PSD/CDS-PP defende que eleição no Funchal é entre sistema socialista empobrecido e o desenvolvimento económico

O candidato do PSD/CDS-PP considera que o atual presidente da autarquia, Miguel Gouveia, deveria ter vergonha de estar a concorrer, por ter feito uma política em que “não executou nada” mas também por estar a fazer uma campanha “baixa e difamatória” contra o trabalho do PSD/CDS-PP.

O candidato do PSD/CDS-PP à Câmara do Funchal, Pedro Calado, mostrou-se convicto na vitória para a autarquia, a 26 de setembro, e considerou que a escolha é entre um sistema socialista empobrecido, da Coligação Confiança, e o desenvolvimento económico, do PSD/CDS-PP.

Para Pedro Calado as coisas “estão muito claras”. O candidato à Câmara do Funchal sublinha que a sua candidatura não chega à casa das pessoas a prometer que vai resolver daqui a um mês aquilo que é urgente.

“Nós temos uma equipa ao lado das pessoas que preenche papéis para que estas possam começar a receber os apoios que necessitam. Nós ajudamos as pessoas no imediato. Nós temos casos desde a freguesia do Monte, São Pedro, Imaculado Coração de Maria, São Gonçalo e  Santa Maria Maior, problemas que já resolvemos sem entrarmos ainda na Câmara Municipal do Funchal. No dia que entrarmos, vejam bem a diferença que vamos fazer”, afirmou durante um comício em Santa Maria Maior.

Pedro Calado reforça que foi preciso que a sua candidatura fosse ao terreno denunciar problemas para que estes fossem resolvidos, acrescentando que a população já se apercebeu de quem tem soluções.

“Nós pedimos ajuda aos serviços do Governo Regional, às empresas e conseguimos resolver algumas necessidades da população porque já estamos no terreno a trabalhar muito antes de se iniciar a campanha eleitoral. Nós não temos vergonha de assumir que queremos trabalhar na Câmara em articulação com o Governo, fazemos o que for preciso para proteger o nosso povo. Enquanto uns ainda se reúnem com a sociedade civil para constituir o programa para a Câmara nós já fizemos esse trabalho há muito”, explicou Pedro Calado.

O candidato do PSD/CDS-PP diz que o atual presidente da autarquia, Miguel Gouveia, deveria ter vergonha de estar a concorrer, por ter feito uma política em que “não executou nada” mas também por estar a fazer uma campanha “baixa e difamatória” contra o trabalho do PSD/CDS-PP.

“Uma coisa é contestar uma ideia de uma candidatura ou ir atrás das mesmas propostas, outra coisa é andar de porta-a-porta a distribuir panfletos a mentir à população que nós vamos cortar os apoios sociais, que vamos cortar os medicamentos e os transportes gratuitos aos idosos, que vamos acabar com os manuais escolares. Isto é crime, isto é uma política de mentira mas é aquilo que eles estão habituados a fazer, é aquilo que estão habituados a dar à população: é mentira atrás de mentira”, disse Pedro Calado.

Pedro Calado referiu que a política proposta pelo PSD/CDS-PP será muito baseada no social. “As grandes obras nós vamos arranjar maneira de as financiar em parceria com o Governo Regional. A grande obra que temos de deixar daqui a quatro anos, é uma sociedade mais justa, mais equilibrada e mais amiga”, acrescentou.

“Nós não vamos brincar à politiquice, nós não vamos arranjar tachos e pagar ordenados a empresas municipais para não fazerem nada”, referiu Pedro Calado.

Recomendadas

PremiumUnião fez a força para o centro-direita retirar câmaras aos socialistas

Coligações lideradas pelos sociais-democratas conquistaram mais 20 autarquias sem perder nenhuma. PSD isolado teve saldo nulo com PS.

PremiumEleições geram meia centena de imbróglios autárquicos

Porto e Sintra juntam-se às câmaras em que os vencedores estão em minoria na vereação e na assembleia municipal. Mais complicada que Lisboa talvez só mesmo Évora, e número de executivos minorítários disparou em relação a 2017.

Autárquicas: Chega impõe condições para se coligar com PSD e descarta acordos com PS e CDU

Em conferência de imprensa na sede do partido, em Lisboa, André Ventura abordou os resultados das eleições autárquicas de domingo, onde o Chega elegeu 19 vereadores, para referir que “não haverá qualquer acordo nacional autárquico entre o Chega e o PSD”.
Comentários