REN coloca limite mínimo anual nos dividendos:15,4 cêntimos

A empresa tem pago 17,1 cêntimos por ação desde 2013. A companhia justifica a decisão com o peso cada vez maior da taxa CESE sobre os seus lucros.

Cristina Bernardo

A REN anunciou hoje que vai colocar um limite mínimo anual no pagamento dos seus dividendos: 15,4 cêntimos de euro por ação entre 2021 e 2024. Desde 2013 que a empresa tem pago 17,1 cêntimos por ação.

A companhia destaca que os lucros da empresa estão “cada vez mais pressionados” pela Contribuição Extraordinária sobre o Sector Energético (CESE)

“De forma a remover incerteza e gerir risco, a REN decidiu rever a sua política de dividendos entre 2021 e 2024”, segundo a apresentação divulgada pela empresa esta sexta-feira, 14 de maio.

A empresa destaca que o dividendo tem se mantido estável desde 2013 e que se situa acima do dividendo pago pelos seus pares, em média, desde 2015. O payout atinge os 30% do cash flow desde 2015, “abaixo da média dos pares”.

A companhia também anunciou que vai instituir um pagamento bi-anual do dividendo a partir do final de 2022. Uma parte do dividendo é pago no próprio ano do exercício em questão, com o restante valor a ser pago no ano seguinte.

“No final de 2022 é feito um pagamento. Em outubro ou novembro” pode ser pago 40% a 45% do dividendo e o restante do dividendo é pago no ano seguinte”, explicou o administrador financeiro da empresa, Gonçalo Morais Soares.

Relacionadas

REN coloca limite mínimo anual nos dividendos:15,4 cêntimos

A empresa tem pago 17,1 cêntimos por ação desde 2013. A companhia justifica a decisão com o peso cada vez maior da taxa CESE sobre os seus lucros.
Recomendadas

PRR serve “quem já está à mesa do Orçamento”, diz Viriato Soromenho-Marques

De acordo com o professor na Universidade de Lisboa, o Plano de Recuperação e Resiliência privilegia os grandes grupos económicos: “Essas pessoas não precisam de nenhum partido, já lá está o partido que lhes serve os interesses, já está instalado”.

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.
Comentários