André Ventura promete “maior marcha alguma vez vista” contra antirracismo em Évora

“Será o nosso grito contra o racismo e marca o arranque do II congresso do partido. Começará às 19:00 nas portas de Évora e marcharemos até à praça do Giraldo, onde terminará a concentração”, garantiu André Ventura, referindo-se à data de 18 de setembro.

Twitter/Chega

O líder demissionário e recandidato do Chega anunciou hoje que vai organizar a “maior marcha alguma vez vista em Portugal” contra o discurso “hipócrita” do antirracismo, o qual considera “esconder a corrupção”, em setembro na cidade de Évora.

“Será uma grande marcha – a maior alguma vez vista em Portugal neste tipo de eventos -, com o lema ‘contra a hipocrisia do racismo para esconder a corrupção’. Haverá representantes de todos os partidos da Identidade e Democracia (ID), isso é certo. Estará o presidente da ID. Isso é certo. Queremos que venham manifestantes de toda a Europa”, disse André Ventura à Agência Lusa.

A ID é família europeia do Chega: grupo Identidade e Democracia (ID), presidido pelo belga Gerolf Annemans (Interesse Flamengo). As presenças da francesa Marine Le Pen (Frente Nacional) e do italiano Matteo Salvini (Liga Norte) continuam por confirmar.

“Será o nosso grito contra o racismo e marca o arranque do II congresso do partido. Começará às 19:00 nas portas de Évora e marcharemos até à praça do Giraldo, onde terminará a concentração”, continuou o deputado único do Chega, referindo-se à data de 18 de setembro.

A II Convenção Nacional deste partido populista de direita está agendada para 19 e 20 de setembro em local ainda a definir na capital alentejana, seguindo-se às eleições diretas para a presidência (05 de setembro).

O Chega já promoveu duas “contramanifestações” em Lisboa com a mesma máxima, defendendo não existir racismo em Portugal, para contrabalançar outras concentrações e marchas antirracistas e com a participação de partidos de esquerda.

Nos últimos dias, três deputadas e sete ativistas foram alvo de ameaças por uma autoproclamada “Nova Ordem de Avis – Resistência Nacional”, que reivindicou também uma ação junto à associação SOS Racismo, levando o Governo a condenar estas ações como “uma ameaça à própria democracia” que deve indignar “todos os democratas”.

Na quinta-feira, o Ministério Público instaurou um inquérito-crime ao assunto, um dia depois de o dirigente da SOS Racismo Mamadou Ba ter prestado declarações na Polícia Judiciária e ter confirmado a receção, juntamente com mais nove pessoas, de uma mensagem de correio eletrónico a estipular o prazo de 48 horas para abandonar o país.

O Presidente da República recomendou aos democratas “tolerância zero” e “sensatez” para combater o racismo, ao comentar as ameaças.

Vários partidos, bem como o presidente da Assembleia da República, repudiaram as ameaças feitas aos ativistas e à associação.

 

Ler mais
Relacionadas
joacine_katar_moreira_livre

Joacine Katar Moreira: “Estamos todos em perigo quando a extrema-direita se sente impune”

“Estamos todas e todos em situação de perigo quando a extrema-direita se sente impune”, declarou a deputada Joacine Katar Moreira, uma das visadas num ‘e-mail’ com ameaças enviado esta semana à associação SOS Racismo.
catarina_martins_oe_2020

Catarina Martins diz que ameaças a deputadas é “caso de polícia” que “envergonha políticos que tentam normalizar criminosos”

A coordenadora nacional do BE, Catarina Martins, considera que não são necessárias alterações à lei para criminalizar atos racistas e salienta que, na política, não deve haver “políticos complacentes” com este tipo de crimes.

PS considera “absolutamente intoleráveis” ameaças racistas dirigidas a deputadas e ativistas

Os socialistas defendem que estas tentativas de intimidação devem ser “rapidamente investigadas” pelas autoridades competentes e que devem ser “aplicadas com determinação” as leis existentes, que já implicam uma investigação de natureza criminal para atos de racismo e a xenofobia.
Recomendadas

PCP identifica seis cadeias de dependência externa que implicam “colonização económica e política”

Turismo, grande distribuição e a aposta no lítio e no hidrogénio não foram esquecidos na análise (muito crítica) que os comunistas fazem à economia portuguesa nas Teses que servirão de base ao XXI Congresso, que decorrerá entre 27 e 29 de novembro.

Hamas e Fatah chegam a acordo para a realização de eleições daqui a seis meses

Depois de 15 anos sem atos eleitorais, na sequência dos confrontos que resultaram da tentativa de coligação em 2006, as duas principais fações palestinianas procuram dar sinais de união numa altura em que o restante mundo árabe parece aberto à normalização dos laços com Israel.

Presidenciais: Paulo Pedroso na “estrutura organizativa” da candidatura de Ana Gomes

O ex-ministro do Trabalho Paulo Pedroso vai integrar a “estrutura organizativa” da candidatura de Ana Gomes a Presidente da República, confirmou hoje a própria numa declaração à agência Lusa.
Comentários