Quem é quem na Educação e no Ensino Superior

No novo Governo, a tónica não foi mudar o elenco mas sim apostar na continuidade.Tiago Brandão Rodrigues é o primeiro ministro da Educação na história da democracia a ser reconduzido no cargo.

Os ministros da Educação e do Ensino Superior continuam no leme. Tiago Brandão Rodrigues e Manuel Heitor mereceram assim novo voto de confiança. Nos dois ministérios, as mudanças são, aliás, mínimas.

Na 24 de Julho, João Costa, anteriormente secretário de Estado da Educação, sobe a Adjunto, ocupando o lugar deixado vago por Alexandra Leitão, que vai liderar o recém-criado Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública e da Educação. Para o lugar de João Costa entra Susana Amador, que se estreia na Educação. No Palácio das Laranjeiras, João Sobrinho Teixeira, que há pouco mais de um ano substituiu a historiadora Maria Fernanda Rollo, continua a assegurar a única secretaria de Estado.

A decisão de António Costa de manter Tiago Brandão Rodrigues na tutela da Educação está, no entanto, longe de ser consensual. Manuel Pereira, presidente da Associação Nacional de Diretores Escolares (ANDE), elogia a equipa ministerial cessante como a “mais próxima das escolas em 40 anos”, e João Dias da Silva, presidente da Federação Nacional da Educação (FNE), também vê a recondução pela positiva. “Tem a vantagem de conhecer os dossiês que estão por resolver, os problemas que estão identificados e que precisam de ser solucionados, particularmente os que dizem respeito às carreiras dos profissionais da educação, docentes e não docentes”, disse em declarações à Lusa.

Visão oposta tem Mário Nogueira, secretário geral da Fenprof, para quem manter Tiago Brandão Rodrigues no cargo “é, para os professores, uma afronta e uma provocação. Alguém que levou o confronto ao extremo, que levou a chantagem para a mesa que devia ser negocial, e que nos momentos em que era mais importante haver ministro da Educação, não existiu”.

Recomendadas

Ano letivo 2020/21. Aulas do curso de Direito da Católica em Lisboa vão ser mistas

A decisão está tomada para o próximo semestre que arranca em setembro. As aulas da licenciatura de Direito vão ser presenciais e à distância, devido à pandemia da Covid-19.

ISCTE vai formar executivos em Guangdong e consolida presença na China

Acordo com Kingold Training College eleva patamar da presença do ISCTE Executive Education no país asiático, que à área da gestão da saúde junta agora a formação de executivos pura.

Manuel Heitor sobre ano letivo 2020/21: “Todos os cursos serão lecionados nas condições e termos para que foram acreditados”

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior disse esta quarta-feira, no Parlamento, que a mobilidade estudantil vive dias difíceis, adiantando que, no casos do programa Erasmus, as regras continuam a ser as mesmas.
Comentários