Responsáveis pelo Zmar garantem que irão “fazer valer os direitos colocados em crise” pela requisição civil

A atual administração do espaço afirma que os trabalhadores se encontram preocupados por temerem que a requisição, ao adiar indefinidamente a reabertura estipulada para 28 de maio, leve inevitavelmente a uma insolvência.

A administração da massa insolvente da Multiparques, a sociedade responsável pelo parque de campismo Zmar, afirma que irá “fazer valer os direitos colocados em crise” pela requisição civil e fala de preocupações entre os seus trabalhadores, dada a elevada possibilidade de insolvência.

A sociedade revela que os trabalhadores do parque temem que a requisição civil deste espaço para o acolhimento e isolamento dos trabalhadores migrantes da região de Odemira torne “irremediável” a liquidação da empresa, que estimava a reabertura do espaço para dia 28 de maio.

Em comunicado divulgado esta terça-feira, a administração do parque de campismo relembra que estão em perigo mais de 100 postos de trabalho, caso a empresa tenha mesmo de avançar com a insolvência, um cenário que se afigura como inevitável porque, argumentam, “não há previsão de quanto tempo o espaço será objeto da requisição civil”.

A sociedade sublinha que o plano de recuperação da empresa previa a reabertura do empreendimento turístico no final deste mês, a dia 28, situação que levaria os trabalhadores a regressarem aos seus postos dia 3 de maio, esta segunda-feira. No entanto, a decisão do Governo de requisitar o espaço para o alojamento temporário em isolamento de migrantes em situações de risco pandémico acarreta um “grande desânimo” para estes trabalhadores, já que impede a “normal atividade turística do resort”.

“O alojamento de cidadãos (sejam eles infetados, isolamentos profiláticos ou acolhimentos provisórios) dentro das instalações do Zmar, torna incompatível a normal utilização dos proprietários de casas no Zmar e com a normal atividade turística do resort, pelo que neste momento, a administração da Massa Insolvente em articulação com os proprietários, não prescinde de, na sede própria, fazer valer os direitos colocados em crise pela referida requisição civil”, conclui o comunicado.

Recorde-se que Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, se deslocou à região esta terça-feira, onde reforçou que a requisição civil se manterá e que o parque de campismo poderá albergar “entre 90 a 120 pessoas” que não possuam condições para cumprir um período de isolamento profilático.

“Estamos a falar de um parque de campismo em situação de insolvência em que o Estado é, alias, o maior credor. É num quadro que está disponível, de uma unidade que está encerrada na sua atividade”, afirmou o ministro.

Ler mais
Relacionadas

Eduardo Cabrita sobre Zmar: “Estamos a falar de um parque de campismo em situação de insolvência em que o Estado é o maior credor”

O ministro rejeita a possibilidade de as autoridades usarem casas privadas e aproveitou para responder ao bastonário da Ordem dos Advogados: “O primeiro direito humano é o direito à saúde. Espero que o trabalho com direitos e o trabalho com migrantes também sejam uma preocupação da Ordem dos Advogados”.

Requisição de casas privadas do Zmar viola a Constituição, defende Ordem dos Advogados

“A Constituição protege o domicílio, seja ele qual for”, argumentou o bastonário, reafirmando: “O que nós temos é um despacho do Governo. Não temos nenhuma ordem judicial”.
Recomendadas

Groundforce avisa que pagamento dos salários de maio está em risco com pedido de insolvência pela TAP

O acionista maioritário alerta que o pedido de insolvência também “vai dificultar a operação de venda que se encontra em curso com diversos players internacionais do setor”. Pedro Nuno Santos é ouvido hoje no Parlamento sobre a situação na empresa com 2.400 trabalhadores.

RTP “precisa de reforço” do financiamento para cumprir completamente novo contrato

“Não há qualquer dúvida que para cumprir completamente aquilo que vai estar disposto no futuro contrato de concessão, a RTP precisa de um reforço do seu financiamento e de um reforço orçamental”, reiterou Nuno Artur Silva.

Receitas totais da Vodafone sobem 0,3% no ano fiscal 2020/2021 para 1.084 milhões de euros

“Os resultados alcançados neste trimestre foram também impulsionados pelo desempenho consistente do negócio fixo, com os clientes de banda larga a atingirem 814 mil (+9,6% em termos homólogos) e os clientes de televisão a totalizarem 749 mil (+10,3% homólogos)”, adianta.
Comentários