“Queremos a afirmação da Ordem como entidade independente que se pronuncia sobre os grandes temas da economia portuguesa”, defende Pedro Reis, candidato a bastonário da Ordem dos Economistas

Nesta entrevista conduzida por Filipe Alves, diretor do JE, o ex-presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) explica quais os dez objetivos da sua candidatura, nomeadamente a mobilização dos membros da Ordem, a valorização da profissão de economista e a captação de novos valores para este órgão.

A Ordem dos Economistas vai a votos no final do ano e na corrida aos órgãos sociais está a lista encabeçada por Pedro Reis, candidato a bastonário com o apoio do atual líder da Ordem, Rui Leão Martinho.

Nesta entrevista conduzida por Filipe Alves, diretor do JE, o ex-presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) explica quais os dez objetivos da sua candidatura, nomeadamente a mobilização dos membros da Ordem, a valorização da profissão de economista e a captação de novos valores para este órgão.

A propósito do OE2022, Pedro Reis acredita que o documento orçamental para o próximo ano deveria ter ido “mais longe” no que diz respeito “ao apoio ao investimento privado, exportações, internacionalização das empresas ao combate aos custos de contexto”.

Recomendadas

Presidente da República promulga diploma para travar práticas comerciais desleais

O governo pretende contribuir para um mercado concorrencial no setor do turismo, livre de práticas comerciais “que desequilibrem as relações económicas”.

Trabalhadores da Fundação Casa da Música em greve por “discriminações salariais” e “falsos contratos”

Os trabalhadores da Fundação Casa da Música filiados no sindicato Cena-STE realizam hoje um dia de greve pelo fim das condições precárias de trabalho. Na base das queixas estão as discriminações salariais, falsos contratos a termo e recibos verdes e ausência de carreiras, entre outras. Sindicato acusa administração de “inflexibilidade negocial”.

Goldman Sachs diz que novas restrições decorrentes da pandemia vão travar a subida da inflação

“Reduzimos a nossa projeção de crescimento anual [da zona euro] para 5,1% para 2021 (queda de 0,1 pp) e 4,3% para 2022 (queda de 0,1 pp), mas aumentamos a nossa projeção de 2023 para 2,5% (subida de 0,1 pp)”, estimam os economistas do banco norte-americano.
Comentários