PSD não descarta apoio ao Estado de Emergência mas pede medidas “de forma selecionada”

O presidente do PSD, Rui Rio, considera que, a ser decretado, o Estado de Emergência não deverá implicar o confinamento obrigatório como em março e abril porque a economia não tem condições para suportar o impacto de um novo confinamento.

António Pedro Santos/Lusa

O Partido Social Democrata (PSD) não descarta um eventual apoio a uma nova declaração de Estado de Emergência no país, tendo em conta a evolução da pandemia da Covid-19. O presidente do PSD, Rui Rio, considera, no entanto, que, a ser decretado, o Estado de Emergência não deverá implicar o confinamento obrigatório como em março e abril porque a economia não tem condições para suportar o impacto de um novo confinamento.

“Não daremos cara branca ao Governo para tudo e mais alguma coisa, mas estaremos sempre do lado da solução. Nunca a obstacularizar nem a tirar partido desta situação em benefício partidário. Isso é totalmente completamente contra a minha maneira de ser e jamais acontecerá”, afirmou Rui Rio, em conferência de imprensa, depois de ter estado reunido com o primeiro-ministro, António Costa.

Rui Rio considera que a evolução da pandemia e o seu impacto económico será “mais grave” do que na primeira vaga e sublinhou que o Estado de Emergência hoje “não pode ser da mesma forma como foi em março e abril” porque a economia nacional não tem condições para “suportar uma coisa dessas”. Caso venha a ser decretado, explicou que servirá apenas para dar ao Governo “o quadro legal necessário” para tomar medidas “de forma selecionada”.

“As pessoas pensam que se o Estado de Emergência fosse decretado agora era para acontecer como em março e abril e o país fechar o máximo possível. Há muitas pessoas que estão contra, mas escusam de ter medo porque não será assim. Mas devia ser. Para bem da saúde dos portugueses e da economia nacional era bom que pudesse ser, mas não pode para bem da economia nacional”, reiterou.

Segundo o líder social-democrata, uma das hipóteses que está em cima da mesa é a monitorização por zonas, “nomeadamente os municípios onde a situação está mais grave”. “Se um município onde as pessoas vivem está em boas condições, se nos portarmos bem, assim continuará. Penso que é uma forma equilibrada de começar a raciocionar sobre isso”, argumentou.

“Vamos rapidamente ultrapassar os 4, 5 mil casos por dia e por aí fora. É preciso que sejam todos os portugueses a estar consciencializados disto e a tomar as devidas precauções e a ter o comportamento adequado”, referiu ainda.

As medidas a tomar pelo Governo serão depois anunciadas por António Costa, no sábado, no final de uma reunião do Conselho de Ministros extraordinária.

Ler mais
Relacionadas

Após sugestão de Marcelo, PSD admite rever Constituição para enquadrar situações de pandemia

O líder social-democrata, Rui Rio, considera a proposta do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, é de “bom senso” e disse que a Covid-19 veio evidenciar a necessidade de consagrar situações de pandemia no quadro legal.
Recomendadas

Presidente da República ouve hoje partidos sobre estado de emergência

As audiências aos partidos políticos no Palácio de Belém, em Lisboa, estão marcadas para entre as 14:00 e as 19:00, por ordem crescente de representação parlamentar: Iniciativa Liberal, Chega, PEV, PAN, CDS-PP, PCP, BE, PSD e, por último, PS.

Covid-19: Plano de Vacinação é apresentado esta quinta-feira. O que já se sabe?

Plano é apresentado esta quinta-feira mas já se sabem alguns detalhes: as vacinas serão “gratuitas e facultativas”, o processo será demorado (podendo demorar vários meses) e haverá “maior escassez na existência de vacinas” durante o primeiro trimestre de 2021.

Rui Rio considera que fundos europeus devem ser investidos “sem dúvida” nas empresas

Num painel sobre “o futuro de Portugal”, o líder social-democrata referiu que é preciso “reindustrializar a economia” nacional e que só depois é que se dever olhar para o investimento público, ao contrário do que tem feito o Governo.
Comentários