Rota descendente: Portugal deve pagar mínimo de sempre para emitir dívida a 10 anos

O IGCP – Agência de Gestão de Tesouraria e Dívida Pública vai realizar esta quarta-feira um leilão duplo de Obrigações do Tesouro a 10 e 15 anos, com um montante indicativo global entre mil milhões de euros e 1.250 milhões.

Portugal regressa aos mercados esta quarta-feira para se financiar até 1.250 milhões de euros com uma emissão de dívida a longo prazo, num cenário de renovação sucessiva de mínimos históricos nas taxas de juros e quando a yield a 10 anos no mercado secundário está pouco acima dos 0%.

O IGCP – Agência de Gestão de Tesouraria e Dívida Pública vai realizar um leilão duplo de Obrigações do Tesouro (OT) a 10 e 15 anos, com um montante indicativo global entre mil milhões de euros e 1.250 milhões.

Para Pedro Amorim, analista da corretora Infinox, a tendência de novos mínimos nas taxas deverá manter-se. “[Os juros a 10 anos deverão ser] mais de metade da taxa de juro na emissão em junho deste ano. A taxa de emissão deve rondar os 0,257%”, disse.

No último leilão comparável de OT a 10 anos, a 10 de julho, a agência liderada por Cristina Casalinho emitiu 753 milhões de euros, com uma taxa de alocação de 0,51%. Já no último de OT a 15 anos, a 12 de junho,  Portugal emitiu 625 milhões de euros com uma taxa de alocação de 1,052%, tendo a procura superado a oferta em 1,63 vezes.

No mercado secundário, a dívida portuguesa tem beneficiado da expectativa de novos estímulos do Banco Central Europeu (BCE), com a yield a 10 anos a tocar num novo mínimo histórico de 0,09% a 28 de agosto.

Dois dias depois, o ministro das Finanças sinalizou que os juros da dívida portuguesa a 10 anos tornaram-se mais baixos que os de Espanha durante a sessão. “É um indicador extraordinário e que temos de conseguir manter. É um indicador de credibilidade e da sustentabilidade de todo o processo económico e financeiro português”, referiu Mário Centeno, em entrevista à RTP.

Esta taxa da dívida benchmark tem subido este mês, no entanto, com vários atuais e ex-membros do Conselho de Governadores do BCE a sinalizarem que não é garantido que Mario Draghi lance esta quinta-feira um ‘pacote’ completo de estímulos que inclua um corte na taxa de depósito, o reiniciar do programa de compra líquida de ativos e medidas de mitigação para os bancos. Esta terça-feira, às 16h30 os juros da dívida a 10 anos negociavam nos 0,281%, enquanto os equivalentes de Espanha estavam nos 0,261%.

“Entramos numa altura que a diferença entre taxas é mínima e os bancos vão preferir entrar em países com melhor ‘rating’ para ter mais flexibilidade nos rácios de capital”, explicou Pedro Amorim, da Infinox. A agência de notação financeira Standard & Poor’s deverá esta sexta-feira divulgar uma avaliação do ‘rating‘ da dívida soberana portuguesa.

Ler mais

Relacionadas

Inédito: ‘Yields’ da dívida a 10 anos mais baixas do que em Espanha, diz Mário Centeno

O ministro das Finanças refere ainda, em entrevista à RTP, que mantém as metas do défice e garante que há “bons” sinais no mercado de trabalho.
Recomendadas

Portugueses recorrem cada vez mais ao crédito. 635 milhões em setembro

Os portugueses recorreram mais ao crédito no mês de setembro num total de 635 milhões de créditos contraídos. De acordo com uma nota publicada pelo Banco de Portugal esta sexta-feira, 15 de novembro, relativa à evolução dos novos créditos aos consumidores, os portugueses pediram um total de 295 milhões de euros em crédito pessoal, num […]
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Carlos Costa: Instabilidade financeira iria “criar muitos problemas que alimentariam” populismos

Governador do Banco de Portugal voltou a apelar a uma vontade política decisiva para avançar com a conclusão da União Bancária e o desenvolvimento da União dos Mercados de Capitais, a fim de fortalecer a estabilidade da zona euro.
Comentários