Saiba como a Reserva Federal norte-americana tem influência na maior economia mundial

A Reserva Federal norte-americana foi criada em 1913 quando o presidente, Woodrow Wilson, promulgou o Ato da Reserva Federal. A Fed é o banco central dos EUA e as suas decisões têm impacto direto no sistema económico financeiro norte-americano. Com a globalização dos mercados, perceber como funciona o banco central que zela pela maior economia do mundo é sempre útil.

Desde 1871 que os Estados Unidos têm a maior economia mundia. Em 2017, o valor da economia norte-americana, medida pelo produto interno bruto (PIB) ascendia acima dos 19 biliões de dólares, ou seja, correspondia a acerca de 25% da economia mundial. Num mundo cada vez mais globalizado, em que as transações económicas são cada vez mais transfronteiriças, compreender o funcionamento da economia de cada Estado soberano é crucial para analisarmos os graus de risco económico em investir em determinado país – comprando títulos obrigacionais, por exemplo – para não sermos apanhados em contrapé. No melhor dos casos, até se podem encontrar oportunidades que gerem bom retorno. Essa análise tem de começar pela compreensão do sistema económico desse país, o que implica entender os bancos centrais.

Voltando ao contexto norte-americano, porque é a maior economia do mundo, a primeira coisa a saber é que o banco central dos EUA se chama Reserva Federal norte-americana, também conhecida por “Fed” (diminutivo amerinano para se referir a “The Federal Reserve”). Mas como é que a atuação da “Fed” influencia a economia norte-americana?

Objetivos e atuação da Fed

A Reserva Federal norte-americana tem quatro grandes objectivos, como explica o BiG – Banco de Investimento Global. A “Fed” define a política monetária económica dos EUA , regula e monitoriza as instituições financeiras  e promove a estabilidade do sistema financeiro , assegurar a segurança e eficiência de pagamentos e, claro, garantir a proteção dos consumidores e o desenvolvimento da comunidade.

Por sua vez, a política monetária da “Fed” é para alcançar três objetivos. Contribuir positivamente para o crescimento do emprego, isto é, maximizar a empregabilidade; controlar a inflação, ou seja, assegurar a estabilidade dos preços; e regular a circulação do dinheiro na economia, zelando pelas taxas de juro.

Para realizar estes três objetivos, a Reserva Federal dispõe de três instrumentos. A Fed Funds Rateisto é, definir as taxas de juro aplicadas aos empréstimos de reservas entre bancos. “Ao controlar esta variável, a Fed consegue ter influencia sobre praticamente todas as outras taxas de juro praticadas pelos bancos junto da economia americana”, explica o BiG. A “Fed” também aplica uma taxa de desconto, isto é, a taxa de juro que os bancos têm de pagar quando se financiam junto da Reserva Federal. E, a definição dos requisitos de reserva, ou seja, como diz o BiG, é “a parcela dos depósitos recebidos que os bancos são obrigados a manter como reserva”.

Impacto da Fed na economia norte-americana

Recorrendo aos três instrumentos para alcançar os objetivos da política monetária, a Fed tem influência direta na economia norte-americana. Desde logo, ao nível das taxas de juros, isto é, o preço a pagar por um empréstimo, e também ao nível da liquidez dos mercados, isto é, dinheiro disponível a circular. Por seu turno, estes impactos  reflectem-se nos mercados valores mobiliários, como os mercados acionistas e obrigacionistas, e, claro, na economia real.

Assim, por exemplo, num contexto de política monetário expansionsista, em que a Fed utiliza os seus instrumentos para estimular a economia, o que ocorre em casos de recessão ou até de deflação, a Fed Funds Rate é diminuída. Assim, há menos incentivo para as pessoas terem o seu capital “parado” em depósitos e consomem mais, tendo também mais facilidades em conseguirem financiamento junto dos bancos. Resultado: aumenta-se a liquidez da economia.

No mercado bolsista, devido ao aumento de liquidez na economia, há mais capacidade para “a tomada de posições alavancadas no mercado a menores taxas de financiamento”, revela o BiG. “Também beneficia as empresas através da redução de custos de financiamento”.

Já num período de política monetária de contração, quando a inflação é superior ao desejado, a Fed Funds Rate é elevada. Assim, diminui-se a liquidez da economia, o mercado acionista contrái-se e o mercado obrigacionista é penalizado.

Ler mais
Relacionadas

Saiba quais são as principais necessidades de financiamento para começar um negócio

No dia Nacional do Investidor, o Economize explica quais são as necessidades de financiamento para a sua empresa.

Está desempregado? Conheça os seus direitos e deveres

Ainda que as notícias sejam boas (e que o número de desempregados inscritos nos centros de emprego tenham caído para mínimos de quase 16 anos), ainda há milhares de portugueses que procuram emprego. A pensar nestes cidadãos, o Economize reuniu alguns dos direitos e deveres que, para o Instituto do Emprego e Formação Profissional, um desemprego deve ter/cumprir.

Quer ter benefícios fiscais? Seja socialmente responsável

Ser socialmente responsável tem as suas vantagens – seja a nível moral como financeiro. No Dia Mundial do Ambiente, o Economize resolveu realizar um pequeno guia onde pode encontrar alguns incentivos fiscais que desconhecia e se podem revelar bastante úteis.

Qual é o depósito a prazo mais rentável? Use este comparador

A ‘fintech’ de comparação de preços ComparaJá.pt lançou esta semana um novo serviço que espera que leve o número de utilizadores para os três milhões. O primeiro comparador de depósitos a prazo em Portugal já está online.

Cinco dicas para criar uma startup de sucesso

Por muito que a sua ideia seja revolucionária, disruptiva, ou apenas um simples conceito para responder às necessidades de um grupo de potenciais clientes, há aspetos na organização de uma pequena empresa, as chamadas ‘Startup’, que deve dominar para ter sucesso. Eis cinco dicas do Economize.
Recomendadas

Constâncio volta à mira dos deputados com omissões sobre créditos a Berardo debaixo de fogo

Ex-governador do Banco de Portugal volta a ser inquirido pelos deputados esta terça-feira, depois de notícias de que teve conhecimento prévio do financiamento da Caixa Geral de Depósitos a Joe Berardo para comprar ações do BCP, informação que terá omitido na primeira audição. Vítor Constâncio já negou que tenha tido um papel preponderante neste crédito, que se revelaria ruinoso para o banco público.

Respostas Rápidas: Como o Novo Banco registou perdas de 1.869 milhões em 2018 com os ativos do mecanismo

O Fundo de Resolução explica as dúvidas sobre o Mecanismo de Capitalização Contingente usado para recapitalizar o Novo Banco. O valor a pagar ao abrigo do CCA em 2019 e referente ao ano 2018, de 1.149 milhões, resulta da comparação entre o valor acumulado das perdas nos ativos CCA e o valor da insuficiência de capital do banco face aos níveis acordados. O valor acumulado das perdas era maior: 1.870 milhões depois do pagamento de 792 milhões pelo Fundo em 2018.

Joe Berardo pondera chamar Vítor Constâncio como testemunha contra banca

O empresário e coleccionador de arte português José Berardo está a estudar a hipótese de chamar o antigo governador do Banco de Portugal (BdP) Vítor Constâncio como testemunha num processo movido pelos bancos, revela o “Público” esta segunda-feira. Em causa está o processo judicial para recuperar 962 milhões de euros. A informação foi transmitida ao […]
Comentários