Saiba o que vai mudar no Código da Estrada

Com a aprovação das alterações ao Código da Estrada por parte do Conselho de Ministros, há uma série de regulamentações que alteram o comportamento dos condutores, mas sobretudo à forma como estes podem apresentar documentos, ser notificados ou

As alterações ao Código da Estrada aprovadas esta sexta-feira em Conselho de Ministros, que visam a transposição para o quadro jurídico português normas europeias sobre condução, terão repercussões em diferentes áreas, tanto ao nível da segurança rodoviária, como da fiscalização, como ainda para determinados veículos ou agentes rodoviários.

Dividindo-se em quatro matérias gerais de ação, estas alterações visam, segundo o Governo, a “promoção da segurança rodoviária e de diminuição da sinistralidade nas estradas”, um dos objetivos elencados no seu plano de governação.

Assim, em termos de segurança rodoviária, as novas regras indicam que:

·         duplicam os valores da coima associada ao uso do telemóvel ao volante (dos atuais 120€ a 600€, a infração passa a prever multas dos 240€ aos 1200€);

·         fica consagrada a proibição de pernoita e aparcamento de autocaravanas fora dos locais designados para o efeito;

·         passa a ser obrigatório ter arcos de proteção em veículos lentos (tratores, máquinas agrícolas/florestais e industriais);

·         as trotinetas elétricas com velocidade máxima de 25 km/h passam a ser equiparadas a bicicletas, estando sujeitas a multas dos 60€ aos 300€ caso seja ultrapassado este limite;

·         os condutores de veículos TVDE passam a ser equiparados a táxis em caso de condução sob efeito de álcool ou drogas;

·         os veículos de formação de polícia ou outras equipas de socorro passam a estar abrangidos pelas regras de uso de avisos sonoros e luminosos.

Noutro aspeto, há novas regras de promoção da desmaterialização processual. Especificamente:

·         passa a ser possível usar e apresentar cartas de condução digitais;

·         em caso de adesão voluntária à morada digital única, passa a ser possível ser notificado eletronicamente em processos contraordenacionais;

·         é desmaterializado o certificado de avaliação psicológica;

·         é possibilitada a comunicação eletrónica entre as forças e serviços da Autoridade Nacional Rodoviária.

Por outro lado, há ainda um esforço de simplificação processual, traduzido por:

·         uma concentração de todas as categorias de veículos na carta, de forma a eliminar licenças de tratores e máquinas agrícolas/florestais;

·         uma dispensa do levantamento dos autos de contraordenação de indivíduos em missão urgente de socorro;

·         uma possibilidade de reaver títulos caducados mediante a realização de provas de exame ou frequência de ações de formação.

Por fim, é previsto um reforço da fiscalização através da:

·         alteração do modo de acesso da GNR e da PSP ao Registo Individual do Condutor;

·         atribuição de competência fiscalizadora à GNR, PSP, Polícia Marítima e municípios, para atuarem fora das vias públicas e áreas protegidas em caso de violação de uma autocaravana da proibição acima explícita de pernoita fora das áreas designadas.

Recomendadas

Tenha atenção aos falsos intermediários de crédito no Facebook, alerta Deco

Se quiser consultar a lista das entidades autorizadas a conceder crédito em Portugal, a atuar como intermediários de crédito ou a prestar serviços de consultoria relativamente a contratos de crédito poderá fazê-lo no sítio do Banco de Portugal, em www.bportugal.pt ou no Portal do Cliente Bancário https://clientebancario.bportugal.pt.

Contribuintes que entregaram IRS até 26 de julho podem ter dispensa de coima

Este entendimento consta de um ofício circulado da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT), hoje publicado no Portal das Finanças, dando resposta à situação dos contribuintes que entregaram a declaração anual do IRS naquele prazo.

Cleverti está a recrutar 50 colaboradores para teletrabalho

As posições em aberto estão relacionadas com ‘.NET Core’, ‘DevOps’, ‘Node.js’ e ‘React’. Só nesta última, a tecnológica está a contratar 20 programadores ‘front-end’ com mais de três anos de experiência para um projeto ‘nearshore’ com base no Reino Unido.
Comentários