Revolut já é um banco em 10 novos mercados europeus

A fintech Revolut já tem licenças bancárias em países como a Bulgária, Croácia, Chipre, Estónia, Grécia, Lituânia, Malta, Roménia, Eslováquia e Eslovénia.  Em Portugal ainda não é um banco.

A fintech Revolut já tem licenças bancárias em países como a Bulgária, Croácia, Chipre, Estónia, Grécia, Lituânia, Malta, Roménia, Eslováquia e Eslovénia.  Em Portugal ainda não é um banco.

Questionada a Revolut sobre um eventual pedido ao regulador para passar a banco em Portugal a empresa financeira respondeu que “temos a ambição de nos tornar um banco global e atualmente estamos focados em alavancar a nossa licença bancária especializada na Lituânia para expandir as operações bancárias em toda a Europa. Recentemente, formalizamos o pedido para uma licença bancária no Reino Unido e estamos a considerar outras aplicações no futuro.”

A plataforma financeira global com cinco anos de existência e com mais de 15 milhões de clientes em todo o mundo, anunciou que “operacionalizou a sua licença bancária em 10 novos mercados Europeus. Os clientes da Bulgária, Croácia, Chipre, Estónia, Grécia, Lituânia, Malta, Roménia, Eslováquia e Eslovénia que ao fazerem agora a migração para o banco Revolut passam a estar abrangidos pelo Fundo de Garantia de Depósitos desses países.

A fintech sediada no Reino Unido, diz que “está confiante de que as contas de depósito, juntamente com a ampla gama de produtos e serviços da Revolut, oferecem aos clientes maior controlo, valor e segurança do que os bancos tradicionais!.

“A Revolut é agora a fintech de crescimento mais acelerado na Europa e isso deve-se ao facto de colocarmos o cliente no centro de tudo o que fazemos. O nosso design de produto é incomparável, não temos taxas ocultas e criamos, permanentemente, inovadores produtos financeiros”, disse Virgilijus Mirkės, CEO do Banco Revolut, em comunicado.

“O lançamento do Banco Revolut em dez novos mercados europeus irá oferecer um maior nível de segurança e confiança aos nossos clientes e permite-nos lançar uma série de novos produtos e serviços num futuro próximo”, acrescenta ainda Virgilijus Mirkės.

Até à data, o Revolut Group angariou quase mil milhões de dólares em investimento e, mais recentemente, foi avaliado em 5,5 mil milhões de dólares, diz a fintech em comunicado.

No ano passado, “a Revolut lançou também a sua licença bancária na Polónia e Lituânia, e passou a oferecer produtos de crédito altamente competitivos em ambos os países. A licença bancária especializada permite que o Banco Revolut forneça serviços bancários limitados através da app Revolut, juntamente com uma variedade de serviços e produtos financeiros oferecidos por outras empresas do Grupo Revolut”, lê-se no comunicado.

“Ao usar a app Revolut, os clientes podem ver exatamente quanto estão a gastar todos os meses em áreas como restauração ou compras de mercearia, podem definir orçamentos de gastos mensais para essas categorias, gerir o valor máximo para as subscrições de assinaturas, enviar e pedir dinheiro a amigos instantânea e gratuitamente ou arredondar os pagamentos com o seu cartão e acumular o troco”, lembra a fintech.

Ler mais
Recomendadas

Apritel afrima que Portugal está “na liderança da descida de preços nos pacotes” de comunicações

A associação aponta que “mais uma vez o preço das comunicações desce mais em Portugal do que na Europa” e que o país está “na liderança da descida de preços nos pacotes de comunicações”, subscritos por 88% das famílias portuguesas.

Portugal respondeu a Bruxelas sobre atraso na adoção de diretiva das telecomunicações dez dias depois do prazo

A Comissão Europeia está agora a avaliar os argumentos apresentados por Portugal para explicar o atraso na adoção da diretiva europeia. Dos 24 Estados-membro alvo de um processo de infração apenas a Dinamarca concluiu a transposição. Há 15 países na mesma situação que Portugal.

Transportes ferroviários e alfândegas são os principais obstáculos ao desenvolvimento do sector logístico em Portugal

“Relativamente à utilização dos diferentes modos de transporte, continua a verificar-se uma forte dependência do transporte rodoviário, com impactos negativos ao nível da sustentabilidade ambiental”, destaca, em exclusivo ao Jornal Económico, Raul de Magalhães, presidente da Aplog, referindo-se a um das conclusões do estudo feito em parceria com a consultora KPMG.
Comentários