Reserva Federal vai abrandar redução do balanço a partir de maio

O Federal Open Market Committee (FOMC) anunciou, no final da reunião de dois dias esta quarta-feira, que pretende “abrandar a redução do seu ‘stock’ de ativos do Tesouro ao reduzir o limite das amortizações mensais do atual nível de 30 mil milhões de dólares para 15 mil milhões a partir de maio de 2019”.

Kevin Lamarque/Reuters

A Reserva Federal dos Estados Unidos anunciou esta quarta-feira que vai abrandar o ritmo de redução do balanço, ou seja do valor de obrigações soberanas que detém, visando assegurar uma transição suave para um nível de reservas no longo prazo que seja consistente com a implementação eficiente e eficaz da política monetária.

O Federal Open Market Committee (FOMC) anunciou, no final da reunião de dois dias esta quarta-feira que pretende “abrandar a redução do seu stock de ativos do Tesouro ao reduzir o limite das amortizações mensais do atual nível de 30 mil milhões de dólares para 15 mil milhões a partir de maio de 2019″.

O comité explicou que este abrandamento nos próximos trimestres será implementado apenas se as condições na economia e nos mercados monetários evoluirem da forma esperada.

[Em atualização]

Relacionadas

‘Dot plot’: Mais de dois terços dos membros da Fed não vêem mais subidas nos juros este ano

De acordo com o ‘dot plot’, diagrama que ilustra o nível em que os membros vêem essa taxa no final do ano, 11 dos 16 decisores acredita que a ‘federal funds rate’ irá continuar no intervalo dos 2,25% a 2,50% até 2020.

Fed menos otimista, vê a economia norte-americana a crescer 2,1%

Numa nota publicada esta quarta-feira, após o fim da reunião de dois dias do Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC), a instituição liderada por Jerome Powell, revê em baixo o crescimento do PIB norte-americano.

Reserva Federal joga paciência e mantém a taxa de juro inalterada

Banco central norte-americano manteve a ‘federal funds rate’ fixada num intervalo entre 2,25% e 2,50%.
Recomendadas

Partidos gastam quase 5 milhões de euros com as eleições europeias

Trata-se de um aumento de mais de 500 mil euros face aos 16 partidos e coligações que se apresentaram na corrida em 2014

CFP vai ao parlamento falar sobre Programa de Estabilidade 2019-2023

Nazaré Costa Cabral vai esta terça-feira à Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa falar sobre o Programa de Estabilidade 2019-2023, que o Governo apresentou em 15 de abril.

Portugueses estão a pedir mais empréstimos para pagar contas. Pedem em média 2.239 euros

Para pagar as suas contas, os portugueses estão a aumentar os empréstimos. Nos últimos seis meses pediram 2.239 euros, mais 400 euros face ao período homólogo. Estudo da Intrum conclui, tal como o Banco de Portugal, que o aumento foi suportado pelo crescimento dos créditos pessoais sem fins específicos.
Comentários