Secretária do Tesouro norte-americano descarta preocupações com a inflação

“Não vejo que os mercados estejam à espera de que a inflação suba acima da meta de 2% que a Fed tem como taxa média de inflação no longo prazo”, explicou Janet Yellen em entrevista ao programa televisivo “PBS Newshour”.

A secretária do Tesouro norte-americano disse esta sexta-feira à noite que a subida das yields da dívida de longo prazo não é um sinal de preocupações com a inflação mas um indício de que o mercado está a antecipar uma recuperação económica mais forte.

“Não vejo que os mercados estejam à espera de que a inflação suba acima da meta de 2% que a Fed tem como taxa média de inflação no longo prazo”, explicou Janet Yellen em entrevista ao programa televisivo “PBS Newshour”.

Porém, a ex-presidente da Reserva Federal alertou que os Estados Unidos precisam de ter um crescimento mais rápido do emprego do que aquele que foi registado em fevereiro e reiterou que o país poderá alcançar o pleno emprego no próximo ano com o pacote de apoios de 1,9 biliões de dólares do presidente Joe Biden.

As declarações de Janet Yellen surgiram horas depois de vir a público que, no mês passado, foram criados 379 mil postos de trabalho fora do sector agrícola nos Estados Unidos, um número significativamente superior aos 166 mil de janeiro, segundo o Departamento do Trabalho norte-americano.

A evolução do emprego provou um movimento de subida das yields soberanas. Aliás, a volatilidade acabou por se refletir no mercado obrigacionista, com os títulos do Tesouro norte-americanos a baterem os 1,6% de juros a 10 anos durante o dia, perante esses receios de inflação. Ainda assim, as bonds de referência acabaram por se ficar pelos 1,56%.

Recomendadas

Novos impostos sobre capital arruínam o dia em Wall Street

Não é uma notícia confirmada, apenas um rumor: a administração Biden pode estar a preparar novos impostos sobre os grandes salários e sobre os rendimentos do capital. Wall Street tremeu de imediato.

“Mercados em Ação”. “Principal fator para a força do euro é a fraqueza do dólar”

“Penso que os dois fatores contribuem. O principal fator que contribui para a força do euro será a fraqueza do dólar, neste momento. Claro que temos também o aumento do apetite pelo risco”, salientou o analista sénior Ricardo Evangelista no programa da JE TV.

Grupo EDP dispara em bolsa em reação ao compromisso de redução de emissões em 50% dos EUA

O grupo energético português juntou-se a mais 406 empresas que pediram à administração de Joe Biden que assumisse compromissos climáticos mais “ambiciosos” no dia em que decorre a Cimeira para o Clima.
Comentários