Reino Unido proíbe viagens com origem Portugal. Camionistas são exceção

Na base desta decisão está a nova variante do coronavírus proveniente do Brasil e foi tomada após uma reunião dos ministros ingleses esta quinta-feira.

O Reino Unido acaba de proibir as viagens com origens de Portugal e da América do Sul, devido à nova variante do coronavírus proveniente do Brasil, avança a “BBC” esta quinta-feira, 14 de janeiro.

Esta decisão foi tomada após uma reunião dos ministros ingleses. As exceções no caso de Portugal são para os camionistas que viajem do país. A medida entra em vigor a partir desta sexta-feira, 15 de janeiro, informa o secretário dos transportes britânico Grant Shapps.

A proibição aplica-se também a chegadas da Argentina, Brasil, Bolívia, Cabo Verde, Chile, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela. Grant Shapps adiantou também que os cidadãos britânicos, irlandeses e estrangeiros com direito de residência ainda poderão viajar, mas devem fazer um isolamento durante 10 dias.

Ler mais
Recomendadas
Marta Temido em entrevista à RTP

Fecho imediato de todas as escolas vai ser discutido em Conselho de Ministros nesta quinta-feira

Ministra da Saúde admite que é possível chegar a 20 mil mortes causadas pela pandemia até março. Variante britânica do coronavírus SARS-CoV-2 representa 20% dos casos de infeção e poderá chegar aos 60%.

Marcelo cai cinco pontos mas garante reeleição no domingo em sondagem da Universidade Católica

Atual Presidente da República lidera com 63% nas intenções de voto, a enorme distância dos outros candidatos. Ana Gomes tem quatro pontos de vantagem para André Ventura e Marisa Matias para 3% e empata com Tiago Mayan Gonçalves.
Marcelo Rebelo de Sousa

Abstenção de 70% pode levar a segunda volta nas presidenciais, alerta Marcelo

O Presidente da República, que falava durante um encontro com alunos na Escola Secundária Pedro Nunes, em Lisboa, justificou no final aos jornalistas a decisão de continuar com ações de campanha, apesar da gravidade da evolução da covid-19 em Portugal, com o argumento de que “a democracia não se deve suspender”.
Comentários