Restaurantes e hotéis levam inflação a cair para -0,3% em julho

Esta percentagem representa uma taxa de variação homóloga inferior em 0,7 pontos percentuais em relação ao mês anterior, confirmou esta segunda-feira o INE. Evolução deve-se em grande parte ao contributo da variação negativa dos preços dos setores dos restaurantes e hotéis.

Portugal registou uma queda na inflação para -0,3% em julho, uma taxa inferior em 0,7 pontos percentuais (p.p.) face à verificada no mês anterior, de acordo com os dados do Índice de Preços no Consumidor (IPC), confirmados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira.

Uma evolução que se deve em grande parte ao contributo da variação negativa dos preços dos setores dos restaurantes e hotéis, tal como havia sido referido na estimativa rápida publicada a 31 de julho. Também as reduções dos preços verificadas nas áreas do vestuário e calçado, derivado  de uma maior intensidade nas promoções de final de época e a alteração da taxa do IVA aplicada ao termo fixo das tarifas de eletricidade e gás natural, foram fatores decisivos para a diminuição desta taxa.

Em termos de variação mensal do IPC foi -1,3% (nula no mês precedente e -0,6% em julho de 2018), sendo que a variação média dos últimos doze meses foi de 0,7%, uma taxa inferior em 0,2 p.p. da registada no mês anterior.

Por sua vez, o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou uma variação homóloga de -0,7%, verificado pelo maior peso relativo dos restaurantes e hotéis, sendo esta uma taxa inferior em 1,4 p.p. à de junho e em 1,8 p.p. do estimado pelo Eurostat para a zona euro, que no mês anterior, havia sido de 0,6 p.p..

O IHPC verificou ainda uma variação mensal de -1,7% (0,4% no mês anterior e -0,4% em julho de 2018) e uma variação média dos últimos doze meses de 0,7%, um valor inferior em 0,3 p.p. ao que havia sido registado no mês de junho.

Recomendadas

Governo duplica apoio do programa Apoiar para bares e discotecas

O programa Apoiar foi prolongado na mais recente portaria até 31 de dezembro de 2021. Em caso de quebra na faturação for de 25 a 50% o limite máximo é majorado em 27.500 euros para microempresas e em 67.500 para pequenas e médias empresas.

“Vamos a isto!”. João Leão garante que Governo está motivado para executar PRR “de forma célere” (com áudio)

Após a chegada do primeiro cheque de 2,2 mil milhões a Portugal, o ministro das Finanças garante que o Governo vai executar o PRR “de forma célere”, sublinhando que o plano “dará um relevante contributo para melhorar a vida de todos e de cada um dos portugueses”.

PRR: Portugal já recebeu 2,2 mil milhões de euros dos fundos europeus (com áudio)

O primeiro “cheque” da Comissão Europeia no valor de 2,2 mil milhões de euros para o Plano de Recuperação e Resiliência chegou hoje a Portugal. O país deverá receber, no total, 16,6 mil milhões de euros ao longo do período de vigência do seu plano.
Comentários