Regresso de Cristina Ferreira à TVI não convence investidores: Media Capital afunda mais de 9% em bolsa

A dona da TVI está a sofrer uma forte queda na bolsa de Lisboa esta segunda-feira, a primeira sessão realizada depois de conhecido o regresso da senhora televisão à estação televisiva de Queluz de Baixo, após dois anos na sua rival. Já a dona da SIC esteve hoje a cair mais de 4% em bolsa depois da perda de uma das suas maiores estrelas, que catapultou a SIC de novo para a liderança nas audiências, acabando com o reinado da TVI.

O regresso de Cristina Ferreira à TVI não está a convencer os investidores na bolsa de Lisboa, pelo menos até ao momento.

A Media Capital está a recuar 9,40% para 2,120 euros esta segunda-feira, depois de ter fechado a sessão na sexta-feira nos 2,340 euros, com 1.270 ações negociadas.

A saída da apresentadora de Paços de Arcos para regressar a Queluz de Baixo também não convenceu os investidores, com a ação da dona da SIC, a Impresa, a abrir a sessão de hoje a recuar 401% para 0,1370 euros.

A Media Capital anunciou na sexta-feira passada o regresso da apresentadora Cristina Ferreira depois de dois anos na SIC. “Cristina Ferreira regressa à TVI como Diretora de Entretenimento e Ficção, tendo já manifestado a sua intenção de compra de participação na Media Capital, com o intuito de vir a tornar-se também acionista do canal televisivo”, segundo o comunicado da dona da TVI.

O Correio da Manhã avançou no sábado que a apresentadora vai ganhar cerca de três milhões de euros por ano na TVI, 2,6 milhões de salário base e 400 mil em contrapartidas publicitárias. Além do cargo de diretora, Cristina Ferreira vai passar a ser administradora não executiva da TVI, com uma participação de 1% a 2% da Media Capital, segundo o CM.

Na tarde de sexta-feira a SIC reagiu à saída de Cristina Ferreira, dizendo que foi “unilateral”, “abrupta” e “surpreendente”.

Mais tarde, na noite de sexta-feira, o Expresso noticiou que a estação televisiva de Paços de Arcos pode vir a exigir o pagamento de, pelo menos, quatro milhões de euros pela saída da apresentadora antes do fim do seu contrato, em 2022. Dois milhões correspondem ao valor de salário dos dois anos de contrato em vigor, e mais dois milhões relacionados com outros custos, como contratos com produtoras e acordos feitos com marcas.

Já no sábado, a senhora televisão veio a público explicar porque é que saiu da estação de Paços de Arcos para regressar a Queluz de Baixo. ” Um dia alguém me disse que a casa mãe precisava de mim. Olhei e percebi que fazia lá falta”, escreveu Cristina Ferreira nas redes sociais no sábado.

Também no sábado, a Media Capital veio a público informar que “Cristina Ferreira manifestou junto do acionista Prisa a intenção de adquirir uma participação no capital social da sociedade”, sem no entanto avançar de quanto poderá ser esta participação.

O Correio da Manhã avançou no sábado que a apresentadora poderia vir a ter uma participação de 1% a 2%. O jornal também avançou que as negociações para o regresso da apresentadora foram lideradas pelo empresário Mário Ferreira, que detém 30% do capital da Media Capital.

 

Cristina Ferreira: SIC dizia há um ano que uma das maiores dificuldades do seu negócio é conseguir reter estrelas

Ler mais
Relacionadas

Dona da SIC tomba 4% em bolsa depois da saída de Cristina Ferreira para a TVI

Rescisão unilateral de contrato com a SIC por parte de Cristina Ferreira, que vai regressar à TVI, empresa detida pela Media Capital, está a penalizar o grupo de media liderado por Francisco Pedro Balsemão.

Cristina Ferreira: SIC dizia há um ano que uma das maiores dificuldades do seu negócio é conseguir reter estrelas

A SIC assumia há um ano que o “sucesso e a sustentabilidade” do seu negócio dependiam da capacidade de reter “personalidades do entretenimento”. 2020 foi o momento de viragem na estação de Paços de Arcos voltando a liderar as audiências, batendo o reinado da TVI, com o contributo do efeito Cristina Ferreira, que agora regressa a Queluz de Baixo.

Cristina Ferreira: “Um dia alguém me disse que a casa mãe precisava de mim. Olhei e percebi que fazia lá falta”

A senhora televisão disse que precisou de sair da TVI para crescer, mas que não conseguiu ignorar que a sua “casa mãe” precisava de si neste momento. Cristina Ferreira deverá ir ganhar três milhões de euros por ano, na SIC ganhava um milhão anual, avançou hoje o Correio da Manhã.

“Realmente as despesas são muitas”. Rui Rio ‘usa’ Cristina Ferreira para criticar apoio do Governo aos media

“Percebe-se agora o apoio de 15 milhões de euros do Governo a este setor; realmente as despesas são muitas e a crise é grande. Aguardemos agora notícias sobre o apoio público socialista à dispendiosa contratação do novo treinador do Benfica”, escreveu o presidente do PSD, na sua conta oficial no Twitter.

Media Capital confirma à CMVM intenção de Cristina Ferreira ser acionista da empresa

A dona da TVI esclarece, em comunicado, que a referida declaração de intenções “enquadra-se na recente contratação da Cristina Ferreira como Diretora de Entretenimento e de Ficção da TVI”.
david_justino_psd_legislativas

‘Vice’ de Rui Rio diz que regresso de Cristina Ferreira à TVI é um “negócio pornográfico”

“Face aos 15 milhões de ajuda do Governo às empresas de comunicação social, o regresso de Cristina Ferreira à TVI é um negócio pornográfico”, escreveu David Justino, na sua conta oficial no Twitter.
Recomendadas

IPO do grupo Ant regista procura histórica de três biliões de dólares por parte de investidores

Apesar dos riscos de escrutínio, os investidores de retalho e institucionais estão a correr para comprar ações do grupo que opera a maior plataforma de pagamentos da China, bem como outros serviços financeiros.

Sindicato dos tripulantes “não quer acreditar” que a TAP vá reduzir salários

Presidente do SNPVAC, Henrique Louro Martins, disse, em entrevista ao “Público”, que os trabalhadores que representa já perderam grande parte da remuneração e lamenta que a administração ainda não tenha comunicado o plano de reestrutração da transportadora aérea.

PremiumRoger Tamraz: Dos milionários ‘pipelines’ no Médio Oriente ao interesse pelo banco de Isabel dos Santos

Gravitou em negócios da mais alta geopolítica, rodeado por chefes de Estado do Médio Oriente e de antigas repúblicas soviéticas, e fez parcerias com Onassis no Panamá. Agora gere investimentos a partir do Dubai, com russos, chineses e africanos. Aos 80 anos pretende comprar o Eurobic.
Comentários