Que caminho para o hidrogénio? Shell e Schneider debateram futuro da energia na Web Summit

Ambas as empresas acreditam em apresentar aos seus clientes o maior número de opções quanto à energia que podem utilizar. No entanto, para a Schneider, o hidrogénio não tem valor económico e o futuro “será mais elétrico e a eletricidade será produzida e consumida de forma descarbonizada e descentralizada”.

Nasa – Unsplash

O futuro da energia foi debatido esta quarta-feira na Websummit com Yuri Sebregts, vice-presidente executivo de tecnologia da Shell e Emmanuel Lagarrigue, membro do comité executivo da Schneider. O hidrogénio foi o tema central e neste tópico as empresas expuseram diferentes perspetivas.

“Claro que hidrogénio vai ser muito importante no futuro, mas é preciso ter em conta que nem tudo será movido a hidrogénio”, garantiu Yuri Sebregts da Shell realçando que “existirá muita eletrificação dos sistemas, até porque nem todo o tipo de energia é fácil de eletrificar”. Para exemplificar as dificuldades da eletrificação de sistemas, Yuri Sebregts referiu “os grandes processos industriais que precisam de um nível de energia muito densa como a produção de aço ou materiais sintéticos ou fertilizantes”.

“O sistema de energia do futuro será muito diferente do que temos hoje, porque precisamos alcançar um mundo que tenha emissões de gases a nível zero e, ao mesmo tempo, precisamos fornecer acesso a energia acessível e confiável para toda a humanidade”, assegurou.

Yuri Sebregts garante que a Shell está “empenhada em cumprir o acordo de Paris e em fazer parte da solução”. No entanto, este responsável reconhece que além da dificuldade em eletrificar sistemas, poderá ser um desafio “transportar energia eletrificada durante muito tempo”.

Ambas as empresas defendem que os seus clientes devem ter ao seu dispor todas as alternativas possíveis, mas ao contrário de Yuri Sebregts, Emmanuel Lagarrigue da Schneider não partilha a mesma visão sobre o hidrogénio. Embora reconheça que o “hidrogénio será uma boa alternativa a algumas baterias”, acredita que “a transportação de hidrogénio não tem hipótese”.

Sobre o hidrogénio, Emmanuel Lagarrigue destacou que “não existe forma de ter valor económico, sendo que é muito difícil eletrificar partes da economia” e revelou que existe “um comportamento protecionista da parte de algumas empresas de energia que não estão apenas a evitar ou adiar o direito à sua distribuição”.

Apesar da perspetiva sobre o hidrogénio, Emmanuel Lagarrigue acredita que o futuro “será mais elétrico e a eletricidade será produzida e consumida de forma descarbonizada e descentralizada”.

Ler mais
Relacionadas

“Portugal deve estar na pole position da transição energética”, diz Frans Timmermans

O vice-presidente da Comissão Europeia, Frans Timmermans, durante o painel “The Future of Europe”, da Web Summit, afirmou que Portugal tem todas as energias renováveis – vento, sol e mar – para estar no pelotão da frente da transição energética.

Escócia será o primeiro país no mundo a utilizar hidrogénio verde em casas

O teste tem o apoio do regulador de energia, Ofgem, que concedeu 18 milhões de libras (20 milhões de euros) para o desenvolvimento do projeto pioneiro. A concessão é parte de um concurso de financiamento que apoia a inovação para ajudar a preparar as redes de energia do Reino Unido para um futuro com baixas emissões de dióxido de carbono.

Termoelétrica de Sines: Matos Fernandes garante formação a 400 trabalhadores

A menos de dois meses para o encerramento da central termoelétrica de Sines, o ministro do Ambiente e da Ação Climática frisou que os cerca de 400 trabalhadores desta central serão alvos de formação para que possam integrar nos projetos de energia solar que estão a ser desenvolvidos.
Recomendadas

“É quase inevitável que os non-performing loans vão começar a aumentar novamente”, diz Dombrovskis

Vice-presidente da Comissão Europeia realça que o malparado diminuiu na banca portuguesa nos últimos anos. No entanto, admite que a crise provocada pela pandemia se irá traduzir num aumento quase “inevitável” dos NPLs, destacando por isso o Plano de Ação de Bruxelas para combater os créditos improdutivos.

PremiumPrograma Apoiar vai dar mais subsídios

Um dos principais mecanismos no combate às consequências sociais e económicas da pandemia, o programa Apoiar.pt foi agora reforçado e incluirá mais subsídios a fundo perdido, revelou o ministro do Estado e da Economia, Pedro Siza Vieira, nesta quinta-feira.

Governo dos Açores apresenta a Bruxelas solução para devolver aumentos de capital da SATA

O secretário regional das Finanças dos Açores anunciou esta sexta-feira que vai avançar possivelmente “no início da semana”, junto de Bruxelas, com a solução para devolver os aumentos de capital “ilegais” realizados na SATA, de 73 milhões de euros.
Comentários