Rota descendente: Portugal deve pagar mínimo de sempre para emitir dívida a 10 anos

O IGCP – Agência de Gestão de Tesouraria e Dívida Pública vai realizar esta quarta-feira um leilão duplo de Obrigações do Tesouro a 10 e 15 anos, com um montante indicativo global entre mil milhões de euros e 1.250 milhões.

Portugal regressa aos mercados esta quarta-feira para se financiar até 1.250 milhões de euros com uma emissão de dívida a longo prazo, num cenário de renovação sucessiva de mínimos históricos nas taxas de juros e quando a yield a 10 anos no mercado secundário está pouco acima dos 0%.

O IGCP – Agência de Gestão de Tesouraria e Dívida Pública vai realizar um leilão duplo de Obrigações do Tesouro (OT) a 10 e 15 anos, com um montante indicativo global entre mil milhões de euros e 1.250 milhões.

Para Pedro Amorim, analista da corretora Infinox, a tendência de novos mínimos nas taxas deverá manter-se. “[Os juros a 10 anos deverão ser] mais de metade da taxa de juro na emissão em junho deste ano. A taxa de emissão deve rondar os 0,257%”, disse.

No último leilão comparável de OT a 10 anos, a 10 de julho, a agência liderada por Cristina Casalinho emitiu 753 milhões de euros, com uma taxa de alocação de 0,51%. Já no último de OT a 15 anos, a 12 de junho,  Portugal emitiu 625 milhões de euros com uma taxa de alocação de 1,052%, tendo a procura superado a oferta em 1,63 vezes.

No mercado secundário, a dívida portuguesa tem beneficiado da expectativa de novos estímulos do Banco Central Europeu (BCE), com a yield a 10 anos a tocar num novo mínimo histórico de 0,09% a 28 de agosto.

Dois dias depois, o ministro das Finanças sinalizou que os juros da dívida portuguesa a 10 anos tornaram-se mais baixos que os de Espanha durante a sessão. “É um indicador extraordinário e que temos de conseguir manter. É um indicador de credibilidade e da sustentabilidade de todo o processo económico e financeiro português”, referiu Mário Centeno, em entrevista à RTP.

Esta taxa da dívida benchmark tem subido este mês, no entanto, com vários atuais e ex-membros do Conselho de Governadores do BCE a sinalizarem que não é garantido que Mario Draghi lance esta quinta-feira um ‘pacote’ completo de estímulos que inclua um corte na taxa de depósito, o reiniciar do programa de compra líquida de ativos e medidas de mitigação para os bancos. Esta terça-feira, às 16h30 os juros da dívida a 10 anos negociavam nos 0,281%, enquanto os equivalentes de Espanha estavam nos 0,261%.

“Entramos numa altura que a diferença entre taxas é mínima e os bancos vão preferir entrar em países com melhor ‘rating’ para ter mais flexibilidade nos rácios de capital”, explicou Pedro Amorim, da Infinox. A agência de notação financeira Standard & Poor’s deverá esta sexta-feira divulgar uma avaliação do ‘rating‘ da dívida soberana portuguesa.

Ler mais
Relacionadas

Inédito: ‘Yields’ da dívida a 10 anos mais baixas do que em Espanha, diz Mário Centeno

O ministro das Finanças refere ainda, em entrevista à RTP, que mantém as metas do défice e garante que há “bons” sinais no mercado de trabalho.
Recomendadas

Leitores internacionais da Time Out não têm dúvidas: Bairro lisboeta de Arroios é o mais cool do mundo

A freguesia de Arroios, localizada na zona da Avenida Almirante Reis em Lisboa, superou bairros em Berlim, Lons Angeles, Nova Iorque, Tóquio ou Madrid.

Défice externo agrava-se para 1.633 milhões de euros até julho

O défice da balança de bens aumentou 2028 milhões de euros e o excedente da balança de serviços diminuiu 137 milhões de euros até julho, explica o Banco de Portugal.

“Universidade com 700 anos quer banir um alimento com milhares de anos? Incompreensível”. Produtores de leite revoltados com Universidade de Coimbra

A organização explica que a carne não é o principal produto das vacarias e que a venda ou engorda dos vitelos machos e das vacas após o fim da vida produtiva “é um complemento fundamental, quando o preço do leite está abaixo do custo de produção”.
Comentários