Respostas Rápidas: Porque é que os EUA transferiram a embaixada israelita para Jerusalém?

O dia em que os Estados Unidos abriram a nova embaixada norte-americana em Israel, transferindo-a de Telavive para Jerusalém, hoje, é também o dia em que mais palestinianos foram mortos em confrontos com as tropas israelitas desde a guerra de 2014. Não é uma coincidência.

Porque é que os Estados Unidos transferiram a embaixada?

Para mostrarem ao mundo que apoiam a ocupação dos territórios palestinianos do Médio Oriente por parte de Israel. E não é apenas Jerusalém – cuja parte ocidental foi ocupada por Israel em 1967, na sequência da chamada Guerra dos Seis Dias – mas parte substancial do território que chegou a ser da Palestina.

 

Quem mais apoia esta transferência?

Muito poucos países, como ficou provado na votação que aconteceu nas Nações Unidas em dezembro passado, durante a qual 128 países deixaram claro que não apoiavam a decisão de Donald Trump, presidente dos Estados Unidos. Mas hoje mesmo essa reprovação planetária – a que se juntou o Vaticano – ficou mais uma vez evidenciada pelo facto de menos de metade das representações diplomáticas de 87 países convidados para assistirem terem aceitado o convite. A Europa recusou quase em bloco (Portugal incluído), com a exceção da República Checa, Áustria, Roménia e Hungria. Nem a própria Arábia Saudita, um dos países que tem apoiado os Estados Unidos de forma mais evidente, conseguiu colocar-se ao seu lado na questão da embaixada.

 

Que consequência vai ter a transferência?

Desde logo, o aumento da tenção na região. Hoje mesmo, e até agora, já morreram 37 palestinianos em confrontos com a polícia israelita, naquele que é já o dia mais sangrento desde 2014, segundo as agências internacionais. A recusa da Palestina em aceitar a imposição de Jerusalém como capital política de Israel vai manter-se, de onde se depreende com facilidade que o ambiente de tensão, os recontros violentos e as mortes vão continuar. A decisão de Trump bloqueia, por outro lado, as negociações para a paz – em que Israel nunca se empenhou verdadeiramente – pelo que o maior foco de tensão do Médio Oriente vai tender a eternizar-se.

 

As potências regionais vão aceitar?

Dificilmente. Ainda hoje, o presidente da Turquia, Recep Erdogan, disse publicamente que passaria a compreender Jerusalém Oriental como a capital do Estado da Palestina. Por aqui se percebe que a tensão na região, nomeadamente na Síria – onde forças israelitas e iranianas se têm defrontado – vai continuar a crescer. Mais difícil é compreender o alcance dos repetidos apelos à sublevação da parte de uma série de grupos que apoiam os palestinianos. Mas tudo indica que uma nova intifada pode estar a caminho.

Ler mais
Recomendadas

As hipóteses de um acordo para o Brexit não são maiores do que 50%, apontam fontes do governo britânico

A indefinição em relação a alguns pontos chave, neste caso, a política de pescas, questões concorrenciais e resolução de disputas tem arrastado o processo, que agora levará os líderes de cada lada a dialogarem diretamente.

Trump volta aos comícios este sábado para fazer campanha por republicanos na Georgia

As recorrentes e infundadas alegações de fraude eleitoral e os ataques a quem, dentro do Partido Republicano, se tem recusado a alinhar com a teoria podem causar danos junto do eleitorado, quando se aproximam duas eleições decisivas na Georgia para o controlo do Senado. Governador e Secretário de Estado do ‘Peach State’ foram dois dos visados por Trump.

Bruxelas espera avanços nos salários mínimos e aponta Portugal como exemplo

O comissário europeu do Emprego, Nicolas Schmit, diz esperar um acordo ou, pelo menos, “bastante progresso” relativamente à proposta comunitária que visa garantir salários mínimos adequados em todos os Estados-membros da União Europeia (UE) e dá Portugal como exemplo.
Comentários