Respostas Rápidas. Como funcionam as gravações de conversas entre investidores e bancos?

A entrada em vigor da revisão da Diretiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF II) trouxe, esta quarta-feira, novas regras. Perceba quando e porque podem ou não ser gravadas comunicações dos intermediários financeiros e quando é que o cliente as pode pedir.

Paulo Whitaker/Reuters

A revisão da Diretiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF II) entrou, esta quarta-feira, em vigor em Portugal e trouxe regras mais apertadas para a comercialização de produtos financeiros. A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) lançou uma série de respostas sobre as mudanças, incluindo no que diz respeito à gravação de comunicações entre intermediários financeiros e investidores.

As conversas telefónicas relevantes e as comunicações eletrónicas têm que ser gravadas do início ao fim?

Sim. As regras da DMIF II exigem a completude da gravação das conversas telefónicas e comunicações eletrónicas. “Só com a gravação completa se poderá perceber se a conversa originou, efetivamente, uma transação”, explica a CMVM.

Que tipo de comunicações eletrónicas têm de ser gravadas?

Qualquer conversa telefónica ou comunicação eletrónica que possa resultar em transações – incluindo a receção, transmissão e/ou execução de ordens de clientes – estão englobadas nas regras de gravação, ainda que dessas conversas ou comunicações não resultem transações nem a prestação de serviços relativos a ordens de clientes. Comunicações eletrónicas envolvem videoconferências, fax, e-mail, SMS, chat, mensagens instantâneas e trocas de informação via aplicações de telemóveis.

O intermediário financeiro pode gravar comunicações com o cliente sem o avisar previamente dessa circunstância?

“Não. No caso de serviços de receção, transmissão e execução de ordens de clientes, o intermediário financeiro não pode prestar serviços de investimento ou exercer atividades de investimento por telefone a clientes que não tenham sido previamente informados do registo ou gravação das suas comunicações telefónicas”, refere o regulador dos mercados.

O investidor pode ter acesso às gravações de comunicações?  

O cliente pode solicitar as gravações de comunicações com o intermediário financeiro. Esta obrigatoriedade estende-se às conversas internas tidas entre colaboradores ou entidades contratadas que estejam relacionadas com a ordem do cliente.

Os intermediários financeiros podem cobrar pela requisição das gravações?

“A Diretiva é omissa quanto à cobrança de comissões (ou outros custos) nos casos em que os clientes solicitem o acesso às gravações das conversas telefónicas e comunicações eletrónicas com o seu intermediário financeiro. A ESMA considera, ainda assim, que caso o intermediário imponha um custo, este deve ser razoável e não impeditivo do cliente requerer tal informação”, esclarece a CMVM.

Ler mais
Relacionadas

Respostas Rápidas. Quais os novos direitos dos investidores?

A transposição da revisão da diretiva europeia dos mercados financeiros para a lei portuguesa entra esta quarta-feira em vigor. Veja aqui as respostas da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) às dúvidas mais frequentes.
Recomendadas

Cinco ‘rooftops’ perfeitos para fechar um negócio

Se quer fugir às tradicionais salas de reuniões e procura um ambiente diferente para a reta final de uma negociação, o JE sugere-lhe sete espaços que o vão ajudar a descontrair e promover o (tão aguardado) aperto de mãos.

Como converter um PDF num ficheiro Word com imagens?

Se necessitar de converter um ficheiro PDF num ficheiro de imagem e estiver a utilizar um Mac, basta abrir o PDF no ‘Preview’ e depois aceder a ‘Ficheiro’, ‘exportar’, escolher o formato de imagem que lhe convier e gravar.

Dividendos: o rendimento passivo pode fazer a diferença no final do mês

Saiba como gerar rendimentos regulares num lógica de longo prazo também através do investimento em ações.
Comentários