiredo, deputado da Iniciativa Liberal, pretende uma comissão de inquérito parlamentar para dissipar as dúvidas que pairam sobre o Novo Banco, que penalizam a gestão, reputação e trabalhadores do banco. E ataca o Governo, que diz que “mentiu sobre consequências financeiras” da venda do banco.

BE insiste em ver auto-avaliação do Banco de Portugal à sua atuação no BES

Mariana Mortágua, deputada do BE, afirmou esta manhã que a proposta do partido para uma comissão de inquérito parlamentar sobre o Novo Banco pretende “apurar responsabilidades”, nomeadamente do Banco de Portugal, que “não pode continuar a esconder o relatório que analisa a sua própria intervenção no BES”.
Recomendadas
Miguel Maya

CaixaBank espera lucros de 48 milhões do BCP apesar da provisões para créditos em francos suíços na Polónia

Apesar das provisões de 121 milhões por causa dos créditos hipotecários em francos suíços, o CaixaBank estima que o BCP apresente resultados líquidos no primeiro trimestre de 48 milhões de euros.

Novo Banco vai tornar-se acionista da Promovalor por conversão das VMOC de Luís Filipe Vieira

“As VMOCs vão ser convertidas em capital da Promovalor, e é por essa via que o banco vai receber tudo”, disse o presidente da Promovalor. Depois do reembolso do fundo todo o remanescente vai para a Promovalor e o Novo Banco vai ser acionista da Promovalor.

Fundo que ficou com ativos da Promovalor está a negociar mais 2 ou 3 anos para pagar ao Novo Banco

“O fundo detido pelo Novo Banco que devia pagar 60 milhões em 2022 ao Novo Banco está a negociar um prolongamento de mais dois ou três anos por causa da pandemia”, revelou Luís Filipe Vieira.
Comentários