Receios da Evergrande e Fed levam Wall Street ao vermelho

A iminência de incumprimento por parte do gigante chinês do imobiliário penalizou o sentimento do mercado, com os investidores também à espera da Fed.

Os três principais índices norte-americanos encerram a primeira sessão da semana em queda, com a sombra de um eventual default da gigante Evergrande, o segundo maior promotor imobiliário da China em vendas, a pairar sobre Wall Street.

O Dow Jones caiu 1,78% para 33.970,47 pontos, o S&P 500 perdeu 1,70% para 4.357,73 pontos e o tecnológico Nasdaq recuou 2,19% para 14.713,90 pontos.

A iminência de incumprimento por parte do gigante chinês do imobiliário – que tem uma dívida de 300 mil milhões de dólares –  está a fazer tremer os mercados. “O colapso da gigante chinesa levaria provavelmente a problemas significativos no setor bancário chinês e poderia desencadear mais incumprimentos no setor imobiliário chinês”, referiu o analista da XTB, Henrique Tomé.

Os investidores mantêm-se ainda atentos à reunião de dois dias da Reserva Federal norte-americana, que arranca amanhã, com a expectativa de que Jerome Powell dê pistas sobre o timing para o início do tapering.

No mercado petrolífero, o Brent caiu 1,41% para 74,28 dólares e o WTI recuou 1,73% para 70,58 dólares. “O WTI caiu durante o início desta segunda-feira, com o preço do barril impactado negativamente pela força do dólar”, explicam os analistas da Active Trades.

A corretora salienta que o dólar começou a semana a liderar, a ser negociado no nível mais alto das últimas três semanas, com os investidores a temer as consequências da situação na China, devido à Evergrande, que desencadeou “um surto de aversão ao risco nos mercados financeiros e impulsionando a procura pelo dólar, considerado um porto-seguro”.

“Além do comércio porto-seguro, o dólar está, também, a ser apoiado pela expectativa dos investidores quanto ao anúncio de início da redução gradual do programa de compra de ativos por parte da Fed, que fala ao mundo no final desta semana”, acrescentam.

Recomendadas

Galp e grupo EDP dão energia à bolsa de Lisboa

A praça lisboeta sobe ao sabor da energia. O anúncio pós-mercado da Galp fez as ações da energética subir na abertura da sessão, acompanhando outras empresas do sector.

Presidente indigitado da CMVM defende aproximação aos criptoativos

“A crescente digitalização da sociedade conduz à emergência de uma nova geração de investidores mais evoluídos digitalmente e mais aberto ao risco”, por isso, a CMVM “deve interagir com estes investidores que utilizam preferencialmente plataformas digitais e recolhem informação na internet e redes sociais”, disse Gabriel Bernardino.

Ganhos das farmacêuticas animam Wall Street

O primeiro fundo indexado aos futuros de bitcoin, que negociou na bolsa de Nova Iorque pela primeira vez esta terça-feira, subiu 4,7% para mais de 40 dólares. Em causa está um ETF da ProShares chamado “Bitcoin Strategy ETF”.
Comentários