Restaurantes e hotéis levam inflação a cair para -0,3% em julho

Esta percentagem representa uma taxa de variação homóloga inferior em 0,7 pontos percentuais em relação ao mês anterior, confirmou esta segunda-feira o INE. Evolução deve-se em grande parte ao contributo da variação negativa dos preços dos setores dos restaurantes e hotéis.

Portugal registou uma queda na inflação para -0,3% em julho, uma taxa inferior em 0,7 pontos percentuais (p.p.) face à verificada no mês anterior, de acordo com os dados do Índice de Preços no Consumidor (IPC), confirmados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira.

Uma evolução que se deve em grande parte ao contributo da variação negativa dos preços dos setores dos restaurantes e hotéis, tal como havia sido referido na estimativa rápida publicada a 31 de julho. Também as reduções dos preços verificadas nas áreas do vestuário e calçado, derivado  de uma maior intensidade nas promoções de final de época e a alteração da taxa do IVA aplicada ao termo fixo das tarifas de eletricidade e gás natural, foram fatores decisivos para a diminuição desta taxa.

Em termos de variação mensal do IPC foi -1,3% (nula no mês precedente e -0,6% em julho de 2018), sendo que a variação média dos últimos doze meses foi de 0,7%, uma taxa inferior em 0,2 p.p. da registada no mês anterior.

Por sua vez, o Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português registou uma variação homóloga de -0,7%, verificado pelo maior peso relativo dos restaurantes e hotéis, sendo esta uma taxa inferior em 1,4 p.p. à de junho e em 1,8 p.p. do estimado pelo Eurostat para a zona euro, que no mês anterior, havia sido de 0,6 p.p..

O IHPC verificou ainda uma variação mensal de -1,7% (0,4% no mês anterior e -0,4% em julho de 2018) e uma variação média dos últimos doze meses de 0,7%, um valor inferior em 0,3 p.p. ao que havia sido registado no mês de junho.

Recomendadas

Receita fiscal sobe para 47.408 milhões de euros

Em ano de excedente orçamental, o Governo espera receber mais 1.276 milhões de euros do que em 2019. As receitas do IVA continuam a representar a principal fatia dos 26.878 milhões de euros estimados para os impostos indirectos.

Orçamento com poucas alterações

Para as famílias portuguesas, e em matéria de IRS, a Proposta de Lei do OE 2020 não contempla alterações com um impacto significativo.

Jaime Esteves: “Dedução fiscal para jovens que saem de casa dos pais tem impacto pequeno”

O fiscalista Jaime Esteves defende que o agravamento sucessivo da tributação do alojamento local é um dos problemas da política fiscal e que Portugal pode matar a ‘galinha dos ovos de ouro’ da recuperação económica.
Comentários