Fed reage novamente ao coronavírus e corta taxa de juro em 100 pontos base, para intervalo entre 0% e 0,25%

Trata-se do segundo corte na ‘federal funds rate’ anunciado pelo banco central liderado por Jerome Powell este mês. “Os efeitos do coronavírus irão pesar na atividade económica a curto prazo e apresenta riscos ao outlook económico”, explicou a Fed. Há também mais compra de títulos, medidas para a banca e coordenação com outros bancos centrais. 

A Reserva Federal (Fed) cortou a taxa de juro diretora em 100 pontos para um intervalo entre 0% e 0,25%, anunciou este domingo o banco central dos Estados Unidos. É o segundo corte da federal funds rate em menos de um mês, após uma redução de 50 pontos base para 1%-1,25% anunciada no dia 3, como resposta ao risco económico apresentado pela propagação global do surto do coronavírus.

“Os efeitos do coronavírus irão pesar na atividade económica a curto prazo e apresenta riscos ao outlook económico”, explicou a Fed, em comunicado emitido após uma reunião do Federal Open Market Committee (FOMC). O presidente da Fed explicou, mais tarde em conferência de imprensa, que a reunião de domingo substitiu a que estava agenda para terça-feira e quarta-feira.

“À luz destes desenvolvimentos, o FOMC decidiu baixar o intervalo para a meta da federal funds rate para entre 0% e 0,25%”, adiantou. “O Comité´espera manter este intervalo alvo até estar confiante que a economia já aguentou os eventos recente e que está a caminho de atingir os objetivos de emprego pleno e estabilidade de preços”.

A decisão teve o voto favorável de nove membros do comité. Loretta J. Mester votou contra a decisão, mas explicou que está a favor de todas as ações tomadas para promover o funcionamento suave dos mercados e o fluxo de crédito para as famílias e empresas, mas preferia reduzir o intervalo alvo da taxa de juro para 0,5% a 0,75%.

Segundo a instituição liderada por Jerome Powell, a decisão irá ajudar a apoiar a atividade económica, condições sólidas no mercado de trabalho e o regresso da inflação ao objetivo simétrico de 2%.

O Comité disse que vai  continuar a monitorizar as implicações das informações recebidas para as perspectivas econmicas, incluindo informações relacionadas à saúde pública, bem como os desenvolvimentos globais e as discretas pressões inflacionárias, e usará suas ferramentas e atuará conforme apropriado para apoiar a economia.

Todas as ferramentas

A Fed adiantou que está preparada para usar toda a sua gama de ferramentas para apoiar o fluxo de crédito para famílias e empresas e, assim, promover suas metas máximas de emprego e estabilidade de preços.

Para apoiar o bom funcionamento dos mercados de títulos do Tesouro e de dívida hipotecária que são centrais no fluxo de crédito para famílias e empresas, nos próximos meses, o Comité vai aumentar a compra de de títulos do Tesouro em pelo menos 500 mil milhões de dólares e de dívide hipotecária em pelo menos 200 mil milhões.

O Comité também vai reinvestirá todos os pagamentos principais das reservas da Fedem títulos e valores mobiliários lastreados em hipotecas de agências em títulos lastreados em hipotecas de agências. Além disso, o Open Market Desk recentemente expandiu suas operações de acordos de recompra overnight e de prazo. O Comitê continuará monitorando de perto as condições do mercado e está preparado para ajustar seus planos conforme apropriado.

Num conjunto de ações relacionadas para apoiar as necessidades de crédito de famílias e empresas, a Fed Federal Reserve anunciou medidas relacionadas à janela de desconto, crédito intradiário, buffers de capital e liquidez bancária, exigências de reservas e – em coordenação com outros bancos centrais – os acordos sobre acordos de linhas de swap de liquidez do dólar americano.

Trump feliz, mas futuros caem

A propogação do Covid-19 a nível mundial, com o aumento do número de casos e mortes, levaram vários países a tomar medidas de contenção, com muitos países na Europa a recomendaram às populações para ficarem em casa e o os Estados Unidos a suspenderem a chegada de vôos do continente europeu. O impacto económico, atual e futuro, das medidas levou a quedas fortes nos mercados. Em Wall Street, os principais índices caíram entre 0s 8,17% e os 10,36% na semana passada, enquanto na Europa os tombos em várias praças foram na ordem dos 15% a 20%.

Este domingo, o presidente americano Donald Trump, que tem pressionado a Fed a cortar a taxa de juros, mostrou-se agradado com a ação do banco central.

“Isso faz me muito feliz”, disse, numa conferência de imprensa em Washington. “Quero congratular a Reserva Federal… Fizeram isso num passo… Creio que as pessoas nos mercados vão ficar muito entusiasmadas”.

A reação inicial do mercado não foi, no entanto, uma de entusiasmo. Os futuros dos três principais índices bolsistas em Wall Street caíram mais de 4,50% logo a seguir ao anúncio da Fed, enquanto o dólar norte-americano depreciou-se face a todas as principais moedas.

[Atualizada às 23h42]

Relacionadas

Seis bancos centrais em ação coordenada para injetar liquidez no sistema financeiro mundial

A Fed, o BCE e os bancos centrais do Canadá, de Inglaterra, Suíça e do Japão concordaram em tornar mais barata as linhas de crédito em dólares e aceitaram alongar a maturidade destas operações para injetar mais liquidez no sistema financeiro global e, com isso, aliviar as dificuldades de financiamento das famílias e das empresas.

PremiumBCE adota pacote de estímulo em dia de quedas históricas

Banco Central Europeu anunciou um envelope adicional de compra de ativos líquidos e dinheiro mais barato para a banca.

BCE corta projeções de crescimento da economia da zona euro para 0,8% este ano

Christine Lagarde anunciou esta quinta-feira que o banco central está a levar em conta o impacto potencial do coronavíus.
Recomendadas

Portugal é o 13º país da UE que maior percentagem de gastos públicos dedica a I&D

A investigação e desenvolvimento sofreu no último ano, com o valor total investido pelos governos europeus a cair em relação a 2019, apesar do peso no PIB da UE até ter crescido, dada a queda deste indicador.

Hélder Rosalino destaca projeto do Eurosistema para a emissão da moeda digital do banco central como desafio para novo mandato

O administrador do Banco de Portugal diz que “para ter capacidade de influenciar o desenho do chamado Euro digital e capacidade de apoiar o sistema financeiro nacional caso o projeto avance, o banco terá de participar ativamente na fase de investigação, que decorrerá até 2023, e na fase da implementação, operacionalizando a infraestrutura que vier a ser disponibilizada”.

Reposição do princípio de avaliação mais favorável nas juntas médicas entra amanhã em vigor

Clarificação surge depois de partidos terem reclamado aplicação do princípio da avaliação mais favorável nas juntas médicas, pelo que no caso de reavaliação numa mesma patologia clínica se mantenha a decisão mais favorável para o doente. Regra entra em vigor a partir desta terça-feira, 30 de novembro, depois de milhares de pessoas com doenças incapacitantes estarem a perder o acesso ao atestado multiusos, a apoios sociais e fiscais, porque o princípio da avaliação mais favorável não estava a ser cumprido e deixou de existir após um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.
Comentários