Respostas Rápidas: O que provocou o apagão que deixou a Venezuela às ‘escuras’?

O país rico em petróleo e que enfrenta uma crise política foi atingido por um corte de energia devastador na quinta-feira passada e partes da capital e outras cidades ainda estão afetadas.

Carlos Garcia Rawlins/Reuters

Com 90% do país às escuras por mais de 20 horas, a Venezuela enfrentou aquilo que o ”Wall Street Journal” chama “a maior falha geral de eletricidade na história do país”.

Na passada quinta-feira, este o país rico em petróleo deparou-se com um apagão que afetou pelo menos 18 dos 23 estados. O corte de energia teve graves consequências, entre as quais o facto dos hospitais terem de encontrar alternativas para manter equipamentos vitais operacionais. Segundo os líderes da oposição, o ‘blackout’ resultou em 26 vítimas mortais – seis delas bebés.

Na terça-feira, o ministro de Informação, Jorge Rodríguez, disse que a eletricidade havia sido restaurada em “grande maioria” do país, mas zonas da capital e outras cidades continuam ainda hoje sem energia.

O que causou o apagão?

Depende a quem perguntar. O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, acusa os EUA de colaborarem numa conspiração “demoníaca” para retirá-lo do poder que está a prejudicar o sistema elétrico do país com um “ataque electromagnético” imperialista. Maduro diz que o Pentágono e o Comando Sul dos EUA planearam um “ciberataque contra os sistemas elétricos, de telecomunicações e internet”.

O governo venezuelano também pediu ao Supremo Tribunal para que fosse aberta uma investigação sobre o líder da oposição Juan Guaidó por envolvimento na ”sabotagem” da rede elétrica nacional.

Contudo, analistas e engenheiros dão uma explicação mais precisa: o corte de energia é o resultado de anos de subinvestimento numa rede que foi mal administrada, negligenciada e colocada nas mãos de soldados, e não de técnicos qualificados.

Como em muitas outras instituições, os altos cargos da Corpoelec, a empresa que fornece energia a nível estatal, foram preenchidos com membros do governos enquanto que os técnicos e engenheiros juntaram-se aos 3 milhões que abadonaram o país nos últimos meses.

De onde vem a energia da Venezuela?

Antes da descoberta das maiores reservas de petróleo do mundo, a Venezuela estabeleceu uma rede nacional construída em energia hidrelétrica e termoeléctrica. Hoje, a central hidrelétrica da barragem de Guri, no leste da Venezuela, fornece cerca de 80% da eletricidade do país.

Especialistas acreditam que a falha em gerir adequadamente a rede elétrica pode ter causado um incêndio que destruiu uma das enormes linhas que transportam energia da barragem de Guri até Caracas.

O ”The Guardian” cita Rodrigo Linares, um engenheiro mecânico e escritor para o site Caracas Chronicles, que explica que a falha ocorreu numa das principais linhas de transmissão elétrica entre as subestações de San Gerónimo B e Malena. Quando essa linha de 765 quilovolts caiu, as outras duas sofreram uma sobrecarga e também falharam.

Quando é que foi a última vez que a Venezuela sofreu um apagão?

Novas construções em centrais termoeléctricas e outras centrais hidroeléctricas estão paralisadas há anos, e cortes de energia ocorrem diariamente na Venezuela.

Em 2010, o antecessor de Maduro, Hugo Chávez, declarou uma “emergência de eletricidade” depois de uma seca causada pelo fenómeno climático El Niño que deixou o nível das águas das barragens perigosamente baixas.

Seis anos depois, a pior seca da Venezuela em quatro décadas afetou novamente a barragem de Guri, que então fornecia cerca de 70% da eletricidade do país.

Em maio do ano passado, um líder sindical que representa os trabalhadores nas empresas de energia estatal foi preso pelo Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (SEBIN) depois de alertar para os  problemas de manutenção que poderiam resultar num novo apagão.

Será uma possível sabotagem por parte dos EUA o cenário mais provável?

A administração de Maduro está convencida que sim.

Os EUA têm uma longa e brutal história de operações secretas na América Latina, levando os simpatizantes de Maduro a relembrar do apagão que interrompeu uma transmissão do presidente chileno Salvador Allende pouco antes do seu governo socialista ser derrubado em 1973 .

Um ano depois, o diretor da CIA admitiu ao Congresso que o governo de Richard Nixon havia autorizado mais de 8 milhões de dólares para financiar atividades destinadas a desestabilizar o governo de Allende.

O que acontece agora com o sistema elétrico da Venezuela?

Mesmo que a energia volte, a rede de eletricidade da Venezuela terá enfraquecido substancialmente depois deste apagão.

Rodrigo Linares descreve o estado atual da infraestrutura energética no país como “miserável; a maioria das pessoas qualificadas abandonou o país”.

Citada pelo jornal britânico, Miguel Lara, ex-chefe da agência estatal responsável pelo sistema elétrico, concorda. “O fornecimento de eletricidade para os venezuelanos será pior do que era antes”, disse ele. “E já não era bom antes. Não havia dúvida de que tudo isto era previsível. É por isso que as pessoas foram embora – viram que não havia vontade em resolver as falhas. Só será mais difícil daqui para frente”, rematou.

 

 

Ler mais
Recomendadas

Imposto estatal de 7 mil milhões de dólares coloca futuro da Samsung em risco

Família fundadora da Samsung corre o sério risco de perder o seu controlo em breve.

Depois da Huawei, Trump quer parar negócios da chinesa Hikvision

Mais uma empresa chinesa entra para a lista negra da Casa Branca – que não admite ter uma. A Hikvision é especialista em equipamentos de vigilância e 42% do seu capital social está nas mãos do Estado.

Coreia do Norte critica “retórica difamatória” de Joe Biden

A propaganda norte-coreana criticou esta quarta-feira a “retórica difamatória” do antigo vice-presidente norte-americano contra o líder norte-coreano e prometeu represálias contra todos que “ousam provocar” Kim Jong-un.
Comentários