Partido de Vladimir Putin mantém maioria parlamentar. Oponentes alegam fraude

Já com 85% dos votos contados, a Comissão Eleitoral Central afirmou que o partido de Putin somava quase 50% dos votos, tendo o seu rival mais próximo, o Partido Comunista, menos de 20%. Trata-se de um desempenho ligeiramente mais fraco, uma vez que nas eleições de 2016 obteve mais de 54% dos votos.

Vladimir Putin

O partido do atual presidente russo Vladimir Putin voltou a conseguir maioria parlamentar, revela a “Reuters”, ainda que parte dos votos não tenham sido contados. Assim, a Rússia Unida mantém a maioria do parlamento, confirmando a vitória já esperada pela imprensa e pelo partido.

No entanto, o partido está a ser fortemente criticado pelos seus opositores, que alegam que existiu uma fraude generalizada nas eleições.

Ainda assim, e de acordo com a publicação, a oposição parece ter ganho algum terreno face ao Rússia Unida. Já com 85% dos votos contados, a Comissão Eleitoral Central afirmou que o partido de Putin somava quase 50% dos votos, tendo o seu rival mais próximo, o Partido Comunista, menos de 20%. Trata-se de um desempenho ligeiramente mais fraco, uma vez que nas eleições de 2016 obteve mais de 54% dos votos.

A imprensa demonstra que o oponente de Putin, o crítico Alexei Navalny, retirou algum apoio que o Rússia Unida dava como assegurado. Apesar do oponente se encontrar preso e a enfrentar alegações de corrupção, os aliados de Navalny conseguiram realizar uma campanha de votação tática.

Os críticos do Kremlin consideram que a eleição foi uma farsa, alegando fraude eleitoral em grande escala. Os oponentes apontam que os resultados do Rússia Unida deveriam ser muito piores, dada a repressão pré-eleitoral realizada pelo partido de Vladimir Putin contra os seus críticos, a imprensa e organizações não governamentais.

Para a “Reuters”, parece improvável que o cenário político sofra uma mudança, uma vez que Putin ocupa o poder desde 1999 e planeia candidatar-se às eleições presidenciais de 2024, prolongando o seu legado no país.

Atualmente, o Rússia Unida detém quase três quartos das 450 cadeiras do parlamento.

Relacionadas

Rússia: Vladimir Putin prestes a conseguir mais um resultado arrasador

Com as urnas finalmente fechadas ao cabo de três dias, a dúvida está em saber qual será a extensão do domínio de atual Presidente. Mas os resultados não deverá ser muito diferentes dos de 2018, ano em que Putin ganhou com 76%.
Recomendadas

Alemanha: novo chanceler Olaf Scholz e o seu governo tomam hoje posse

Há grandes expectativas face à atuação do executivo que resultou de uma coligação entre social-democratas, ecologistas e liberais. E não apenas internamente: mais de 15 anos depois, a Europa quer saber o que vale a esquerda germânica.

Biden ameaça Putin com “fortes sanções económicas” em caso de intervenção na Ucrânia

O presidente norte-americano, Joe Biden, “fez saber” a Vladimir Putin, em conferência virtual entre os dois líderes, que a Rússia arrisca “fortes sanções, incluindo económicas” em caso de escalada militar na Ucrânia, indicou esta terça-feira a Casa Branca.

“Brexit? Reino Unido está a incumprir claramente com coisas que assinou”, realça Francisco Seixas da Costa

“Há aqui uma tensão que tem a ver claramente com o fim do Brexit, tem a ver com a questão da liderança na Europa que nunca desapareceu nesta relação entre a França e o Reino Unido”, destacou o embaixador Francisco Seixas da Costa no programa “A Arte da Guerra”, da plataforma multimédia JE TV.
Comentários